Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2019-11-26T08:47:03-03:00
Estadão Conteúdo
Governo não pegou bem

‘Financial Times’ alerta para risco de ‘janela de mudanças se fechar’

Segundo a publicação, o presidente Jair Bolsonaro ganhou as manchetes por muitas das razões erradas desde que assumiu o cargo

26 de novembro de 2019
7:53 - atualizado às 8:47
22/07/2019 Almoço com os Oficiais-Generais da Aeronáuticar
(Brasília - DF, 22/07/2019) Presidente da República, Jair Bolsonaro, participa de almoço com os Oficiais-Generais da Aeronáutica.rFoto: Marcos Corrêa/PR -

O jornal britânico Financial Times defendeu nesta segunda-feira, 25, em editorial que o Brasil mantenha seu ritmo de reformas e previu que, se o País deixar a oportunidade passar agora, a janela para mudanças será fechada "talvez por anos".

Segundo a publicação, o presidente Jair Bolsonaro ganhou as manchetes por muitas das razões erradas desde que assumiu o cargo. "Suas fixações doentias com o aumento da posse de armas, denegrindo gays e inventando justificativas falsas para o desmatamento na Amazônia distraíram a atenção do público das mudanças positivas em andamento na economia brasileira. Isso é lamentável, porque o ministro da Economia, Paulo Guedes, segue um programa de reformas que está entre os mais ambiciosos dos mercados emergentes."

O jornal salientou que o primeiro fruto significativo dos esforços de Guedes foi a reforma da Previdência, aprovada no mês passado. "Essa foi uma conquista histórica que aumentou a confiança dos investidores em uma economia com uma longa história de desempenho insatisfatório", avaliou. De maneira incomum, segundo o jornal, dada a "natureza egoísta" da classe política brasileira, legisladores de diferentes partidos se uniram para aprovar a reforma em um cenário de forte apoio público.

No entanto, segundo o FT, uma revolta popular violenta no Chile parece dar a Bolsonaro uma segunda opinião sobre manter a liberdade de um ministro que estudou Economia na Universidade de Chicago. O periódico recordou que o presidente decidiu adiar o envio ao Congresso de um pacote de reformas do setor público, dizendo que não havia pressa. Para o veículo britânico, esta é a primeira oscilação na movimentação, até então ousada do governo, por mudanças econômicas.

A recente libertação do ex-presidente de esquerda Luiz Inácio Lula da Silva, que aguarda um recurso contra sua condenação por corrupção, pode ter sido um fato, de acordo com o jornal. Lula, frisou o artigo, não perdeu tempo em rotular Guedes como "destruidor de empregos" e em mobilizar a oposição.

A suspeita em Brasília, de acordo com o jornal, é que o presidente possa ficar tentado a abandonar uma mudança econômica potencialmente arriscada para preservar seu apelo populista eleitoral; afinal, seu histórico de votação como deputado nunca sugeriu um forte apetite por reformas. Para complicar ainda mais, conforme o periódico, Bolsonaro rompeu com o partido que o ajudou a conquistar o cargo (PSL) para fundar o próprio movimento político (Aliança pelo Brasil).

O Financial Times encerra dizendo que há muito em risco para as reformas do Brasil, que afundam nas rochas do populismo. "O gigante da América Latina já esperou demais para colocar as finanças do governo em uma base sustentável e tornar o País um lugar mais atraente para fazer negócios. Se perder a oportunidade agora, a janela para mudanças será fechada, talvez por anos, e os investidores internacionais voltarão para outro lugar. Bolsonaro deve manter a calma e aproveitar a chance de o Brasil mudar."

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

De olho na bolsa

Esquenta dos mercados: bolsa deve refletir taxa de juros mais alta em dia de leitura do PIB dos EUA

A agenda de balanços conta com Petrobras e Vale, enquanto o exterior deve sentir cautela antes da inflação nos EUA amanhã

NA DÚVIDA, ADIA

No restabelecimento da presença obrigatória em Brasília, governo fica sem quorum e retira PEC dos Precatórios

Nova tentativa de votação é esperada para hoje, mas o temor de que não haja deputados em quantidade suficiente para a aprovação persiste

Aquele 1%

Com juros em alta, esses títulos de renda fixa te pagam 1% ao mês, com baixíssimo risco e pouco esforço

A rentabilidade dos sonhos do brasileiro está de volta aos investimentos conservadores, e CDBs que pagam 1% ao mês ou mais já estão fáceis de encontrar

SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

Alta da Selic, bons números da Weg, IPO do Nubank e dividendos da Gerdau: veja o que marcou o mercado hoje

Há cerca de um mês, o presidente do Banco Central (BC), Roberto Campos Neto, afirmou que a autoridade não mudaria o “plano de voo” a cada novo dado da economia brasileira. Mas, veja só, a realidade obrigou a instituição a recalcular a rota: há pouco, o Copom elevou a Selic em 1,50 ponto percentual, ao […]

Referência em SP

Na corrida do setor de saúde, Rede D’Or (RDOR3) garante fôlego com a compra do Hospital Santa Isabel

O ativo está avaliado em R$ 280 milhões. Porém, conforme explica a empresa, seu endividamento líquido será deduzido na conta final da transação

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies