Menu
2019-09-12T12:05:36-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Risk-on

Trump paz e amor e BC Europeu impulsionam tomada de risco. Mas até quando?

Presidente americano, Donald Trump, abrandou o tom com os chineses, mas já desceu caneladas no Fed, após BCE reduzir juros e anunciar compra de ativos

12 de setembro de 2019
10:26 - atualizado às 12:05
Presidente dos EUA, Donald Trump
Presidente dos EUA, Donald Trump - Imagem: shutterstock

Um cenário positivo para os ativos de risco começou a se desenhar na noite de ontem, depois que um Donald Trump “paz e amor” anunciou que vai postergar a entrada em vigor de tarifas contra a China. Agora pela manhã, o foco está no Banco Central Europeu (BCE), que adotou taxas ainda mais negativas, retomou a compra de ativos e anunciou medidas para dar fôlego aos bancos.

As bolsas europeias passaram a operara em alta após o BCE e os índices futuros americanos também apontam para cima, mas com modestas variações na casa dos 0,2%. Mas o tom positivo perdeu um pouco de ímpeto com a entrevista do presidente do BCE, Mario Draghi, que pediu ajuda da política fiscal para dar suporte à atividade econômica.

Mas o tom conciliador de Trump, se restringe aos chineses. Pois pouco depois do BCE anunciar sua decisão, o presidente já foi ao “Twitter” dar mais umas caneladas no Federal Reserve (Fed), banco central americano.

Segundo Trump, enquanto o BCE age rapidamente e consegue desvalorizar o euro, o Fed fica sentado e esperando. “Eles recebem para pegar dinheiro emprestado, enquanto nós estamos pagando juros”.

Além do BCE e de Trump, o mercado também digere declarações do secretário de Tesouro dos EUA, Steven Mnuchin, que entre outras coisas falou que Trump está considerando reduções de impostos nos EUA. Além disso, ele voltou a falar na possibilidade de emitir um título de 50 anos do Tesouro já em 2020.

Os investidores receberam, ainda, dados sobre a inflação ao consumidor nos EUA. O índice de preços ao consumidor (CPI) subiu 0,1% em agosto, acumulando 1,7% em 12 meses. Já o núcleo, que tira alimentos e energia, subiu 0,3% no mês e 2,4% em 12 meses, maior leitura em 13 meses.

Risk-on até quando?

A questão que fica é como o Fed vai interpretar todas essas informações na sua reunião do dia 18. O presidente Jerome Powell não fez mudanças no seu discurso de olhar os dados e atuar conforme o necessário para sustentar a expansão da economia americana. Por isso mesmo, a expectativa é de que teremos nova redução de 0,25 ponto no juro, que está entre 2% e 2,25%, no encontro da semana que vem.

O grande “se” é se o Fed optar por não fazer nada ou cortar os juros e não acenar continuidade no movimento de baixa. Algo que pode despertar, novamente, a ira de Trump, como vimos após a reunião de agosto. Insatisfeito com a postura do Fed, Trump anunciou novas tarifas contra os chineses e classificou o país de manipulador cambial, dando início a um mês negativo para os mercados globais.

Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

Aura e Aeris: veja o que dizem os CEOs das novatas da bolsa e outras notícias que bombaram na semana no Seu Dinheiro

Novidade na praça sempre causa burburinho. Na bolsa não é diferente. É bem verdade que as opiniões divergem:Lindas!Não são lá tudo isso…Não sei, nunca ouvi falarA bolsa brasileira recebeu 43 novas integrantes em 2020 e 2021. E a fila para entrar continua a aumentar. Para você, amigo leitor, isso é excelente. São mais ações na […]

Expansão

Rede D’Or assina memorando para aquisição de hospital na Paraíba

Documento prevê que Rede detenha 51% do capital social do Hospital Nossa Senhora das Neves

Após investigação

China multa Alibaba em US$ 2,8 bilhões por prática de monopólio

Foco foi prática que força comerciantes a escolherem uma plataforma, em vez de poderem trabalhar com mais.

Efeitos da Covid

Grupo Educação Metodista se prepara para pedir recuperação judicial

Com dívidas de cerca de R$ 500 milhões e em dificuldades desde 2015, o grupo viu sua situação se deteriorar em meio à pandemia

Cessão onerosa

Petrobras: Conselho aprova acordo sobre excedentes em Sépia e Atapu

Para a área de Atapu, a participação da estatal na cessão onerosa fica em 39,5% e em Sépia de 31,3%.

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies