Menu
2019-10-14T16:37:34-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
Amigos, amigos...

OCDE diz que Brasil já é um parceiro-chave da OCDE, que já está perto da organização

Diretor para a América Latina na Organização diz que o Brasil se destaca em pesquisas no sentido de competitividade global

14 de outubro de 2019
16:37
Logo da OCDE
OCDE - Imagem: Shutterstock

Diante do imbróglio em torno do apoio americano à entrada do Brasil na OCDE, o diretor para a América Latina na Organização, Roberto Martínez-Yllescas, afirmou que o país já é um elemento importante e participa de vários comitês de trabalho, apesar de não ser membro oficial.

"O Brasil já é um key partner da OCDE, participa dos comitês de trabalho. É um país que está perto da OCDE e tem adotado vários dos padrões globais da OCDE", disse durante a 9ª edição da ABES Software Conference.

Em palestra sobre a economia digital global, Martínez-Yllescas disse que o desenvolvimento da área de inteligência artificial abre espaço para que países emergentes façam um "salto qualitativo" em relação à competitividade global. E citou que o Brasil se destaca em pesquisas nesse sentido dentro da América Latina. Globalmente, Estados Unidos, China e Reino Unidos lideram pesquisas e registro de patentes sobre o assunto.

Líder de startups

Martínez-Yllescas também destacou que o Brasil tem bons números de abertura de empresas "startups", com clara liderança na América Latina, e de geração de empregos nessa área, mas precisa fazer mais esforços para inclusão digital da sociedade e ampliar o acesso à banda larga.

Segundo ele, o Brasil falha em acesso global à banda larga. Por outro lado, pondera que há uma penetração "interessante" da banda larga móvel no País, mais próximo da média dos países da OCDE. Na área de vendas online, os dados, segundo o diretor, são "irônicos". Apesar de os números de vendas online estarem próximas do grupo médio da organização, boa parte delas ocorre no comércio "business to business". "Vemos que não existe tanta gente comprando online", disse.

Martínez-Yllescas destacou que o Brasil tem uma liderança, na América Latina, em número de novas startups, o que gera dados importantes de geração de empregos nessa área. No entanto, o diretor disse que é importante potencializar esse processo "num futuro próximo", aumentando a capacitação nessa área para quem vai ingressar no mercado de trabalho. Ele afirmou que é preciso "fazer mais esforços" para melhorar a educação pública em matemática, compreensão de leitura e raciocínio científico.

"É importante uma política pública para identificar quais são as demandas das empresas, construir serviços otimizados para troca de informação e de evidências sobre a evolução do mercado de trabalho", disse, completando: "A política tem de evoluir para fornecer às pessoas competências para o mercado de trabalho. A moeda de câmbio agora não é só informação, mas o conjunto de competências que pessoas têm para responder ao que o mercado de trabalho está procurando".

*Com Estadão Conteúdo.

Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

seu dinheiro na sua noite

A vingança das sardinhas

Podia ser o título de um filme de terror, mas está mais para uma história de superação. No jargão do mercado financeiro, sardinhas são os pequenos investidores — pessoas físicas como eu e você. No mar revolto da bolsa de valores, as sardinhas costumam virar presas fáceis para os grandes investidores — ou tubarões, como […]

balanço

Pix movimenta R$ 11,8 bilhões na primeira semana de operação

Volume considera as transações realizadas entre o dia 16 de novembro, início da ferramenta, até ontem, dia 22

ainda não é oficial

Biden deve nomear Janet Yellen como secretária do Tesouro, diz jornal

Se confirmada pelo Senado, Janet Yellen será a primeira mulher a assumir a função; bolsas subiram com a notícia

fim do dia

Tudo para cima: Ibovespa fecha em alta com vacina de Oxford 70% eficaz, enquanto risco fiscal pressiona dólar e juros

Principal índice da B3 fecha no maior patamar desde 21 de fevereiro e acumula ganhos de 14% em novembro. Paralisia com reformas e crescente dívida pública instigam alta da moeda americana

Corrida contra o tempo

Moody’s: vacinação em massa tem potencial significativo de melhora do PIB global

Hoje foi a vez da AstraZeneca, que seguiu as farmacêuticas Moderna e Pfizer nas semanas anteriores, todas com eficácia na casa dos 90%.

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies