Menu
2019-11-08T10:47:00-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Ruído x Sinal

Esqueça o ‘Lula livre’, isso não faz preço nos mercados

Ex-presidente não tem força para barrar “revolução silenciosa” que acontece na economia e na estrutura de Estado

8 de novembro de 2019
10:47
shutterstock_1062474755
Ex-presidente Lula - Imagem: Shutterstock

Quando o Supremo Tribunal Federal (STF) começou a julgar a questão da prisão após condenação em segunda instância convidei o leitor a fazer uma leitura pragmática do que estava em jogo. Não importa o que você e eu achamos do STF e do "Lula livre" ou preso, mas sim se o evento vai doer no nosso bolso. A avaliação final foi um não, Lula não faz preço no curto prazo. E isso segue válido, agora que o “boato virou fato”.

Indo direto ao ponto, Lula e o PT não têm força para barrar a “revolução silenciosa” que está em marcha na economia e na estrutura de Estado. Sim, as ditas “oposições” ou “progressistas” vão tentar, vão gritar, fazer barulho e espernear para conservar tudo como sempre foi. Mas é só isso, barulho, ruído.

Como bem disse meu amigo gringo, o “Lula é o passado, ele não terá seu poder de volta”. Ou ainda como falou um economista amigo meu: “Lula é ruído de geladeira velha, passa. O espectro é mais amplo”.

Reforçando o que já dissemos anteriormente, o que importa para o investidor daqui e de fora é o crescimento econômico e o lucro das empresas. E o que está se desenhando, mesmo que de forma lenta, é uma retomada da atividade, com menor presença do Estado e maior participação do setor privado, em um ambiente de inflação baixa e juro cadente.

Seria crível acreditar que Lula livre colocaria todo esse movimento por terra? Faz sentido acreditar nisso? O ponto aqui é questionar o seguinte: não estaríamos dando peso ou importância demasiada para personagens e eventos “menores”? Isso vale para outros eventos da esfera política também, não só para o STF.

Será que o Congresso vai abandonar a agenda de reformas que finalmente busca nos tirar da perversa lógica que rege o país desde o Império, de arrecadar o máximo possível para pagar “direitos adquiridos” da fidalguia pública e privada? O dito "centrão" vai abraçar Lula? Além disso, a população aceitaria calmamente o avanço do retrocesso?

Para variar temos mais dúvidas que certezas, mas a questão, do ponto de vista do nosso bolso, dos investimentos, continua sendo muito ruído para pouco fato. A coisa só muda de figura se a economia não reagir, abrindo espaço para um desfecho argentino nas eleição de 2022.

Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

polêmica

Governo barra novo cadastro para auxílio

A estratégia do governo já desperta críticas de organizações da sociedade civil, que consideram urgente a abertura de um novo prazo para pedidos de auxílio

Tombo grande

Elon Musk perde US$ 27 bilhões em uma semana após tombo da Tesla

Mesmo com o tompo gigantesco, Musk segue como segundo homem mais rico do mundo, atrás apenas de Jeff Bezos, o fundador da Amazon

Expansão

3R Petroleum fecha parceria com DBO para aquisições de campos offshore

Com a parceria, a DBO se tornará acionista minoritária da OP, que seguirá sob controle da 3R

Boletim médico

Covid-19: mortes ultrapassam 264 mil e casos chegam a quase 11 milhões

Os dados estão na atualização diária do Ministério da Saúde, divulgada na noite deste sábado (6)

ESTRADA DO FUTURO

A mentira envolvendo o Clubhouse e o Tinder que rendeu 400% de valorização

Os mercados estão longe de serem perfeitos, e hoje vou te contar uma história real que envolve duas das empresas mais quentes no setor de mídias sociais: o “Clubhouse” e o “Tinder”.

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies