Menu
2019-04-20T15:13:45-03:00
Bruna Furlani
Bruna Furlani
Jornalista formada pela Universidade de Brasília (UnB). Fez curso de jornalismo econômico oferecido pela Fundação Getúlio Vargas (FGV). Tem passagem pelas editorias de economia, política e negócios de veículos como O Estado de S.Paulo, SBT e Correio Braziliense.
Alô, alô desigualdades sociais...

Os 26 mais ricos detêm a mesma quantia que a metade mais pobre da população mundial, segundo estudo da Oxfam

A pesquisa mostrou também que, no Brasil e no Reino Unido, os 10% mais ricos pagaram uma porcentagem menor de impostos do que os 10% mais ricos

21 de janeiro de 2019
18:06 - atualizado às 15:13
balde com dinheiro
Baldei com dinheiro - Imagem: Shutterstock

Às vésperas das discussões do Fórum Econômico Mundial, a confederação internacional Oxfam divulgou hoje (21) que,  apenas no ano passado, as 26 pessoas mais ricas eram donas da mesma quantia em dinheiro que toda a metade mais pobre da população mundial. Em 2017, a cifra era maior e por volta de 43 pessoas. Desde a última crise mundial, o número de bilionários praticamente dobrou em dez anos.

Além de a riqueza estar cada vez concentrada nas mãos de poucos, o estudo "Bem-estar público ou benefício privado, na tradução para o português", aponta que a fortuna dos bilionários aumentou para US$ 2,5 bilhões por dia em 2018, o que representa uma alta de 12% no ano. Por outro lado, no mesmo período, a renda da metade mais pobre sofreu uma queda de 11%.

O estudo destaca ainda que, entre 2017 e 2018, o mundo viu o surgimento de um bilionário a cada dois dias.

Brasil é destaque negativo

Com o aumento da desigualdade, a população de menor renda foi uma das mais afetadas. E o nosso país obteve destaque negativo no quesito tributação. A pesquisa mostrou que, no Brasil e no Reino Unido, os 10% mais pobres pagaram uma porcentagem maior de impostos do que os 10% mais ricos

Segundo o relatório, a situação é agravada por conta da evasão fiscal. O problema é que os mais ricos costumam ocultar das autoridades tributárias ao menos US$ 7,6 bilhões.

E nos países em desenvolvimento, as manobras feitas por algumas empresas que evitam pagar impostos ou que transferem quantias para paraísos fiscais fazem com que essas nações deixem de arrecadar cerca de US$ 100 bilhões em impostos, de acordo com a pesquisa.

Ricos estão pagando menos impostos

Mas isso não foi exclusividade dessas nações. De acordo com o estudo, o tributo pago pelos mais ricos e por donos de empresas caiu drasticamente em outros lugares do mundo. Por exemplo, nos países desenvolvidos, a taxa marginal média de imposto de renda individual marginal passou de 62% em 1970 para 38% em 2013.

Enquanto isso nos países em desenvolvimento, a taxa marginal média de imposto de renda individual ficou em 28%, na média. Na pesquisa, a organização destacou a importância de aumentar as taxas de impostos para corporações e para os mais ricos com o objetivo de diminuir as desigualdades sociais.

De acordo com a pesquisa, com uma simples mudança seria possível arrecadar dinheiro suficiente para educar 262 milhões de crianças e oferecer serviços de saúde que poderiam salvar mais de 3.3 milhões de vidas. Basta que fosse exigido o pagamento de uma taxa extra de apenas 0,5% sobre a riqueza de 1% dos bilionários mais ricos do planeta.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

ficou para esta quinta

Para privatizar Eletrobras, governo aceita mais 19 emendas à MP

Por acordo entre os senadores, o texto da MP será votado apenas amanhã, 17, a partir das 10h, e até lá, eles poderão apresentar sugestões de destaques, que podem alterar o teor do parecer

seu dinheiro na sua noite

A Selic subiu mais um pouco – e na próxima reunião tem mais

Esta “Super Quarta” terminou com os bancos centrais brasileiro e americano apertando um pouquinho mais a torneirinha dos juros. A inflação pressiona, aqui e na terra do Tio Sam, e as autoridades monetárias querem mostrar que permanecem vigilantes. O Federal Reserve ainda não elevou propriamente as taxas de juros, que foram mantidas entre zero e […]

Entrevista

Sinais do Copom apontam para Selic a 7% no fim do ano, diz Padovani, do banco BV

Economista-chefe do banco BV, Roberto Padovani destacou o tom mais ríspido do Banco Central e a indicação de que a Selic continuará em alta

MUDANÇA NOS JUROS

COMPARATIVO: Veja o que mudou no novo comunicado do Copom

Veja o que ficou igual e o que mudou no comunicado da decisão do Copom a respeito da taxa Selic, elevada ao patamar de 4,25% ao ano

Subiu de novo

Como ficam os seus investimentos em renda fixa com a Selic em 4,25% ao ano

Veja como fica o retorno das aplicações conservadoras de renda fixa agora que o Banco Central elevou a Selic mais uma vez

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies