Menu
Vinícius Pinheiro
O melhor do Seu Dinheiro
Vinícius Pinheiro
2019-07-26T20:06:14-03:00
o que mexeu com os seus investimentos hoje

O cartão de 10 bilhões de dólares

26 de julho de 2019
20:00 - atualizado às 20:06
Selo O Melhor do Seu Dinheiro; investimentos
Imagem: Montagem Andrei Morais / Shutterstock

Quando estive pela primeira vez na sede do Nubank , os funcionários da empresa dona do cobiçado cartão roxo disputavam uma animada competição de ping-pong. A partida fazia parte da gincana interna batizada de “Jogos Nus”. Era uma referência ao nome da empresa e à Olimpíada do Rio, que acontecia na mesma época.

O ambiente descontraído era bem diferente do que eu estava acostumado a ver nos grandes bancos. Poucas semanas depois, ao questionar o alto executivo de uma instituição financeira, ele me disse que o novo concorrente não incomodava e que tinha um produto “facilmente copiável”.

Não pude cobrá-lo depois, mas acredito que ele tenha se arrependido da afirmação. O fato é que o Nubank avançou em um ritmo que nem mesmo os mais otimistas esperavam.

A empresa informa ter hoje mais de 12 milhões de usuários. Ou seja, em número de clientes está atrás apenas dos cinco grandes bancos de varejo – Banco do Brasil, Itaú Unibanco, Caixa, Bradesco e Santander.

De todo modo, reconheço que fiquei surpreso quando começaram a circular notícias de que a empresa de tecnologia financeira (fintech) poderia ser avaliada em US$ 10 bilhões.

Afinal, por mais que tenha crescido e aparecido, o Nubank até hoje não deu um centavo sequer de lucro. A grande dúvida do mercado é saber se a empresa será capaz de transformar um bom produto em um negócio rentável.

Os investidores que colocaram mais dinheiro no Nubank aparentemente acreditam que sim. A empresa confirmou na tarde de hoje que vai receber US$ 400 milhões em uma rodada liderada pelo fundo americano TCV. Saiba mais sobre o negócio nesta matéria que eu escrevi.

À espera dos juros

O dia 31 de julho, próxima quarta-feira, está na agenda de todos os investidores no mercado financeiro. Afinal, é a data em que o Banco Central do Brasil e dos EUA anunciam a decisão sobre os juros. A ampla expectativa é de corte das taxas, tanto aqui como lá. Mas enquanto a notícia não se confirma, parece que ninguém quer ficar de fora da bolsa nem aumentar a exposição. Com isso, o Ibovespa teve mais um dia próximo do zero a zero. O resultado até que poderia ser diferente se não fosse a Petrobras, que fechou o dia em queda de quase 3%. Saiba por que na nossa cobertura de mercados.

Um dilema “Tostiniano”

Pegando o exemplo da clássica propaganda de bolacha (ou biscoito?), a nossa colunista Angela Bittencourt nos propôs a seguinte indagação: o Copom cortará a taxa de juro porque a economia não cresce ou a economia não cresce porque o juro não cai? Seja qual for a resposta, a verdade é que o uso da queda das taxas como instrumento para impulsionar a economia começa a dar sinais de esgotamento, como ela esclarece nesta análise.

“Não fez mais do que a sua obrigação”

Assim como o meu pai costumava dizer depois de eu ter ido bem na prova de matemática com o clássico “não fez mais do que a sua obrigação”, o mercado não passou recibo para o balanço da siderúrgica Usiminas. A empresa fez a parte dela ao sair do prejuízo e voltar ao azul no segundo trimestre, mas não chegou a animar os investidores. O Victor Aguiar traz a reação dos analistas aos resultados nesta matéria.


PUBLICIDADE

O segredo dos milionários


O que antes era exclusivo para milionários, agora cabe no seu bolso com apenas um investimento inicial de R$ 1.000. Saiba qual é esse investimento aqui.


Mudanças no cardápio

“Massa artesanal e com borda de 28 gominhos recheados de queijo”, esse era o anúncio que a Pizza Hut veiculou durante muitos anos para falar sobre a sua pizza mais famosa, a “Cheesy Pop”. Aqui no Brasil, essa massa pode ganhar um novo sabor. Isso porque o empresário Carlos Wizard, que possui os direitos da rede de pizzarias e do KFC Brasil no país, assinou um acordo de fusão com a IMC, dona das redes Frango Assado e Viena. Saiba mais sobre a notícia, que fez os papéis da IMC negociados na bolsa dispararem mais de 8% hoje.

Uma referência para você investir

Os fundos imobiliários são uma boa opção para quem está em busca de renda (isenta de imposto). Mas como as cotas são negociadas em bolsa, trata-se também de um investimento em renda variável. Então como acompanhar o desempenho dos fundos? Uma boa referência é o índice IFIX criado pela B3. Quer conhecer mais sobre o “Ibovespa” dos fundos imobiliários? A Julia Wiltgen conta tudo o que você precisa saber sobre ele neste vídeo.

Antes de “sextar”, aperte o play 

Hoje é sexta-feira e, como já virou tradição aqui no Seu Dinheiro, é dia do podcast Touros e Ursos. No programa de hoje, o Victor Aguiar, o Eduardo Campos e eu comentamos as notícias que bombaram na semana. E não podia faltar a liberação dos R$ 500 do FGTS pelo governo nem os balanços dos bancões, além dos nossos prognósticos para a decisão do Copom sobre a Selic na próxima quarta-feira. Então, prepara o fone de ouvido e aperta o play.

Este artigo foi publicado primeiramente no "Seu Dinheiro na sua noite", a newsletter diária do Seu Dinheiro. Para receber esse conteúdo no seu e-mail, cadastre-se gratuitamente neste link.

Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

ficou para esta quinta

Para privatizar Eletrobras, governo aceita mais 19 emendas à MP

Por acordo entre os senadores, o texto da MP será votado apenas amanhã, 17, a partir das 10h, e até lá, eles poderão apresentar sugestões de destaques, que podem alterar o teor do parecer

seu dinheiro na sua noite

A Selic subiu mais um pouco – e na próxima reunião tem mais

Esta “Super Quarta” terminou com os bancos centrais brasileiro e americano apertando um pouquinho mais a torneirinha dos juros. A inflação pressiona, aqui e na terra do Tio Sam, e as autoridades monetárias querem mostrar que permanecem vigilantes. O Federal Reserve ainda não elevou propriamente as taxas de juros, que foram mantidas entre zero e […]

Entrevista

Sinais do Copom apontam para Selic a 7% no fim do ano, diz Padovani, do banco BV

Economista-chefe do banco BV, Roberto Padovani destacou o tom mais ríspido do Banco Central e a indicação de que a Selic continuará em alta

MUDANÇA NOS JUROS

COMPARATIVO: Veja o que mudou no novo comunicado do Copom

Veja o que ficou igual e o que mudou no comunicado da decisão do Copom a respeito da taxa Selic, elevada ao patamar de 4,25% ao ano

Subiu de novo

Como ficam os seus investimentos em renda fixa com a Selic em 4,25% ao ano

Veja como fica o retorno das aplicações conservadoras de renda fixa agora que o Banco Central elevou a Selic mais uma vez

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies