Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2019-06-27T16:10:29-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
Popularidade em queda

Desaprovação do governo Bolsonaro cresce em junho, diz pesquisa CNI/Ibope

Governo foi avaliado como ruim ou péssimo por 32% dos entrevistados, contra 27% em abril; mas parte importante da mudança nos indicadores de popularidade se deve à redução do percentual de indecisos, diz levantamento

27 de junho de 2019
15:33 - atualizado às 16:10
Presidente da República, Jair Bolsonaro
Presidente da República, Jair Bolsonaro - Imagem: Marcos Corrêa/PR

A popularidade do presidente Jair Bolsonaro continua em queda. De acordo com pesquisa CNI/Ibope divulgada nesta quinta-feira (27), o governo do capitão foi considerado ruim ou péssimo por 32% dos entrevistados em junho, contra 27% em abril, data do último levantamento.

A parcela que considera o governo ótimo ou bom, no entanto, permanece mais ou menos estável com queda de 35% para 32%, dentro da margem de erro da pesquisa, que é de dois pontos percentuais para mais ou para menos.

O relatório de divulgação do levantamento ressalta, no entanto, que parte importante da mudança nos indicadores de popularidade se deve à redução do percentual de indecisos, ou seja, aqueles que não souberam ou não quiseram responder às perguntas.

Avaliação do governo Bolsonaro - pesquisa CNI/Ibope junho 2019

Obs.: A soma dos valores pode ser diferente de 100% por questões de arredondamento.

No que diz respeito à maneira de governar do presidente Bolsonaro, o percentual de desaprovação subiu para 48%, contra 40% em abril. A aprovação recuou de 51%para 46%.

A confiança no presidente também recuou. Os que confiam em Bolsonaro, que eram 51% em abril, agora são 46%. Já os que não confiam passaram de 45% para 51%.

Aprovação da maneira de governar e confiança no presidente - pesquisa CNI/Ibope junho 2019

Insatisfação em quase todas as áreas de atuação

A Educação foi a área em que a insatisfação com o governo mais cresceu. O percentual dos que desaprovam a atuação do governo nesta área subiu de 44% para 54%. Já os que aprovam passaram de 51% para 42%. Combate ao desemprego, Saúde e Impostos foram as outras áreas com aumento significativo de desaprovação.

Em cinco das nove áreas avaliadas, o percentual de desaprovação oscila para cima dentro da margem de erro da pesquisa e, nas outras quatro, o crescimento é acima da margem de erro.

Percepção sobre o governo Bolsonaro por área de atuação - Pesquisa CNI/Ibope junho 2019

A queda na popularidade de Bolsonaro foi maior entre as mulheres, entre os respondentes com até a quarta série da educação fundamental, entre os brasileiros com menor renda familiar e entre os residentes nas regiões Norte/Centro-Oeste e Nordeste.

No entanto, popularidade do presidente aumento na região Sul, onde mais da metade da população avalia o governo como ótimo ou bom. O percentual dessa avaliação na região subiu de 44% para para 52% entre abril e junho, recuando o percentual daqueles que avaliavam o governo como regular.

No Nordeste, o percentual daqueles que consideram o governo como ruim ou péssimo subiu de 40% para 47%, enquanto que os que o avaliam como ótimo ou bom caiu de 25% para 17%. Nas regiões Norte e Centro-Oeste, o percentual dos que avaliam o governo como ruim ou péssimo saltou de 20% para 33%, maior aumento em pontos percentuais entre as regiões.

No recorte por gênero, apenas 39% das mulheres aprovam o governo Bolsonaro, contra 54% das que o desaprovam. Entre os homens, a aprovação é de 54% e a desaprovação é de 42%. No quesito confiança, 39% das mulheres confiam no presidente, contra 57% das que desconfiam. Entre os homens, a confiança é de 54% e a desconfiança, de 44%.

Em comparação com o governo Michel Temer, 47% dos brasileiros consideram o governo Bolsonaro melhor e 33% o consideram igual.

Metodologia

Foram realizadas 2 mil entrevistas em 126 municípios de 20 a 23 de junho de 2019. A margem de erro estimada é de dois pontos percentuais para mais ou para menos sobre os resultados encontrados no total da amostra. O nível de confiança utilizado é de 95%.

Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

ampliação dos negócios

Cosan (CSAN3) paga R$ 1,5 bilhão por fatia na Radar, gestora de propriedades agrícolas

Companhia já detinha uma participação na Radar; após a conclusão da operação e uma reorganização societária, a Cosan será dona de mais de 50% do capital social

o melhor do seu dinheiro

Caso Lehman Brothers de novo? Não vale a pena ver de novo

Se tem um roteiro que o mercado financeiro não quer ver se repetindo, é o de uma crise financeira desencadeada pela quebra de uma grande empresa, como foi o caso da falência do banco Lehman Brothers em 2008, que marcou o início da grave crise dos subprime. Nem mesmo em uma escala menor, como é […]

força do esg

Environmental ESG, da Ambipar, busca IPO de R$ 3 bilhões para dar gás às aquisições

Preço da faixa indicativa está entre R$ 15,50 e R$ 20,50; após IPO, 43,8% do capital social estará em circulação no mercado com as ações

MERCADOS HOJE

Evergrande injeta temor no mercado global e bolsas têm dia de fortes perdas; Ibovespa fecha no menor nível desde novembro

Temor de que os problemas da incorporadora chinesa gerem uma reação em cadeia no mercado global afundou as bolsas nesta segunda-feira (20)

Ruído político

Congresso não participou de debate sobre aumento no IOF, revela presidente da Câmara

Arthur Lira também declarou que quer avançar com a reforma administrativa e uma solução para a questão dos precatórios ainda nesta semana

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies