Menu
2019-08-08T20:06:45-03:00
Bruna Furlani
Bruna Furlani
Jornalista formada pela Universidade de Brasília (UnB). Fez curso de jornalismo econômico oferecido pela Fundação Getúlio Vargas (FGV). Tem passagem pelas editorias de economia, política e negócios de veículos como O Estado de S.Paulo, SBT e Correio Braziliense.
De olho na economia

Guedes disse que vai usar imposto sobre transações financeiras para financiar transição para capitalização

Guedes destacou novamente que a capitalização poderá criar um novo mercado de poupança e que pode ser capaz de libertar gerações futuras e que o tema deve ser retomado sob a forma de PEC paralela

8 de agosto de 2019
20:06
Ministro da Economia Paulo Guedes
Ministro da Economia Paulo Guedes - Imagem: Marcos Corrêa/PR

De forma bem humorada e bastante otimista, o ministro da Economia, Paulo Guedes, disse hoje (8) em um evento do banco BTG Pactual fechado para o mercado financeiro que vai retomar a pauta da capitalização da Previdência e que deve usar o imposto sobre transações e pagamentos financeiros para financiar a transição para o novo regime previdenciário.

Guedes destacou novamente que a capitalização poderá criar um novo mercado de poupança e que pode ser capaz de libertar gerações futuras. O sistema de capitalização prevê que as contribuições previdenciárias dos trabalhadores sejam direcionadas a uma poupança, que deve ser rentabilizada e que deve sustentar os trabalhadores na aposentadoria.

No regime de capitalização, as contribuições dos trabalhadores são direcionadas a contas individuais e investidas em aplicações financeiras para gerar uma rentabilidade. É formada uma poupança. O valor da aposentadoria, portanto, depende de quanto o trabalhador conseguiu poupar e do retorno dos investimentos.

Olha a PEC paralela

Além de retomar a pauta do regime de capitalização, o ministro reforçou que não desistiu de reincluir os Estados e municípios na reforma da Previdência, mas acredita que eles devem voltar por meio de uma "PEC paralela".

Na última terça-feira (6), o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, sinalizou que a inclusão dos Estados e municípios deveria ocorrer dessa forma e disse ainda que a discussão sobre o regime de capitalização da Previdência também poderia ser retomada em uma PEC paralela.

Ambas as discussões faziam parte da proposta original do governo, mas acabaram sendo retirados do texto final da reforma por não haver apoio suficiente entre os deputados.

De olho no saneamento e na infraestrutura

Outro tema que veio à tona e que foi anteriormente mencionado pelo presidente da Câmara em um painel anterior foi a questão do saneamento. Acompanhando a ideia de Maia, o ministro da Economia disse que "trilhões de dólares querendo entrar em termos de saneamento e infraestrutura no Brasil [...] E que o fenômeno conhecido como crowding out afastou o investimento privado no país nos últimos anos, mas que agora a ideia é fazer o crowding in e impulsionar o estoque privado".

Ele ainda destacou que a MP do saneamento básico deve entrar em pauta em seguida, depois a liberdade econômica e a reforma tributária.

Ao ser questionado especificamente sobre a reforma tributária, o ministro disse que o conteúdo do texto produzido pelo governo está focado na simplificação total e enfatizou que para a sua aprovação é preciso ter uma direção clara e inequívoca quanto ao objetivo da reforma.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

Pressão para todo lado

Comissão inicia discussões sobre a Reforma Administrativa; relator afirma que Bolsonaro precisa manifestar seu apoio

A comissão especial formada na Câmara dá hoje o pontapé inicial na discussão da reforma administrativa. A primeira reunião é cercada de forte pressão para definir a lista das categorias de Estado a serem incluídas na Proposta de Emenda à Constituição (PEC). O crescimento desse movimento é uma das preocupações do relator do projeto, deputado […]

Matéria-prima salgada

Commodities vão inflacionar o mercado de carros, diz presidente de consórcio que reúne Fiat, Jeep, Peugeot e Citroën

Além da pandemia e da falta de chips, o executivo vê com preocupação o movimento inflacionário das commodities usadas pelo setor

MERCADOS HOJE

Dólar fica abaixo dos R$ 5 pela primeira vez em um ano; confira as razões para a queda da moeda

Entrada de fluxo estrangeiro no país é acompanhada de alguns critérios técnicos e uma melhora na percepção de risco.

Ampliando investimentos

GM amplia em 75% investimentos em carros elétricos e automáticos até 2025

A projeção da empresa é de que seu Ebit fique entre US$ 8,5 bilhões e US$ 9,5 bilhões na primeira metade do ano

Análise do presidente

Para Bolsonaro, derrubada ou perda da validade da MP da Eletrobras provocará caos

A MP não tem consenso entre líderes e corre o risco de ser derrubada ou ter a votação adiada

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies