Menu
2019-05-03T09:31:50-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
A política como ela é

O caso do deputado Paulinho da Força e o #CentrãoBlocoDeLadrao

Paulinho não mentiu, seu “erro” foi justamente dizer a verdade, coisa que o grosso da população sempre cobra de um político

3 de maio de 2019
9:31
Paulinho da Força e Eduardo Cunha
Ex-deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) e deputado Paulo Pereira da Silva, o Paulinho da Força (SD-SP) - Imagem: Alex Ferreira / Câmara dos Deputados

O deputado Paulinho da Força (SD-SP) cometeu um ato de política explícita ao falar que o famigerado grupo de partidos reunidos no “Centrão” quer uma reforma da Previdência que não garanta a reeleição de Jair Bolsonaro.

A declaração dada no Dia do Trabalho pode ser vista como um episódio dentro de uma série “A política como ela é”, tendo como inspiração Nelson Rodrigues e a sua “A vida como ela é”.

As pessoas sempre ficam horrorizada ao descobrir que a lógica da política é o poder. Sim, esse é um jogo sujo e quanto menos a política for idealizada, mais fácil para se compreender o que se passa aqui em Brasília.

Grande parte da população ainda mantém uma visão imaculada da “política”, que teria de ser uma moça pura, altruísta, que age sempre pensando em um bem maior, o bem do povo. Mas com diz Nelson, não existe família sem adúltera.

Ao comentar o episódio com um amigo e argumentar que a frase do Paulinho simplesmente desnuda a lógica da política, ele me questionou de volta: “Mas não se fala isso abertamente, né?”

Cobramos da política um pouco de vergonha, um certo rubor nas faces. Mas isso não vai acontecer.

Antes que o leitor me agrida, quero deixar claro que não concordo ou defendo essa lógica da política, meu esforço está em apenas tentar explicar como ela funciona.

Sincericídio

Ilustrando que Paulinho cometeu o pecado mortal da sinceridade, outros políticos saíram a rebater suas declarações.

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), disse não acreditar que a fala de Paulinho seja uma posição de todo o Centrão, refirmou que vai trabalhar por uma economia de R$ 1 trilhão com a reforma da Previdência e que não está preocupado com a eleição de 2022.

O líder do governo na Câmara, major Vitor Hugo (PSL-GO) foi ao “Twitter” dizer que “as alegações mais vis serão explicitadas.. já estão sendo... valorize seu voto...”

Mas o melhor exemplo de que embora suja, a política é necessária veio da líder do governo no Congresso, Joice Hasselmann (PSL-SP), que disse que a frase do Paulinho não reflete a opinião da maioria e que “precisamos dos partidos de Centro para aprovar o texto”. Ela ainda pediu “mais foco e menos beligerância”.

O tuíte da deputada veio no meio da revolta das redes, com a expressão “#CentrãoBlocoDeLadrao” entre os assuntos mais comentados do dia de ontem. Pelos comentários ao tuíte, não parece ter acalmado os ânimos de ninguém.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

Instrumentos da política

A negociação, a barganha e o repudiado “toma lá, dá cá” não são uma exclusividade brasileira. O que muda de país a país é o grau em que isso ocorre e como esses instrumentos são utilizados para se atingir algum objetivo.

Esses são meios de fazer política e não o fim da política e isso parece estar sendo aprendido tanto pelo governo, quanto pela classe política depois da revolta da população que transpareceu nas eleições passadas. O “toma lá, dá cá” atingiu proporções assustadoras, sem relegar objetivo senão da política pela política.

O próprio Maia já disse em entrevista que não adianta nada ele ficar voltado para dentro do Parlamento apenas fazendo a política se não tiver o respeito da população.

Bolsonaro ensaiou uma ruptura com a lógica da política, mas ela é inescapável e ele está, agora, construindo o que parecer ser um meio termo entre instrumentos políticos e objetivos de política (como as reformas).

Isso transparece na mudança de postura e do discurso. O presidente apela para um sentimento maior do Parlamento em fazer uma reforma que o Brasil precisa, mas sabe que ninguém da política vai se mexer se não houver perspectiva ou efetiva divisão de poder e de dividendos eleitorais.

Paulinho não mentiu, seu “erro” foi justamente dizer a verdade, coisa que o grosso da população sempre cobra de um político.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

DE OLHO NA TECNOLOGIA

Toyota investe US$ 394 milhões em companhia de táxi aéreo elétrico, Joby Aviation

Parecida a um drone, a aeronave tem capacidade para quatro passageiros mais o piloto, possui seis hélices, um alcance de 150 milhas (aproximadamente 240 km) e pode voar até 200 milhas por hora (cerca de 320 km/h)

POLÍTICA

Em Davos, Doria se ‘afasta’ de Bolsonaro

Nesses 12 meses de intervalo, o clima entre os dois não apenas esfriou como houve troca de farpas tendo como pano de fundo o cenário político de 2022

EMPREGO

Em 1º ano, Bolsonaro gera mais vagas que Temer, mas fica atrás de Lula e Dilma

Com a economia ganhando tração a partir do segundo semestre do ano passado, o Caged registrou saldo positivo de 644.079 vagas com carteira assinada em 2019

COLUNA DO PAI RICO PAI POBRE

Ter um emprego versus empreender

Veja como avaliar se é melhor ter um próprio negócio, ser autônomo ou arrumar um emprego.

EMPREGOS

Para gerar 1 milhão de empregos, economia tem de crescer 3%, diz secretário

O secretário de Trabalho do Ministério da Economia, Bruno Dalcolmo, evitou nesta sexta-feira, 24, fazer uma previsão oficial para a geração de empregos com carteira assinada em 2020, mas disse acreditar em até 1 milhão de novos postos de trabalho neste ano, caso o Produto Interno Bruto (PIB) tenha uma alta próxima de 3% até […]

SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

O que será que será da Selic?

A taxa básica de juros (Selic) vai continuar em queda? Quando fiz essa pergunta recentemente a um gestor de fundos, ele me devolveu com outra pergunta: – Você quer que eu responda o que o Banco Central deveria fazer ou o que ele vai fazer? Pode parecer uma diferença sutil, mas o mercado encontra-se atualmente […]

Dólar teve alta

Tensão com o coronavírus freia os mercados e faz o Ibovespa ficar no zero a zero na semana

O coronavírus trouxe cautela aos mercados, mas não desencadeou uma onda de pessimismo. Como resultado, o Ibovespa ficou praticamente zerado na semana — a nova doença neutralizou o otimismo estrutural visto na bolsa nos últimos dias

OUÇA O QUE BOMBOU NA SEMANA

Podcast Touros e Ursos: Já pensou em conquistar sua independência financeira?

Repórteres do Seu Dinheiro trazem em podcast semanal um panorama sobre tudo o que movimentou os seus investimentos nesta semana

de olho na inflação

BC está confortável com inflação após choque de proteína, diz Campos Neto

“Há um gap de política monetária que a gente tenta comunicar. É importante, porque parte do que foi feito não está totalmente dissipado”, afirmou em seguida

MAIS ESCLARECIMENTOS

BNDES atual pôs R$ 15 milhões a mais em auditoria

O reajuste de 25% aconteceu por meio de um aditivo contratual, publicado no dia 25 de outubro de 2019, e aumentou de US$ 14 milhões para US$ 17,5 milhões o contrato da Cleary Gottlieb Steen & Hamilton, escritório contratado para realizar os serviços de auditoria

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements