Menu
2019-08-06T17:16:10-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Análise

Decepção ou desalinhamento de expectativas na fala de Bolsonaro?

Esperado discurso em Davos gera críticas negativas de parte do mercado por não trazer “novidades” com relação à agenda de reformas

22 de janeiro de 2019
17:32 - atualizado às 17:16
Jair Bolsonaro Davos 22 01 19
Presidente Jair Bolsonaro durante Sessão Plenária do Fórum Econômico Mundial. - Imagem: Alan Santos/PR

Para parte do mercado e outros observadores da economia brasileira, o esperado discurso de Jair Bolsonaro no Fórum Econômico Mundial, em Davos (Suíça), foi mais um típico caso de “a montanha pariu um rato”.

O problema parece estar na questão das expectativas. Sem novidades relevantes no front econômico doméstico e com um carregado noticiário político negativo para a família Bolsonaro, todas as fichas estavam depositadas nessa apresentação do “novo Brasil” ao mercado financeiro internacional.

Mas a fala do presidente foi “mais do mesmo” na visão de um público que já “comprou” a carta de intenções do novo governo com relação a reformas e ajustes. E a fala de Bolsonaro foi mesmo uma reafirmação de princípios e vetores que serão perseguidos por sua equipe.

Particularmente creio que não poderia ser muito diferente. Ainda assim, o presidente poderia ter sido mais enfático nas suas colocações sobre economia e reformas, mas não existe “se” na história.

Há uma natural ansiedade com relação ao detalhamento das reformas, que empresas serão privatizadas, como fica o sistema tributário e afins. A “barra” de expectativas com relação ao governo está bem elevada, por assim dizer, e parece difícil que as “realidades” que venham a ser produzidas no curto prazo serão capazes de satisfazer ou aplacar essa agonia.

Assistimos a mais um clássico descasamento de tempos. O tempo do mercado, que tenta antecipar o futuro auscultando o presente, e o tempo da política, que varia conforme o cenário.

Com 22 dias no cargo e ainda tateando a “máquina do Executivo”, Bolsonaro e sua equipe parecem estar tomando conhecimento da abissal diferença imposta por Brasília entre fazer planos e “mudar a realidade”.

Até o vice e presidente em exercício, Hamilton Mourão, entrou em cena para dizer que lá em Davos “o cara fala do geral” e que o detalhamento acontece quando vai se discutir com o Congresso.

Mais “eventos decepcionantes” devem acontecer, pois o presidente entra de licença médica ao voltar da Suíça e seu aval é necessário para o desenho final da reforma da Previdência que se planeja apresentar ao Congresso no início do ano legislativo em fevereiro.

O que governo pode tentar fazer nesse ínterim é coordenar melhor as expectativas, o que exigirá um esforço de comunicação com o mercado e com a população, algo que faz falta desde a campanha eleitoral.

Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

Mercados tranquilos

Alívio generalizado: Ibovespa dispara e dólar cai a R$ 5,45 na sessão pós-vídeo

O Ibovespa foi às máximas desde 10 de março e o dólar à vista chegou à menor cotação em maio. Os investidores aproveitaram o feriado nos EUA para focar nas questões domésticas — com destaque para o vídeo da reunião ministerial, divulgado no fim da tarde de sexta

Presidente falou hoje

Bolsonaro atribui imagem ruim à ‘imprensa mundial de esquerda’

A declaração foi dada na manhã desta segunda-feira, 25, a uma apoiadora que o recomendou usar a Secretaria Especial de Comunicação para fazer propaganda positiva

otimismo apesar de covid-19

Vamos arrebentar na venda de aeroportos, vamos conseguir vender todos, diz ministro

O ministro da Infraestrutura, Tarcísio de Freitas, demonstrou nesta segunda-feira, 25, otimismo com os próximos leilões de aeroportos, mesmo diante da pandemia, que afeta bruscamente a aviação civil

Dados de hoje

Déficit da balança brasileira na 3ª semana de maio foi de US$ 701 milhões

A balança comercial brasileira registrou déficit comercial de US$ 701 milhões na terceira semana de maio (de 18 a 24), de acordo com dados divulgados hoje

Bom cenário para a commodity

XP eleva preços-alvo de Suzano e Klabin com boa perspectiva para celulose

Preços-alvo de Suzano e Klabin foram elevados de R$ 43 para R$ 47 e de R$ 18,50 para R$ 22, respectivamente; XP espera valorização de preço da celulose

repercussão internacional

Bolsonaro está levando Brasil ao desastre, diz artigo no Financial Times

Texto compara Bolsonaro ao presidente dos Estados Unidos, mas diz que o mandatário brasileiro é “muito mais estúpido”

DATA MARCADA

Assinatura de renovação de Malha Paulista será no dia 27, diz ministro

De acordo com o ministro, o assunto será deliberado pela Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) nesta terça-feira, 26.

NÃO SE CONCRETIZOU

Promessa feita por Bolsonaro de cortar 30% dos cargos fica no papel

O enxugamento da máquina foi prometido por Bolsonaro várias vezes, ao longo da disputa de 2018.

decisão pós-ataque

Aneel abre tomada de subsídios sobre possível regulação em segurança cibernética

Estudo elaborado em 2018 pelo Centro de Pesquisa e Desenvolvimento em Telecomunicações (CPqD) já apontava que um potencial ataque cibernético no setor elétrico do País poderia gerar um impacto econômico de até R$ 303,8 milhões

pegou mal

Postura frente à pandemia piora imagem do país no exterior e afasta investidores

Se o Brasil já foi reconhecido como um líder em matéria de saúde pública global e um defensor do desenvolvimento sustentável nos principais fóruns mundiais, a forma como o País é retratado na imprensa tem exaltado pouco dessas qualidades

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements