Menu
2019-11-08T16:45:16-03:00
Pensando no longo prazo

Guedes: “queremos fazer a transformação do Estado brasileiro”

Segundo o ministro, a ideia de seu programa econômico é “completar” a transição para uma economia mais aberta

8 de novembro de 2019
16:45
Paulo Guedes
Imagem: Marcos Corrêa/PR

O ministro da Economia, Paulo Guedes, demonstrou otimismo com a tramitação no Congresso Nacional do conjunto de propostas de reformas anunciado na última terça-feira, 5, e destacou o apoio do presidente da República, Jair Bolsonaro, no processo.

"Essa reforma não vai ser como a Previdência, que teve um corte grande, porque está sendo feita junto com o Congresso. O aprendizado nosso foi esse. Em vez de jogar R$ 1 trilhão e não sei quanto, fomos conversando. Demora um pouquinho mais, mas está tudo mais ou menos entendido e mais ou menos encaminhado", afirmou, já na parte final da palestra de 1h10 com a qual encerrou o seminário Reavaliação do Risco Brasil, organizado pelo Centro de Economia Mundial (CEM) da Fundação Getulio Vargas (FGV), no Rio.

Segundo o ministro, a ideia de seu programa econômico é "completar" a transição para uma economia mais aberta, atacando as causas dos problemas econômicos.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

"Nosso programa não é para gerar um superávit primário, não é para fechar as contas com alta de imposto. Queremos fazer a transformação do Estado brasileiro", afirmou Guedes, também na palestra.

"Não vou combater sintomas, vou combater as causas", completou o ministro, ressaltando ainda que um dos objetivos é deixar um "legado de responsabilidade fiscal". "Tínhamos a Lei de Responsabilidade Fiscal, mas não a cultura de responsabilidade."

O ministro também destacou o apoio do presidente Jair Bolsonaro ao conjunto de propostas. Guedes exaltou a "determinação" e a "firmeza" do presidente, após lembrar que a atuação política de Bolsonaro flexibilizou as propostas originais, que, na "sala de aula", previam desindexar, desobrigar e desvincular todas as despesas públicas, sem distinção. "Nada disso seria possível sem ele", afirmou Guedes sobre Bolsonaro.

Guedes também comemorou resultados positivos na economia, como a expansão do crédito privado, que, segundo ele, "está subindo a dois dígitos" por mês, num movimento de "crowding in".

"Os spreads dos bancos vão começar a descer porque a competição vem do passado e do futuro", afirmou Guedes, numa referência aos bancos digitais e "fintechs".

Comentários
Leia também
OS MELHORES INVESTIMENTOS NA PRATELEIRA

Garimpei a Pi toda e encontrei ouro

Escolhi dois produtos de renda fixa para aplicar em curto prazo e dois para investimentos mais duradouros. Você vai ver na prática – e com a translucidez da matemática – como seu dinheiro pode render mais do que nas aplicações similares dos bancos tradicionais.

COLUNA DO PAI RICO PAI POBRE

Ter um emprego versus empreender

Veja como avaliar se é melhor ter um próprio negócio, ser autônomo ou arrumar um emprego.

EMPREGOS

Para gerar 1 milhão de empregos, economia tem de crescer 3%, diz secretário

O secretário de Trabalho do Ministério da Economia, Bruno Dalcolmo, evitou nesta sexta-feira, 24, fazer uma previsão oficial para a geração de empregos com carteira assinada em 2020, mas disse acreditar em até 1 milhão de novos postos de trabalho neste ano, caso o Produto Interno Bruto (PIB) tenha uma alta próxima de 3% até […]

SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

O que será que será da Selic?

A taxa básica de juros (Selic) vai continuar em queda? Quando fiz essa pergunta recentemente a um gestor de fundos, ele me devolveu com outra pergunta: – Você quer que eu responda o que o Banco Central deveria fazer ou o que ele vai fazer? Pode parecer uma diferença sutil, mas o mercado encontra-se atualmente […]

Dólar teve alta

Tensão com o coronavírus freia os mercados e faz o Ibovespa ficar no zero a zero na semana

O coronavírus trouxe cautela aos mercados, mas não desencadeou uma onda de pessimismo. Como resultado, o Ibovespa ficou praticamente zerado na semana — a nova doença neutralizou o otimismo estrutural visto na bolsa nos últimos dias

OUÇA O QUE BOMBOU NA SEMANA

Podcast Touros e Ursos: Já pensou em conquistar sua independência financeira?

Repórteres do Seu Dinheiro trazem em podcast semanal um panorama sobre tudo o que movimentou os seus investimentos nesta semana

de olho na inflação

BC está confortável com inflação após choque de proteína, diz Campos Neto

“Há um gap de política monetária que a gente tenta comunicar. É importante, porque parte do que foi feito não está totalmente dissipado”, afirmou em seguida

MAIS ESCLARECIMENTOS

BNDES atual pôs R$ 15 milhões a mais em auditoria

O reajuste de 25% aconteceu por meio de um aditivo contratual, publicado no dia 25 de outubro de 2019, e aumentou de US$ 14 milhões para US$ 17,5 milhões o contrato da Cleary Gottlieb Steen & Hamilton, escritório contratado para realizar os serviços de auditoria

CONFIRMADA

Oi confirma venda de participação na angolana Unitel por R$ 1 bilhão

O montante corresponde a venda de 25% da participação que detém na angolana e engloba também os dividendos que a Oi tem o direito de receber, mas que estavam retidos até então

negativas

Bolsonaro nega a ideia de ‘imposto do pecado’

Presidente também descartou a chance de desmembrar o Ministério da Justiça e Segurança Pública em duas pastas

Na bolsa

Itaú reduz participação na Qualicorp para menos de 5%

O banco passou a deter 4,95% do capital da administradora de planos de saúde coletivos após a venda das ações, que acumulam alta de mais de 200% em 12 meses

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements