O melhor time de jornalistas e analistas do Telegram! Inscreva-se agora e libere a sua vaga

2022-04-14T15:09:21-03:00
Beatriz Azevedo Pinto
É TETRA!

Nubank ‘vence’ Itaú, Santander e Bradesco em ranking de melhores bancos; Inter e C6 Bank deixam bancões fora do pódio

O ranking anual da Forbes EUA aponta o Nubank como o melhor banco do país e bancões ‘não chegam nem perto’ na lista; veja

14 de abril de 2022
15:09
bdr nubank ipo nubank
Nubank vai abrir capital nos EUA e terá BDRs listados no Brasil. - Imagem: Shutterstock

Como diria Galvão Bueno, é tetra! O Nubank foi eleito o melhor banco do Brasil pelo 4° ano consecutivo, de acordo com ranking elaborado pela revista Forbes. 

O restante do pódio é ocupado por outros dois “novatos” no setor financeiro: Inter e C6 Bank, que mantiveram as posições do último ano.

Uma má notícia para os bancões, que sequer figuram no Top 5. O Itaú (ITUB4), por exemplo, está na 8° posição e o Santander (SANB11), na 10°. 

O Digio é um nome novo na lista, após tomar a 15° posição do Banrisul. Já o Sicredi — cooperativa de crédito — disparou do 7° ao 4° lugar em um ano. Veja a seguir o ranking: 

  1. Nubank; 
  2. Banco Inter; 
  3. C6 Bank; 
  4. Sicredi; 
  5. PagBank; 
  6. Neon; 
  7. Next;
  8. Itaú; 
  9. Banco BMG; 
  10. Santander. 

Alguns dos quesitos levados em consideração são: satisfação dos clientes, confiabilidade, digitalização, atendimento e assessoria financeira. Mais de 45.000 pessoas de 27 países foram ouvidas para compilar a lista.

O que mudou desde o ranking de 2020? 

Desde a última publicação do ranking, em abril de 2021, o cenário econômico mudou drasticamente. A Selic, que ainda estava na casa dos 2%, disparou e hoje já chega aos 11,75% e deve continuar subindo. 

Esse cenário beneficia instituições que ganham com o encarecimento de empréstimos e financiamentos, como é o caso dos bancos tradicionais. 

Assim,  os alguns dos maiores bancos brasileiros (Banco do Brasil, Bradesco, Itaú Unibanco e Santander) registraram, juntos, o maior lucro anual desde 2019: R$ 81,6 bilhões. O que não foi o suficiente para fazê-los voltar ao gosto do povo. Para você ter uma noção, o BB sequer entrou na lista. 

O Nubank e outras fintechs, por outro lado, saem perdendo em um cenário de juros em alta, mesmo que ainda estejam à frente na pesquisa. 

O motivo por trás disso é que os juros em disparada podem reduzir a velocidade do chamado "financial deepening", ou seja, a migração dos investidores para produtos com foco em maior retorno e risco fora da prateleira dos grandes bancos.

A explicação é que, uma das formas de determinar o valor de uma  empresa é o chamado fluxo de caixa descontado. 

Basicamente, um analista projeta os fluxos de caixa de uma empresa ao longo do tempo e traz cada um desses valores ao valor presente, usando uma taxa de desconto. 

Mas, como as empresas de tecnologia têm projeções de forte crescimento no futuro — e, sendo assim, os fluxos de caixa vão aumentando de maneira intensa ao longo do tempo. Acontece que a alta dos juros faz o valor da taxa de desconto aumentar. 

Como resultado, a soma dos valores presentes desses fluxos acaba diminuindo — e, com isso, também cai o preço justo das ações. No lado técnico, essa é a razão que justifica a correção mais intensa nas ações do setor de tecnologia no geral. 

Alerta vermelho: risco de ataque hacker é real e seus dados correr perigo; veja abaixo como ter chances de virar o jogo e lucrar com isso

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

CSN (CSNA3) e CSN Mineração (CSNA3) vão recomprar até 164 milhões de ações; veja o que muda para os acionistas

As duas companhias aproveitam o momento descontado na B3 para encerrar os programas atuais e iniciar novas operações com duração de um ano

SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

Inflação derruba bolsas, Hapvida vai às compras e a varejista que ameaça o Magalu; confira os destaques do dia

Depois de um dia de animação, preocupações com o movimento dos preços e a atividade econômica pelo mundo estragaram o humor dos investidores

FECHAMENTO DO DIA

Inflação americana come margem de grandes empresas e derruba bolsas globais; Ibovespa cai mais de 2% e dólar cola em R$ 5

Com inflação pressionando e China voltando a fechar cidades, o Ibovespa caiu menos que as bolsas em Wall Street, mas ainda assim amargou fortes perdas

BR Properties (BRPR3) vende 80% do portfólio para fundo canadense, em transação de quase R$ 6 bilhões

Além de representar um movimento importante no atual cenário macroeconômico brasileiro, a transação marca a saída de boa parte do capital do fundo soberano de Abu Dhabi (ADIA) da empresa

CAMINHO ABERTO

TCU aprova privatização da Eletrobras (ELET3); fique por dentro da decisão do tribunal

Uma das prioridades do governo federal, privatização da Eletrobras ainda enfrenta outros obstáculos

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies