Menu
2019-04-04T09:10:04-03:00
Estadão Conteúdo
Reformas

Líder governista diverge da pauta de Paulo Guedes

Intenção do Senador Major Olímpio, líder do PSL no Senado, não está alinhada com os planos do ministro Paulo Guedes

13 de março de 2019
7:56 - atualizado às 9:10
Major-Olímpio
Senador Major Olímpio - Imagem: Fotos Públicas

O senador Major Olímpio (SP), líder do PSL no Senado, afirmou que projetos nas áreas de segurança pública e combate à corrupção são prioridade da Casa no primeiro semestre. A intenção do senador para a pauta do Senado não está alinhada com os planos do ministro da Economia, Paulo Guedes.

Em entrevista ao Estado no domingo passado, Guedes revelou que a proposta que pretende tirar as "amarras" do Orçamento da União, de Estados e municípios e ampliar os repasses de recursos para os governos regionais será enviada logo e começará a tramitar pelo Senado, para não tirar as atenções da Câmara em relação à Previdência.

Ontem, o líder do governo do Senado, Fernando Bezerra Coelho (MDB-PE), disse que o texto pode chegar à Casa no início de abril. "Enquanto o texto da reforma da Previdência será discutido na Câmara dos Deputados, o Senado Federal irá priorizar nesse primeiro semestre de 2019 projetos nas áreas de segurança pública e combate à corrupção", diz a nota divulgada pela assessoria do senador. Ontem, à reportagem, ela afirmou que a prioridade aos outros temas "em nada fere a discussão do pacto federativo".

Para o líder do partido do presidente Jair Bolsonaro, "a priorização destes temas atenderá à demanda da população brasileira refletida nas urnas". A iniciativa é capitaneada por Olímpio e os senadores Weverton (PDT-MA) e Eduardo Girão (Pode-CE).

Já o presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), afirmou que é importante que a Casa tenha protagonismo na tramitação da proposta. Na avaliação dele, a tramitação conjunta das duas propostas irá ajudar o andamento da Previdência, e não atrapalhar.

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), por outro lado, afirmou que tem receio. "Fico preocupado porque para um governador desvincular o Orçamento em seu Estado, talvez resolva o problema nos quatro anos dele e ele possa abrir mão da Previdência", disse. Para Maia, se o problema de curto prazo de alguns Estados for solucionado, pode "tirar a vontade" de votar a Previdência.

Comentários
Leia também
OS MELHORES INVESTIMENTOS NA PRATELEIRA

Garimpei a Pi toda e encontrei ouro

Escolhi dois produtos de renda fixa para aplicar em curto prazo e dois para investimentos mais duradouros. Você vai ver na prática – e com a translucidez da matemática – como seu dinheiro pode render mais do que nas aplicações similares dos bancos tradicionais.

Ivan Sant'Anna

O novo superciclo das commodities já é uma realidade. Como você pode ganhar dinheiro com ele

Nas últimas décadas, tivemos três grandes bull markets de commodities. Agora, os astros estão se alinhando para um novo superciclo

Contas brasileiras em jogo

STF retoma julgamento sobre ICMS e PIS/Cofins; decisão pode ter impacto de R$ 258,3 bilhões para União

Os ministros já haviam declarado inconstitucional a cobrança de ICMS na base de cálculo do PIS/Cofins, mas o governo pede que a decisão não tenha efeito retroativo

São Jorge e o dragão inflacionário

A grande e ameaçadora besta da inflação começa a sair do seu sono profundo. Aos poucos, movimenta as asas e mexe sua cauda incendiária. Um vagaroso e temerário despertar. Nem de longe está cuspindo fogo — e quem viveu no Brasil nos anos 80 e 90 lembra bem do seu poder destrutivo. Mas mesmo o […]

FECHAMENTO

Dragão americano da inflação assombra ativos globais e resultado é bolsa, dólar e juros sob pressão; Ibovespa recua 2% e volta aos 119 mil pontos

A pressão inflacionária superou até mesmo o cenário político interno caótico nos holofotes do mercado e levou o principal índice brasileiro a amargar uma queda brusca

Primeiro encontro

Presidentes de Petrobras e BR se reúnem para tratar da saída da estatal da distribuidora

Os executivos, que assumiram os cargos há cerca de uma vez, discutirão a venda da participação de 37,5% que a Petrobras ainda detém na empresa

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies