Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2019-08-15T16:58:57-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
que situ

Dívida líquida da Oi cresce 25,5% no trimestre e atinge R$ 12,5 bi

Em recuperação judicial desde o final de 2016, companhia viu no período sua base total de clientes cair 5,4%

15 de agosto de 2019
10:31 - atualizado às 16:58
oi
Imagem: Shutterstock

A Oi informou nesta quinta-feira, 15, que terminou o segundo trimestre com dívida líquida de R$ 12,573 bilhões, montante 25,5% maior do que no mesmo período do ano passado. Nesse período, a dívida bruta subiu 10,8% e foi a R$ 16,868 bilhões. Já o dinheiro disponível em caixa recuou 17,4%, para R$ 4,3 bilhões.

Em recuperação judicial desde o final de 2016, a companhia anunciou no mês passado um plano estratégico em que se mostra disposta a vender seu braço de telefonia móvel e focar seus esforços em fibra e infraestrutura. Mas o trajeto é tortuoso e ainda não há clareza se a companhia de fato irá se reerguer.

Com a divulgação dos resultados hoje, a Oi explicou que o aumento da dívida bruta é resultado do 'accrual' de juros e da amortização do ajuste a valor presente (AVP), o que foi parcialmente compensado pelo impacto positivo da valorização do real ante o dólar sobre a parcela da dívida denominada nesta moeda.

Já a redução no caixa ocorreu, principalmente, em função das obrigações regulatórias e pontuais no trimestre, tais como Fistel e ônus da concessão, além da aceleração dos investimentos, explicou a operadora.

Os investimentos da Oi totalizaram R$ 3,786 bilhões no primeiro semestre, 52% mais do que no mesmo período do ano passado. Com isso, a Oi atingiu 54% da meta de investimento no ano, de R$ 7,0 bilhões, focados na expansão de FTTH, oferecendo banda larga de alta velocidade, além da expansão da cobertura móvel 4G e 4,5G.

Queda na receita

A receita líquida de serviços da Oi caiu 8,2% na comparação entre o segundo trimestre de 2018 e o mesmo intervalo de 2019, indo a R$ 5,004 bilhões. A baixa foi observada em todas as linhas de atuação da operadora: residencial (-12,1%), móvel (-3,7%) e corporativo, também chamado de B2B (-7,0%).

A tele avaliou que os segmentos continuam sendo impactados pela queda do tráfego de voz e pelo corte nas tarifas reguladas de interconexão (VU-M). Por outro lado, o crescimento da receita de dados do segmento de mobilidade pessoal, da receita de banda larga via fibra ótica FTTH e de TI corporativo compensaram parcialmente essa queda.

A operadora acrescentou que o crescimento da base de clientes de fibra e o de clientes de planos de celular pós-pago também vêm ajudando a compensar parte da queda do faturamento consolidado.

Menos clientes

A base total de clientes caiu 5,4%, para 55,870 milhões. No segmento residencial houve baixa de 9,1%, em mobilidade queda de 4,9%, enquanto no corporativo teve alta de 3,4%.

No setor residencial, a Oi perdeu clientes de linhas fixas (-11,9%), banda larga (-7,5%), mas aumentou em TV paga (1,6%). A receita média por usuário (arpu, na sigla em inglês) no setor residencial diminuiu 0,6%, para R$ 78,6 por mês. A companhia disse que vem acelerando os investimentos em fibra ótica para substituir a banda larga por fios de cobre e reverter a perda dos usuários em banda larga.

No setor móvel, a Oi perdeu 11,1% da sua base de clientes de planos pré-pagos, mas mostrou um avanço de 21,3% na base de pós-pagos. A tele avaliou que o pré-pago segue uma tendência de retração no mercado e continua sendo impactado pela lenta recuperação econômica e altas taxas de desemprego.

Além disso, muitos clientes têm optado por migrar para o pós-pago, onde a tele tem feito ofertas mais competitivas. O arpu do setor móvel ficou em R$ 16,09, leve alta de 0,2%.

No setor corporativo, a Oi perdeu clientes de linhas fixas (-4,5%) e banda larga (-5,0%), mas ampliou os assinantes de planos móveis (16,8%) e TV paga (6,3%). A estratégia da companhia para incrementar a receita é intensificar a oferta por soluções digitais e de TI, melhorando o mix de receitas e atendendo ao crescimento das demandas por projetos corporativos.

Outros números

A Oi apresentou um prejuízo líquido atribuído aos acionistas controladores de R$ 1,559 bilhão, 24% maior do que no segundo trimestre de 2018. Já o resultado consolidado das operações continuadas ficou negativo em R$ 1,625 bilhão, alta de 31,8% e, considerando os efeitos do IFRS 16, o prejuízo aumenta para R$ 1,709 bilhão.

O Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) consolidado no critério "rotina" somou R$ 1,208 bilhão, 22,1% abaixo do segundo trimestre de 2018. A margem Ebitda de rotina caiu 4,4 pontos porcentuais, para 23,9%.

Os investimentos (capex) consolidados, considerando as operações internacionais, cresceram 50,7%, para R$ 2,061 bilhões. "O crescimento do Capex no 2T19, em especial, reflete a aceleração dos investimentos previstos no Plano de Estratégico da Companhia com foco principal na expansão de FTTH, oferecendo banda larga de alta velocidade, além da expansão da cobertura móvel 4G e 4,5G", destaca o informe.

O resultado financeiro líquido consolidado da Oi S.A. foi negativo em R$ 1,374 bilhão, 4,75% maior do que a despesa de um ano atrás, e pior que o resultado positivo de R$ 35 milhões no primeiro trimestre deste ano.

*Com Estadão Conteúdo 

Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

AMPLIANDO A BASE

Em busca do pequeno investidor, BR Partners (BRBI11) fecha preço de oferta de ações; papéis sobem

Banco havia realizado IPO em junho do ano passado em operação que permitia a compra dos papéis nos primeiros 18 meses apenas por investidores que tivessem mais de R$ 1 milhão em aplicações, os chamados investidores qualificados

BITCOIN (BTC) HOJE

Bitcoin (BTC) avança para os US$ 38 mil antes da decisão de política monetária do Fed, mas semana ainda é difícil para mercado de criptomoedas

Investidores aguardam maiores informações sobre a retirada de estímulos e alta nos juros por parte do Banco Central americano

EXILE ON WALL STREET

Para triunfar, antes é preciso atravessar: confira três dicas importantes para seguir antes de investir

Antes de tomar qualquer decisão no calor do momento, seja pelo excesso de otimismo ou por um receio em demasia, é necessário ter em mente três lições para investir bem e com prudência

FOME POR EXPANSÃO

BTG Pactual (BPAC11) compra 100% da carteira da Planner Investimentos e acirra disputa com XP por agentes autônomos

Com o negócio, a corretora Planner vai deixar de atuar na corretagem e assessoria de investimentos para pessoas físicas

SÓ NO TAPETINHO

Petz (PETZ3) fecha aquisição da Petix pela liderança no mercado de tapetinhos higiênicos e ações disparam

Em mais uma investida viabilizada por oferta subsequente realizada no fim do ano passado, Petz precifica a dona da marca SuperSecão em R$ 70 milhões

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies