Menu
2019-05-01T16:52:43+00:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro

Centrão discute reforma desidratada, “que não reeleja Bolsonaro”, diz Paulinho

Eu acho que temos de ter (economia) em torno de (R$) 500 bi. (R$) 600 (bilhões) seria o limite para essa reforma”, defendeu

1 de maio de 2019
16:52
Presidente da República, Jair Bolsonaro
Presidente da República, Jair Bolsonaro - Imagem: Alan Santos/PR

O líder da Força Sindical, Paulinho da Força, afirmou que os partidos que se reúnem no grupo conhecido como "Centrão" discutem o apoio a uma reforma da Previdência que não garanta a recondução de Jair Bolsonaro ao poder. "O que estamos discutindo dentro do Centrão é que precisamos fazer uma reforma que não garanta a reeleição de Bolsonaro", disse o deputado federal pelo Solidariedade.

"R$ 800 bilhões garantem, de cara, e reeleição dele. Se dermos 800 (bilhões de reais) como disse ele, significa que nos últimos 3 anos dele (Bolsonaro, na Presidência), há (R$) 240 bilhões ao ano para gastar. Eu acho que temos de ter (economia) em torno de (R$) 500 bi. (R$) 600 (bilhões) seria o limite para essa reforma", defendeu, durante evento das centrais sindicais, em São Paulo, nesta quarta-feira, 1º de maio, Dia do Trabalho.

Segundo Paulinho, com uma reforma desidratada se garante a chance de outros partidos disputarem (a Presidência em 2022). "Com esse discurso, tenho certeza que a gente traz todo mundo do Centrão, porque ninguém quer a reeleição de Bolsonaro", afirmou o deputado.

Porém...

Paulinho admitiu, porém, que a esquerda e os principais opositores ao governo de Jair Bolsonaro não têm força para parar a reforma elaborada na gestão do atual presidente e que, portanto, o objetivo é ganhar tempo.

"Se não temos força para parar a reforma, eu acho que as ruas nos darão força de negociação para fazer uma reforma justa, na qual o trabalhador sairá ganhando. É possível passar uma reforma da Previdência, mas que mantenha os direitos e combata os privilégios", emendou.

Paulinho alertou também que esse ato inédito, que reúne 10 centrais sindicais, pode ser uma coisa boa ou ruim. E explicou: "Coisa boa é se entrar todo mundo. Coisa ruim é se não vier gente", afirmou. Ele destacou, entretanto, que a estimativa é reunir 100 mil pessoas no ato contra a reforma da Previdência no centro de São Paulo.

Manifestações

Manifestantes estão nas ruas em todo o País neste primeiro de maio para protestar contra a reforma da Previdência. O movimento, organizado pelas frentes sindicais, tenta marcar uma união da esquerda contra o governo de Jair Bolsonaro. O ato é uma organização conjunta de CUT, Força Sindical, CTB, UGT, Intersindical, CSB, CGTB, Nova Central, CSP-Conlutas, Frente Brasil Popular e Frente Povo Sem Medo.

Paulinho destacou que o movimento sindical passa por um momento difícil, com redução nas suas receitas. "Essa é uma tentativa pra gente se preparar para uma coisa maior", disse, em referência à greve geral marcada para o dia 14 de junho. "Isso nos dá força de negociação. Nós que estamos no Congresso temos de usar as ruas para negociar com o governo e com o próprio Congresso", defendeu.

Sobre a tentativa de unidade das centrais sindicais, Paulinho disse que há essa tentativa em curso. E frisou: "Aqui embaixo as coisas estão mais fáceis que lá em cima. Em cima há uma diferença dos partidos. Os mais à esquerda têm diferenças com o PT. A gente não consegue fazer uma unidade para valer lá (no Congresso)".

Paulinho também disse que irá protocolar uma emenda para reduzir a idade da aposentadoria para professores. A proposta atual é de 60 para as mulheres e 65 para os homens, O deputado quer 56 anos para as mulheres e 58 para os homens.

O parlamentar afirmou que tem o apoio do PR para a proposta. "Com mais o Solidariedade e os partidos de esquerda, temos votos suficiente para tirar a reforma dos Estados do projeto. Os governadores estão todos contra e os deputados não podem arcar sozinhos com o desgaste", disse.

Além dessas siglas, outras vinculadas ao "Centrão", incluindo o PP, DEM e PRB, querem desidratar a reforma da Previdência nessa etapa de tramitação (comissão especial) e tirar do texto a vinculação das regras de aposentadoria proposta aos servidores da União ao funcionalismo de Estados e municípios. Ao focar nos Estados, os parlamentares querem o apoio dos governadores para essa queda de braço.

*Com Estadão Conteúdo

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

O HOMEM MAIS RICO

Jeff Bezos: paciência para esperar o lucro da Amazon fez o maior bilionário do mundo

Como o empresário transformou uma pequena livraria online em uma das maiores varejistas do mundo e desbancou Bill Gates da lista da Forbes com uma fortuna estimada em US$ 148 bilhões.

Bandeira branca no radar?

EUA devem estender licença da chinesa Huawei para atender clientes do país

Movimento dos EUA pode ser visto como positivo para o fim da guerra comercial com a China já que a companhia foi um dos focos de tensões entre os gigantes

Governador de Minas

‘Governo entra em pautas minúsculas’, avalia Romeu Zema

Em entrevista, governador de MG nega que esteja sendo “tutelado” pelo partido Novo e avaliou que o presidente Jair Bolsonaro deveria “focar em coisas maiores, grandiosas”

Corrida contra o tempo

Tarifa de importação do Mercosul pode cair já em 2020

Com receio de que o grupo político da ex-presidente da Argentina Cristina Kirchner volte ao poder, o governo brasileiro tem pressa

Agora vai?

Governo enviará ao Congresso na próxima semana projeto para destravar privatização da Eletrobras

Proposta deve conter os mesmos itens que estavam na Medida Provisória 879, que não foi votada pela Câmara

Olha quem apareceu

Rede de varejo Le Biscuit, da Vinci Partners, estreia no comércio online

Entrada da empresa no mundo online ocorrerá em etapas e segue uma tendência mundial

Olha a oportunidade aí

Movimentos para ofertas de ações no 2º semestre aceleram

Reuniões com os bancos de investimento se intensificam e companhias começam a fechar acordos para levar as ofertas adiante

Eita!

Chefes da Receita Federal ameaçam entrega de cargos por interferência política

De acordo com apuração, seis subsecretários do órgão estão fechados nessa posição

À beira do abismo

Sob pressão financeira, Oi procura bancos para encontrar saída

Operadora precisa levantar R$ 2,5 bilhões, mas ainda não tem ideia de como fará essa captação de recursos

Batalha contra a desaceleração

China divulga reforma de juros para reduzir custo de financiamento de empresas

Movimento anunciado deve reduzir ainda mais as taxas de juros reais para as companhias do país

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements