Menu
2019-09-12T12:05:36-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Risk-on

Trump paz e amor e BC Europeu impulsionam tomada de risco. Mas até quando?

Presidente americano, Donald Trump, abrandou o tom com os chineses, mas já desceu caneladas no Fed, após BCE reduzir juros e anunciar compra de ativos

12 de setembro de 2019
10:26 - atualizado às 12:05
Presidente dos EUA, Donald Trump
Presidente dos EUA, Donald Trump - Imagem: shutterstock

Um cenário positivo para os ativos de risco começou a se desenhar na noite de ontem, depois que um Donald Trump “paz e amor” anunciou que vai postergar a entrada em vigor de tarifas contra a China. Agora pela manhã, o foco está no Banco Central Europeu (BCE), que adotou taxas ainda mais negativas, retomou a compra de ativos e anunciou medidas para dar fôlego aos bancos.

As bolsas europeias passaram a operara em alta após o BCE e os índices futuros americanos também apontam para cima, mas com modestas variações na casa dos 0,2%. Mas o tom positivo perdeu um pouco de ímpeto com a entrevista do presidente do BCE, Mario Draghi, que pediu ajuda da política fiscal para dar suporte à atividade econômica.

Mas o tom conciliador de Trump, se restringe aos chineses. Pois pouco depois do BCE anunciar sua decisão, o presidente já foi ao “Twitter” dar mais umas caneladas no Federal Reserve (Fed), banco central americano.

Segundo Trump, enquanto o BCE age rapidamente e consegue desvalorizar o euro, o Fed fica sentado e esperando. “Eles recebem para pegar dinheiro emprestado, enquanto nós estamos pagando juros”.

Além do BCE e de Trump, o mercado também digere declarações do secretário de Tesouro dos EUA, Steven Mnuchin, que entre outras coisas falou que Trump está considerando reduções de impostos nos EUA. Além disso, ele voltou a falar na possibilidade de emitir um título de 50 anos do Tesouro já em 2020.

Os investidores receberam, ainda, dados sobre a inflação ao consumidor nos EUA. O índice de preços ao consumidor (CPI) subiu 0,1% em agosto, acumulando 1,7% em 12 meses. Já o núcleo, que tira alimentos e energia, subiu 0,3% no mês e 2,4% em 12 meses, maior leitura em 13 meses.

Risk-on até quando?

A questão que fica é como o Fed vai interpretar todas essas informações na sua reunião do dia 18. O presidente Jerome Powell não fez mudanças no seu discurso de olhar os dados e atuar conforme o necessário para sustentar a expansão da economia americana. Por isso mesmo, a expectativa é de que teremos nova redução de 0,25 ponto no juro, que está entre 2% e 2,25%, no encontro da semana que vem.

O grande “se” é se o Fed optar por não fazer nada ou cortar os juros e não acenar continuidade no movimento de baixa. Algo que pode despertar, novamente, a ira de Trump, como vimos após a reunião de agosto. Insatisfeito com a postura do Fed, Trump anunciou novas tarifas contra os chineses e classificou o país de manipulador cambial, dando início a um mês negativo para os mercados globais.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

ARMADILHAS FINANCEIRAS

Dois investimentos que parecem uma boa, mas são ‘cilada’

As armadilhas costumam travestir-se de “grandes retornos, com baixo risco”.

Coronavírus

Brasil atinge 100 mil mortos por covid-19; STF decreta luto de 3 dias

Enquanto isso, Bolsonaro destaca 2 milhões de recuperados

Balanço

Lucro da Berkshire Hathaway, de Warren Buffett, sobe 87% no 2º trimestre

Recuperação do mercado de ações teve bons reflexos no balanço da companhia do megainvestidor Warren Buffett, mas no ano a empresa ainda amarga prejuízo

Às vésperas do orçamento

Ministros pedem mais recursos a Guedes

Sob pressão interna para ampliar os gastos como forma de combater os efeitos econômicos da covid-19, o ministro da Economia, Paulo Guedes, precisa entregar o Orçamento do ano que vem até o dia 31 deste mês

Entrevista

Meirelles: ‘A raiz da pressão por aumento de gastos é sempre a mesma, eleição’

Em entrevista ao Estadão, Henrique Meirelles lembra que o País tem pouca memória e que quebrar o teto levaria a uma crise muito maior do que a de 2015

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements