Menu
2019-11-08T10:47:00-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Ruído x Sinal

Esqueça o ‘Lula livre’, isso não faz preço nos mercados

Ex-presidente não tem força para barrar “revolução silenciosa” que acontece na economia e na estrutura de Estado

8 de novembro de 2019
10:47
shutterstock_1062474755
Ex-presidente Lula - Imagem: Shutterstock

Quando o Supremo Tribunal Federal (STF) começou a julgar a questão da prisão após condenação em segunda instância convidei o leitor a fazer uma leitura pragmática do que estava em jogo. Não importa o que você e eu achamos do STF e do "Lula livre" ou preso, mas sim se o evento vai doer no nosso bolso. A avaliação final foi um não, Lula não faz preço no curto prazo. E isso segue válido, agora que o “boato virou fato”.

Indo direto ao ponto, Lula e o PT não têm força para barrar a “revolução silenciosa” que está em marcha na economia e na estrutura de Estado. Sim, as ditas “oposições” ou “progressistas” vão tentar, vão gritar, fazer barulho e espernear para conservar tudo como sempre foi. Mas é só isso, barulho, ruído.

Como bem disse meu amigo gringo, o “Lula é o passado, ele não terá seu poder de volta”. Ou ainda como falou um economista amigo meu: “Lula é ruído de geladeira velha, passa. O espectro é mais amplo”.

Reforçando o que já dissemos anteriormente, o que importa para o investidor daqui e de fora é o crescimento econômico e o lucro das empresas. E o que está se desenhando, mesmo que de forma lenta, é uma retomada da atividade, com menor presença do Estado e maior participação do setor privado, em um ambiente de inflação baixa e juro cadente.

Seria crível acreditar que Lula livre colocaria todo esse movimento por terra? Faz sentido acreditar nisso? O ponto aqui é questionar o seguinte: não estaríamos dando peso ou importância demasiada para personagens e eventos “menores”? Isso vale para outros eventos da esfera política também, não só para o STF.

Será que o Congresso vai abandonar a agenda de reformas que finalmente busca nos tirar da perversa lógica que rege o país desde o Império, de arrecadar o máximo possível para pagar “direitos adquiridos” da fidalguia pública e privada? O dito "centrão" vai abraçar Lula? Além disso, a população aceitaria calmamente o avanço do retrocesso?

Para variar temos mais dúvidas que certezas, mas a questão, do ponto de vista do nosso bolso, dos investimentos, continua sendo muito ruído para pouco fato. A coisa só muda de figura se a economia não reagir, abrindo espaço para um desfecho argentino nas eleição de 2022.

Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

Correção

Ibovespa abre em leve queda, atento à cautela no exterior; dólar fica estável

O Ibovespa acompanha o movimento global e exibe um ligeiro viés negativo nesta quinta-feira. A cautela vista na Europa dá forças a um movimento de correção e realização de lucros, mas que nem de longe zera os ganhos recentes

efeito coronavírus

Projeção de alta do crédito bancário em 2020 passa de 4,8% para 7,6%, diz BC

Já a projeção de crescimento do crédito livre em 2020 passou de 8,2% para 10,6%

pacote anticrise

BCE expande programa de compras emergenciais em 600 bilhões de euros

Total do Programa de Compras de Emergência na Pandemia (PEPP, na sigla em inglês) chega a 1,35 trilhão de euros

Tudo que vai mexer com seu dinheiro hoje

13 notícias para começar o dia bem informado

Hoje o Seu Dinheiro traz a lista das três ações preferidas de 14 corretoras na carteira recomendada para junho. O levantamento contempla 28 papéis. A repórter Jasmine Olga mostra ainda que duas dessas ações são as preferidas de três corretoras. São as “favoritas das favoritas”, as campeãs do mês.  A “campeã” de maio fechou o […]

pós-isolamento

Adidas informa que dois terços de suas lojas em todo mundo já reabriram

Empresa já reabriu quase todas as suas lojas na Ásia-Pacífico e nos mercados emergentes, enquanto três quartos de suas próprias lojas operam na Europa

diz boa vista

Pedidos de falência no Brasil sobem 30% em maio

No acumulado em 12 meses finalizados em maio, os pedidos de recuperação judicial cresceram 3,7%

entrevista

‘Não precisa passar as coisas de baciada’, diz presidente da Abag

Anúncio de uma página inteira nos principais jornais do País, na semana passada, de entidades do agronegócio, da indústria, da construção civil e do comércio em apoio ao ministro do Meio Ambiente não caiu bem, diz Marcello Brito

em meio à crise

BRMalls fecha parceria para venda nas plataformas da B2W

Acordo permite a venda dos produtos das mais de 6 mil lojas no Americanas.com, Submarino e Shoptime

esquenta dos mercados

Mercado faz pausa no rali enquanto aguarda decisão do BCE

Após alguns dias de rali, os mercados interncionais realizam lucros enquanto aguardam decisão monetária do BCE. Com a agenda esvaziada no Brasil, destaque para a divulgação dos pedidos de auxílio-desemprego e da balança comercial nos Estados Unidos.

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements