Menu
2019-03-31T13:28:27-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Seu Dinheiro no domingo

Tô casando com vocês!

A semana que passou marcou uma grave crise entre o Congresso e Bolsonaro. As fichas, agora, estão na sensatez de Paulo Guedes

31 de março de 2019
13:28
Bolsonaro tô casando com vocês congresso
Presidente Jair Bolsonaro na Câmara dos Deputados no dia de sua posse. "Tô casando com vocês", disse. - Imagem: Cleia Viana/Câmara dos Deputados

Enquanto assinava seu termo de posse como presidente, no Congresso Nacional, Jair Bolsonaro disse aos parlamentares em tom bem-humorado: “Tô casando com vocês”.

Ao longo desses 90 dias de mandato estamos vendo as alegrias e tristezas desse novo casal, as naturais dores da convivência. Mas a semana que passou marcou uma grave crise marital.

Rodrigo Maia, representando o Congresso, disse que chega! “Você precisa mudar, me ajudar para esse casamento dar certo! Sai desse 'Twitter'! Além disso, esses seus filhos de outro casamento não me respeitam. Ou melhor, não respeitam ninguém, e ainda tem esse seu amigo filósofo com grave fixação fálica e anal!”

Do outro lado da cozinha, Bolsonaro responde: “Calma lá. Esse casamento foi arranjado pelas urnas com um contrato muito claro. Acabar com velhas práticas que colaram essa Casa abaixo. Não vou ceder. Já estou conversando com seus amigos todos, me dá um tempo. Aqui no 'Twitter' estou dando satisfação a quem bancou essa união! Fora que não tenho vocação para presidiário. Olha o que aconteceu com seus ex-maridos...”

Sem gostar da reposta, o Congresso remexe o passado e do fundo da gaveta saca uma PEC e coloca no meio da sala, só para mostrar quem manda. Bolsonaro não se abala, até ajuda a colocar o trambolho no recinto e fala que gosta da exótica novidade: “Eu sempre gostei, só tinha esquecido mesmo!”

Enquanto a temperatura da discussão aumentava, o vizinho que torce para tudo dar certo, o mercado, assiste horrorizado e fraqueja na sua convicção de que o tal casamento vai dar certo. Dá um sacode na filha Bolsa enquanto manda o filho Dólar subir pro quarto.

No meio tempo, a turma do deixa disso, que também atende por Paulo Guedes, entra em cena: “Calma gente! É um problema de comunicação. Um está vindo de um relacionamento antigo, com alguns vícios de coalizão. O outro chega trazendo um viés liberal que sempre passou longe dessa Casa. Vamos conversar. Eu vou descer aí e ver como posso ajudar. Ele é turrão, mas bem-intencionado, ele me ouve.”

Com a entrada em cena da sensatez, o vizinho mercado se acalma. Manda o filho Dólar descer do quarto, e dá uma alisada na filha Bolsa, que tem um potencial incrível pela frente.

E mais ou menos assim encerrou a semana. Todos ficam, agora, de olhos abertos e ouvidos aguçados esperando se o diálogo entre o casal, mediado pela sensatez, vai fazer o casamento dar certo.

Na cabeça do mercado, não tem como esse casamento não gerar seu primeiro rebento, a reforma da Previdência. Vai ser no amor ou vai pela dor, com bolsa apanhando, dólar subindo e juros nas alturas. Segure a peruca, pois vai chacoalhar.

O que não se sabe é que cara terá esse filho. Se vem com a cifra do R$ 1 trilhão, demandada pela sensatez, ou se fica mais parecido com o irmão que não vingou e que foi deixado de lado por ter metade do tamanho. O que é certo é que filho feio não tem pai.

Os mais afoitos, que pouco entendem de como a banda toca por aqui, temem uma separação litigiosa. Mas os lados envolvidos sabem que se isso acontecer, não haverá patrimônio ou bens para dividir.

Nova crises maritais virão. É natural que isso aconteça, pois há uma transição de relacionamento, a tal nova política, que ainda ninguém sabe como vai funcionar.

Como a crise veio cedo e foi muito aguda, a sensatez (Paulo Guedes) não pode falhar nessa pacificação. Se a sensatez se desentender com Bolsonaro, fica aberto o espaço para o desespero voltar.

Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

Que modorra!

Bolsa passa por correção, mas zera perdas na reta final do pregão; dólar retoma alta

Principal índice de ações da B3 passou por correção e ignorou durante a maior parte do dia o impulso do setor de tecnologia à bolsa de Nova York

setor público

Reforma administrativa economiza R$ 400 bi até 2034, aponta estudo

Mesmo restringido a reforma apenas a novos servidores, o setor público poderia economizar pelo menos R$ 24,1 bilhões em 2024 com a aprovação das mudanças no seu RH, liberando o governo para investir mais em saúde, educação e segurança pública, segundo centro de estudos

retomada em pauta

Recuperação está longe de concluída, diz presidente do Fed do Kansas

Esther George fez a declaração durante discurso sobre os bancos comunitários, no qual enfatizou o papel destes para dar estabilidade na crise e apoiar a recuperação

EXILE ON WALL STREET

Bife ancho on sale!

Um país com a trajetória fiscal em xeque mais todas as idiossincrasias tupiniquins deveria ser motivo mais do que suficiente para que todo investidor buscasse diversificação no exterior

inteligência artificial

Elon Musk critica anúncio da Microsoft e expõe insatisfação com projeto de IA

Empresa terá licença exclusiva para o GTP-3, modelo de linguagem de inteligência artificial criado pela OpenAI – iniciativa fundada sem o propósito lucrativo

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements