Menu
Angela Bittencourt
Blog da Angela
Angela Bittencourt
é jornalista e editora da Empiricus
2019-04-08T10:52:44-03:00
Blog da Angela

Você prefere Bolsonaro no atacado ou no varejo?

Pelo sim, pelo não, melhor é atuar rápido e ao menor custo possível. Nesta terça-feira, o deputado Marcelo Freitas (PSL-MG), relator da reforma da Previdência, vai ler seu parecer na CCJ da Câmara. O texto deve ser votado no dia 17 de abril, mas há um esforço para que a discussão comece dois dias antes (15/4).

8 de abril de 2019
10:51 - atualizado às 10:52
O presidente Jair Bolsonaro
O presidente Jair Bolsonaro - Imagem: Palácio do Planalto/Flickr

Sou do tempo em que o futsal chamava-se futebol de salão. E, acredite, já senti o que é ser técnica de uma seleção com cinco jogadores e dois reservas (agora apenas um, pois meu filho Parris deixou a quadra ainda no primeiro tempo), mas o time segue firme com Daniel, Diego, Dimitri, Jonas, Julio e Nicholas. Essa minha família bate um bolão, mas (fala sério!) está fora de moda. Há quase 40 anos, a minha família era um retrato da brasileira, de quatro filhos ou mais. Tamanho GG. Hoje, o Brasil tem família P ou PP, de dois filhos e olhe lá!

Você tem ideia de quantos carrinhos de supermercado eram necessários para alimentar a galerinha? Se você disse muuuitos... acertou! Comprar tudo o que fosse possível no atacado era a saída para colocar tantos filhos dentro do orçamento doméstico. No varejo, tudo custava mais caro. Ainda é assim. E não importa o que vem no pacote.

O presidente Jair Bolsonaro e o ministro Paulo Guedes (Economia) são homens de família! São pais e devem saber das vantagens do atacado. Uma delas é que no atacado, além de mais barata, a compra é mais rápida, o que facilita dar um basta à choradeira dos filhos mais rebeldes. No varejo, é possível ter mais variedade, mas sem a garantia de que todos ficarão satisfeitos.

Pelo sim, pelo não, melhor é atuar rápido e ao menor custo possível. Nesta terça-feira, o deputado Marcelo Freitas (PSL-MG), relator da reforma da Previdência, vai ler seu parecer na CCJ da Câmara. O texto deve ser votado no dia 17 de abril, mas há um esforço para que a discussão comece dois dias antes (15/4) para que a votação não atrase. Em seguida a proposta segue para a comissão especial que avaliará o seu conteúdo.

A reforma da Previdência é o “atacado” em que o governo deve atuar neste momento. Na semana passada, a segunda de bate-boca em comissões da Câmara e do Senado, que tiveram Paulo Guedes como protagonista, parlamentares defenderam que a reforma tributária seja feita antes da previdenciária ou que seja analisada ao mesmo tempo.

A reforma tributária também pode ser encaixada do “atacado” do governo. Mas sem que essas duas grandes revisões de normas tenham deslanchado, estão sendo preparadas medidas para ativar a economia.

As medidas em estudo, que podem ser vistas como o “varejo” da atuação do governo, devem ser lançadas em 60, 180 e até 360 dias, com o objetivo de reduzir a burocracia para as empresas tornando-as mais competitivas externa e internamente. Governos anteriores tentaram fazer milagres semelhantes, mas fracassaram quanto à consistência da atividade despertada.

Reforma tributária a caminho

O governo garante ter como prioridade a reforma das aposentadorias e reconhece que ela sofrerá alguma desidratação no Congresso para ser aprovada. Esse ajuste da proposta tomará algum tempo da equipe econômica e dos parlamentares. Agora, imagine você, a confusão que pode acontecer, caso as duas reformas venham a exigir grande atenção dos políticos. Aí corre-se o risco de não aprovar nem uma e nem a outra, o que seria o pior dos mundos.

Na semana passada, o MDB encaminhou à Câmara uma proposta de reforma de impostos baseada nos princípios defendidos pelo economista Bernard Appy. Diretor do Centro de Cidadania Fiscal (CCiF) e ex-secretário executivo do Ministério da Fazenda, Appy é um dos maiores especialistas brasileiros em tributação.

Ele defende um imposto único cobrado sobre o consumo e que pode vir a desonerar exportações e investimentos. O economista prefere, porém, que o texto seja votado apenas depois da reforma da Previdência, para evitar concorrência entre as duas propostas.

Embora o mercado financeiro acredite que a reforma da Previdência deverá ser aprovada pelo Congresso até o início do segundo semestre, principalmente após o presidente Jair Bolsonaro entrar na articulação política, gestores com quem conversei na semana passada avaliam que as expectativas quanto à trajetória da taxa de juros estão mudando. A ideia de que o Copom poderia cortar a Selic em breve perde terreno para a perspectiva de um período maior de manutenção em 6,50 por cento.

Em se tratando de juro, não dá para começar a semana sem parabenizar a repórter Julia Wiltgen, do Seu Dinheiro, pela excepcional apuração sobre o retorno do Tesouro Selic, que vinha rendendo menos que a poupança no curto prazo em certas situações. Em resposta às colocações certeiras feita por ela, o Tesouro reduziu o spread do Tesouro Selic.

Segundo simulações da instituição, o Tesouro Selic passa a ter retorno igual ou maior que a poupança, mesmo em prazos menores, com exceção dos primeiros três dias de aplicação, quando o spread gera perdas nominais para o investidor que faz resgate antecipado.

Em sua coluna de domingo, a repórter lembra que não é possível afirmar categoricamente que uma aplicação é melhor que outra em todos os cenários e para qualquer perfil. Julia lembra que existem alternativas para aplicação de reservas de emergência e elege como curinga os fundos de renda fixa conservadora, desde que tenham liquidez diária e rendimento de cerca de 100 por cento do CDI, já descontada a taxa de administração.

Fique ligado!

O governo Bolsonaro completa 100 dias nesta semana. Ontem, ao lembrar do evento, o jornal Folha de S.Paulo publicou pesquisa Datafolha em que o atual governo é  ruim ou péssimo para 30 por cento dos brasileiros, índice semelhante ao daqueles que consideram ótimo ou bom (32 por cento) ou regular (33 por cento). Não souberam opinar 4 por centro dos 2.086 entrevistados com mais de 16 anos em 130 municípios nos dias 2 e 3 de abril.

A pesquisa mostrou também que para 61 por cento dos brasileiros o presidente fez menos do que se esperava. Em compensação, 59 por cento acreditam que o presidente terá um desempenho ótimo ou bom daqui para a frente.

Essa expectativa está longe de ser negativa, especialmente se considerarmos que, nas últimas duas semanas, o governo ficou sob uma saraivada de críticas quanto a dificuldades na articulação política.

As últimas sessões da Bolsa foram de recuperação e o Ibovespa encerrou a sexta-feira (5) em alta de 0,83 por cento, para 97.108 pontos, o que elevou o ganho da semana a 1,8 por cento. O dólar voltou a subir, na sexta, em 0,38 por cento, para 3,87 reais. Na semana passada, a moeda brasileira caiu 1,1 por cento.

Nesta segunda-feira, deve repercutir positivamente nos mercados a informação de que a Caixa Econômica Federal definiu o sindicato de bancos que coordenará a oferta subsequente (“follow-on”) de ações detidas na Petrobras. De acordo com o Valor,  os coordenadores serão Caixa, Morgan Stanley, UBS, XP Investimentos e Bank of America (BofA). Ainda segundo o Valor, o líder do sindicato será o BofA. Além das ações da Petrobras, a Caixa pretende vender participações detidas direta e indiretamente no Banco do Brasil e na Alupar. Ao todo, a oferta pode movimentar quase 13 bilhões de reais.

No exterior, o clima pesa por três variáveis: a expectativa com o desfecho da negociação entre EUA e China em torno de questões comerciais, o encaminhamento do Brexit pelo parlamento britânico e a pressão do presidente Donald Trump sobre o Federal Reserve (Fed) para aliviar a política monetária.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

Atividade em queda

Indicador da FGV mostra contração da economia em março com agravamento da pandemia

A queda nas expectativas dos consumidores foi um dos destaques negativos entre os componentes do indicador

Benefício com garantia

Paulo Guedes reeditará BEm somente após a aprovação do Orçamento ou da PEC “fura-teto”

“O ministro disse ‘ou um, ou outro, o que sair primeiro a gente faz o BEm'”, afirmou Paulo Solmucci, presidente da Abrasel

PPI

Decreto de Bolsonaro inclui Correios no Programa Nacional de Desestatização

A privatização dos Correios ainda depende da aprovação de um projeto de lei de autoria do Executivo que permite à iniciativa privada prestar serviços

Exile on Wall Street

Bitcoins, IPOs, reestruturações e M&As: coisas para comprar ainda nesta semana

De onde você menos espera é que não vem nada mesmo. É notável a regularidade da incompetência. Ela não surpreende. Está sempre por aí.  Lembro com frequência da famosa frase, já meio clichê, você tem razão, do Kennedy: não pergunte o que seu país pode fazer por você. Pergunte o que você pode fazer por […]

decolagem interrompida

Apertem os cintos: recuperação da Gol será mais turbulenta que o esperado

Companhia reduz projeções para receita no primeiro trimestre, dizendo que retomada dependerá de ritmo da vacinação

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies