Menu
2019-08-30T17:58:49-03:00
Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
Formado em jornalismo, com MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela FIA. Trabalhou por 18 anos nas principais redações do país, como Agência Estado/Broadcast, Gazeta Mercantil e Valor Econômico. É coautor do ensaio “Plínio Marcos, a crônica dos que não têm voz" (Boitempo) e escreveu os romances “O Roteirista” (Rocco), “Abandonado” (Geração) e "Os Jogadores" (Planeta).
Cartão roxo no vermelho

Nubank tem prejuízo “de propósito” de R$ 139,5 milhões no semestre

Prejuízo do Nubank foi 174% maior do que no mesmo período do ano passado, mas diretor afirma que crescer de forma sustentável e não gerar lucro é uma escolha da empresa

30 de agosto de 2019
16:22 - atualizado às 17:58
Cartão da fintech Nubank
Nubank: prejuízo da fintech do cartão roxo foi 174% maiorImagem: Divulgação

Um prejuízo semestral de R$ 139,5 milhões deveria ser uma péssima notícia para qualquer instituição financeira. Mas não para o Nubank.

O prejuízo da empresa de tecnologia financeira (fintech) conhecida por seu cartão roxo foi 174% maior na comparação com os primeiros seis meses do ano passado. Mas para o Nubank a perda foi "proposital".

"Crescer de forma sustentável e, portanto, não gerar lucro nesse momento, é uma escolha do Nubank", afirmou Gabriel Silva, diretor financeiro do Nubank, em um post no blog corporativo. Em seus seis anos de vida, a empresa jamais deu lucro. Eu procurei o Nubank, mas a assessoria de imprensa me informou que não comentaria o assunto.

Quando deixamos a última linha do balanço de lado e olhamos para o crescimento, os números de fato são impressionantes. O Nubank encerrou o primeiro semestre com mais de 10 milhões de clientes, um crescimento de 2,5 vezes de um ano para cá.

Ainda mais incrível é o ritmo de expansão, que chegou a quase 50 mil novos clientes por dia no final do período, segundo o diretor.

A empresa ganha novos usuários numa ponta e praticamente não perde na outra. A taxa de cancelamento no produto cartão de crédito foi de 0,03% ao mês, ainda de acordo com Silva.

"Quem está acostumado a ver balanços de bancos talvez estranhe o fato de uma instituição financeira não gerar lucro, mas isso é consequência do crescimento, e esperado", escreveu o diretor.

Em uma análise mais "raiz" dos resultados, a receita operacional do Nubank avançou 80,5% em relação ao primeiro semestre do ano passado, para R$ 355 milhões.

Só que o custo dos serviços prestados – que inclui as despesas para a manutenção de contas e emissão de cartões – aumentou 147%, para R$ 393,9 milhões, o que levou a empresa a ter um prejuízo bruto no semestre.

O resultado financeiro, que inclui as receitas da companhia com a cobrança de juros no cartão menos custos de captação, aumentou 107%, para 467 milhões. Esse ganho, contudo, não foi suficiente para cobrir as despesas operacionais, que avançaram 89,5% e somaram R$ 622 milhões.

Na superfície, pode parecer um resultado muito ruim, mas pode se justificar pelo crescimento da companhia. Afinal, cada cliente novo da empresa gera um custo – por exemplo, com a emissão de cartão – que leva um determinado período para se pagar.

Como o número de usuários em início de relacionamento é maior que o de clientes "maduros", as despesas acabam crescendo mais que as receitas nos balanços.

Essa equação poderia representar um problema, mas o Nubank não enfrenta problemas para financiar o crescimento com prejuízo. No mês passado, a fintech fechou uma nova rodada de captação de US$ 400 milhões (R$ 1,6 bilhão), na qual foi avaliada em cerca de US$ 10 bilhões (aproximadamente R$ 41 bilhões).

Crédito e NuConta

Um dos principais riscos para o Nubank em meio a taxas de crescimento tão aceleradas é "errar a mão" no crédito. Mas aparentemente a situação está bem controlada.

A carteira de crédito do Nubank atingiu R$ 8,5 bilhões no fim do primeiro semestre, um crescimento de 77% em 12 meses. Já as despesas de provisão para calotes no balanço aumentou em um ritmo menor, de 61,2%.

A NuConta, conta de pagamento lançada pela empresa em 2017 e que oferece rendimento de 100% do CDI sobre o saldo, segue em expansão ainda mais acelerada. Em 12 meses, os depósitos de clientes atingiram R$ 5,1 bilhões, alta de 468%.

Se você é cliente de um ou mais serviços do Nubank, não precisa ficar preocupado com os resultados negativos em sequência. Os recursos da NuConta ficam aplicados no Tesouro Selic e não correm risco, enquanto que os depósitos em RDBs da fintech possuem garantia até R$ 250 mil do Fundo Garantidor de Créditos (FGC).

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

mp 925

Câmara conclui votação de MP da Aviação e texto segue para Senado

A proposta traz ações emergenciais ao setor de aviação civil para mitigar os efeitos da crise gerada pela pandemia

mundo aéreo

Azul vende participação de 6% na TAP para governo português, por R$ 65 milhões

A companhia aérea Azul informou nesta quarta-feira, 8, que vendeu a participação indireta de 6% que detinha na aérea portuguesa TAP, para o governo de Portugal. O valor fechado foi de R$ 65 milhões

Um milhão em três meses

Em meio à pandemia, Banco Inter alcança 6 milhões de clientes da conta digital

No mês de abril, o banco havia informado que tinha alcançado 5 milhões de clientes. Na ocasião, também disse que só no primeiro trimestre o número de novas contas bateu recorde

seu dinheiro na sua noite

Quanto vale um triz? Hoje, 231 pontos

No seu livro de crônicas “Comédias para se ler na escola”, Luis Fernando Verissimo discorre sobre os possíveis significados e origens das expressões “tintim” e “triz” – seriam unidades de medida que caíram em desuso? Subdivisões do espaço e do tempo? – e sai com a ótima tirada de que ambos pertenceriam ao obscuro mundo […]

coronavírus no país

Covid-19: Brasil tem 67,9 mil mortes e 1 milhão de curados

País acumula 1,7 milhão de casos confirmados do novo coronavírus

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements