Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2019-10-30T20:06:25-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
Muita calma nessa hora

“Tudo virá no devido tempo”, diz Guedes sobre reformas

Ministro da Economia também disse nesta que é ingenuidade achar que a economia brasileira vai crescer de 3% a 4% “do dia para a noite”

30 de outubro de 2019
20:06
O ministro da Economia, Paulo Guedes
Imagem: Valter Campanato/Agência Brasil

O ministro da economia, Paulo Guedes, disse nesta quarta-feira, 30, que as próximas reformas estão sendo construídas em parceria com o Congresso Nacional. Durante o Summit Brasil, realizado pelo Estadão, ele destacou que essas reformas virão "no devido tempo" - citando, por exemplo, o pacto federativo - e acrescentou "que o devido tempo talvez será em uma semana".

"O Congresso está abraçando as reformas, ao contrário das opiniões aqui embaixo", disse, completando: "Está havendo acoplamento interessante e construtivo (com o Legislativo)".

Segundo o ministro, mesmo no caso da reforma tributária - onde há uma proposta em cada Casa - a ideia é reunir a discussão em uma comissão mista, onde o governo deve apresentar uma ideia de IVA (Imposto sobre valor agregado) dual, ou seja, um federal e outro para Estados e municípios.

O ministro voltou a criticar a forma como as contas públicas estaduais são tratadas, de forma a retratar uma situação melhor do que a de fato. Ele citou o caso de Goiás. Segundo Guedes, o Estado estava quebrado, a despeito de o Tribunal de Contas Estadual (TCE) não mostrar isso na aprovação das contas.

O ministro afirmou que, nas conversas com o Tribunal de Contas da União (TCU), chegou à conclusão de que o órgão federal tem que se tornar uma referência para os estaduais. Disse ainda que os próprios TCEs pediram para ser conectados ao TCU no novo desenho de pacto federativo.

Crescimento econômico

O ministro da Economia também disse nesta que é ingenuidade achar que a economia brasileira vai crescer de 3% a 4% "do dia para a noite". "Quem promete um crescimento desse está mentindo", disse Guedes. Ele participou do painel de encerramento do Estadão Summit, na capital paulista.

A avaliação do ministro toma como ponto de partida o histórico da economia brasileira que percorreu, desde o governo militar, uma trajetória descendente de sua economia até chegar à queda do momento atual. "O crescimento é lento, mas deve ser mais que o dobro no ano que vem", disse, acrescentando que em 2020 o PIB deverá crescer acima de 2%.

Guedes listou uma série de medidas tomadas pelo governo e que tem propiciado o ambiente para o crescimento, baixa inflação, redução de taxa de juro e investimentos que chegam. Ele disse que em uma semana será aprovada a MP do Saneamento, que vai trazer "uma onda" de investimentos ao País.

Para Guedes, tudo isso tem acontecido porque as tomadas vão no sentido da consolidação fiscal com fundamentos sólidos. "Saímos de um período em que se achava que gastos do governo levavam ao crescimento", disse. Ele afirmou também que o governo não está fazendo nada superficial e que o empurrão do FGTS é permanente. "Acho que vocês vão sentir logo o bafo deste crescimento", disse.

Conselho Fiscal da República

Guedes disse que, embora se tenha a impressão de que as coisas não estão andando e que as reformas estão demorando, as coisas estão acontecendo. Ele disse, por exemplo, que o governo está criando um Conselho Fiscal da República e que o secretário do Tesouro, Mansueto Almeida, será o primeiro diretor-executivo deste Conselho Fiscal.

Guedes admitiu que a reforma da Previdência demorou porque houve choques entre a equipe econômica, que acabava chegar ao poder, e o Congresso.

*Com Estadão Conteúdo.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

Ventos contrários

Renova Energia não consegue “proteção” contra minoritários da própria empresa

Empresa perdeu ação no TJ-SP que tentata impedir os acionistas de produzirem provas contra a empresa, relativas à investigação sobre desvio de recursos

Preocupação

Vidas secas? Bolsonaro admite que Brasil vive “enorme crise hidrológica”

Presidente citou a falta de chuvas como um dos grandes problemas econômicos do país, juntamente com os efeitos causados pela pandemia

MESA QUADRADA

“Não me arrependo de nada. Só não posso dar conselhos financeiros para ninguém”, diz Bob Wolfenson, o fotógrafo das celebridades entrevistado no 7º episódio do Mesa Quadrada

Em em conversa para o podcast Mesa Quadrada, Dan Stulbach, Teco Medina e Caio Mesquita, conversam sobre dinheiro e carreira com Bob Wolfenson, ícone da fotografia brasileira

Situação preocupante

Cuidado com as luzes acesas! Aneel mantém taxa adicional mais alta na contas de agosto

Tarifa cobrada na bandeira vermelha nível 2 é de R$ 9,49 por 100 quilowatts-hora (kWh), e agência continua avaliando se vai elevar o valor

O melhor do Seu Dinheiro

Os melhores investimentos do mês e as notícias que foram destaque na semana

lém do ranking, tivemos o Ibovespa em queda de 2,60, e uma entrevista exclusiva com o CEO da Ânima Educação, que busca um “modelo Magalu”

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies