Menu
2019-04-17T18:01:37-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Novo Governo

Presidente destaca confiança, livre mercado e eficiência

Bolsonaro reforça importância das reformas e convoca os parlamentares para reconstruir o país

1 de janeiro de 2019
16:29 - atualizado às 18:01
Bolsonaro Congresso
Cerimônia de posse do presidente da República, Jair Bolsonaro - Imagem: Cleia Viana/Câmara dos Deputados

O presidente Jair Bolsonaro destacou a confiança, o interesse nacional e o livre mercado na condução da economia em seu discurso de posse no Congresso Nacional. Bolsonaro também ressaltou o compromisso de “não gastar mais do que arrecada”.

Bolsonaro também fez um importante gesto aos parlamentares, lembrando de sua trajetória de 28 anos como deputado e convocando os pares a ajudá-lo na “missão de restaurar e reerguer nossa pátria”.

“Temos, diante de nós, uma oportunidade única de reconstruir nosso país e de resgatar a esperança dos nossos compatriotas”, disse.

Esse aceno ao Congresso é importante, pois o governo tem uma ambiciosa agenda de reformas que precisará ser votada na Câmara e no Senado.

“Realizaremos reformas estruturantes, que serão essenciais para a saúde financeira e sustentabilidade das contas públicas, transformando o cenário econômico e abrindo novas oportunidades”, disse.

Entre as reformas, a principal delas é a da Previdência, que como nos disse em entrevista recente o vice-presidente, Hamilton Mourão, é “urgência, urgentíssima”.

Ainda na área econômica, Bolsonaro falou em criar um ciclo virtuoso que traga a confiança necessária para permitir “abrir nossos mercados para o comércio internacional, estimulando a competição, a produtividade e a eficácia, sem o viés ideológico”.

O segmento agropecuário teve menção especial, relacionando seu papel decisivo “em perfeita harmonia com a preservação do meio ambiente”.

O presidente também pediu um “pacto nacional” entre a sociedade e os Poderes Executivo, Legislativo e Judiciário “na busca de novos caminhos para um novo Brasil”.

Libertação do Socialismo

No parlatório do Palácio do Planalto, após receber a faixa presidencial de Michel Temer, Bolsonaro fez um discurso menos protocolar destacando valores da família, de Deus e da honestidade. A redução do Estado também permeou a fala enquanto os presentes gritavam “o capitão voltou” e “mito”.

O presidente foi ovacionado ao falar que no dia de hoje o povo brasileiro começou a “se libertar do socialismo”, da inversão de valores, do gigantismo estatal e do politicamente correto.

“Se trabalharmos juntos essa mudança será possível”, disse.

Entre os desafios, o presidente falou que “não podemos deixar que ideologias nefastas venham a dividir os brasileiros”, destruindo a família, tida como “alicerce da sociedade”. Bolsonaro também convocou a todos a iniciar um movimento para restabelecer “padrões éticos e morais”.

Ainda de acordo com o presidente, corrupção, privilégio e vantagens “precisam acabar” e os “favores políticos” devem ficar no passado para que o governo e a economia sirvam à nação. Ele também destacou que conseguiu montar um governo sem conchavos ou acertos políticos e que seus ministros são técnicos e capazes.

Bolsonaro também disse que temos “o grande desafio de enfrentar a crise econômica” e combater o desemprego. O presidente afirmou que vai propor e implementar as reformas necessárias, ampliar a infraestrutura, desburocratizar e simplificar, tirando o “peso do governo” sobre quem trabalha e produz.

O presidente disse, ainda,  que o brasileiro pode e deve sonhar com uma vida melhor e com melhores condições para “usufruir o fruto do seu trabalho pela meritocracia”, com um governo honesto e eficiente que não crie “barreiras e pedágios”.

O presidente foi bastante ovacionado, novamente, ao falar que tem de se acabar com a ideologia que “defende bandido e criminaliza policiais” e que a preocupação será com as pessoas de bem, garantia da propriedade e legítima defesa.

Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

mercado de ações

A B3 vai ter concorrência, mas não hoje: os riscos e oportunidades dos desafiantes ao monopólio da bolsa brasileira

Autorização para a empresa Mark2Market operar como central depositária de títulos volta a esquentar debate sobre atuação da B3, mas mercado vê quebra de monopólio improvável no curto prazo

Triste marca

Brasil registra mais de 500 mil mortos por covid-19

Em 24 horas foram 2.301 óbitos e 82.288 novos casos. Em nota, Conass ressalta que o Brasil tem 2,7% da população mundial, e é responsável por 12,8% das mortes

Here comes the sun

Energia solar ruma para liderança no País até 2050

O sol será responsável por 32% da geração, ao mesmo tempo em que a participação das hidrelétricas deve cair para cerca de 30%

ESTRADA DO FUTURO

Os três setores mais lucrativos em tecnologia, e por que você deve investir neles

Integração entre softwares e Inteligência Artificial são dois dos segmentos que devem fazer parte de qualquer portfólio de investimentos vencedor

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies