Menu
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Fórum Econômico Mundial

Em discurso para os gringos, Bolsonaro fala de reformas e Sergio Moro

Presidente fez uma espécie de carta da apresentação delineando princípios liberais na economia e conservadores nos costumes

22 de janeiro de 2019
13:39 - atualizado às 14:12
Jair Bolsonaro Davos 22 01 19
Presidente Jair Bolsonaro discursa no Fórum Econômico Mundial. - Imagem: Alan Santos/PR

O esperado discurso do presidente Jair Bolsonaro no Fórum Econômico Mundial, em Davos (Suíça) não trouxe novidades para nós por aqui, mas pode ser visto como uma carta de apresentação do novo governo à comunidade financeira internacional.

Em sua breve fala, menos de 10 minutos, Bolsonaro reafirmou o compromisso com as reformas “que precisamos e que mundo espera”, que Sergio Moro, é o “homem certo” para realizar o combate à corrupção, e que o desenvolvimento econômico não será dissociado da preservação do meio ambiente.

Na área econômica, foram reafirmados os compromissos de reduzir a carga tributária, simplificar a vida de quem produz, estabilidade macroeconômica, respeito aos contratos, privatizações e equilíbrio das contas públicas.

O tema reforma da Previdência foi mencionado na sessão de perguntas, junto com a reforma tributária e a vontade de diminuir o tamanho do Estado e “tirar o peso do Estado de cima de quem produz”.

O presidente também estabeleceu uma meta para o ministro da Economia, Paulo Guedes, de que o Brasil vai figurar entre os 50 melhores países para se fazer negócios até o fim de seu mandando em 2022. Atualmente o país está em 109º lugar no ranking “Doing Businiess”.

Na área de comércio internacional, liderada pelo ministro Ernesto Araújo, a ideia é dinamizar as relações sem viés ideológico, integrar o Brasil ao mundo e seguir as melhores práticas internacionais, como as da OCDE.

Bolsonaro também afirmou que o país fará uma “defesa ativa” da reforma da Organização Mundial do Comércio (OMC), buscando eliminar práticas desleais e garantir segurança jurídica às trocas comerciais.

Ao longo do discurso, Bolsonaro vez menções de “estar de braços abertos”, de aprofundar laços de amizade e de relações comerciais, e da necessidade de “parceiros com tecnologia” para desenvolvimento da biodiversidade.

Bolsonaro defendeu que o Brasil é o país que “mais preserva o meio ambiente” e que nenhum lugar tem tantas florestas como o país. A fala pode ser vista como uma resposta às constantes críticas de agentes internacionais com relação à leniência do país com o tema ambiental. "Os setores que nos criticam têm, na verdade, muito o que aprender conosco", disse.

Segundo o presidente, apenas 9% do território é dedicado à agricultura, que cresce em função da “tecnologia e competência” do produtor rural, e que menos de 20% é dedicado à pecuária. São essas commodities que ajudam no saldo superavitário da balança comercial e “alimentam boa parte do mundo”.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

O presidente também falou em um “Brasil grande”, de paz, liberdade e democracia e em resgatar valores e defender a família, os direitos humanos e a propriedade privada. Ecoando o ideal de “liberal na economia e conservados nos costumes”.

Bolsonaro afirmou que “conseguimos” a vitória na eleição mesmo gastando menos de US$ 1 milhã e “sendo injustamente atacado”. “Assumi o Brasil em crise ética, moral e econômica. Temos o compromisso de mudar nossa história”, afirmou.

Por duas vezes, Bolsonaro enfatizou que “pela primeira vez” um presidente montou uma equipe de ministros qualificados, de perfil técnico, e sem aceitar ingerência político-partidária, que só gerou, no passado, “ineficiência e corrupção”.

Perguntado sobre as relações com a América do Sul, Bolsonaro defendeu que cada país deve manter sua hegemonia e que “não queremos uma América do Sul bolivariana” e que a “esquerda não prevalecerá nessa região, algo bom para a América do Sul e para o mundo”.

Sem conseguir mais detalhes com relação às propostas para economia, corrupção e comércio internacional, o fundador do Fórum Econômico Mundial, Klaus Schwab, encerrou a sessão falando que em 2020 acontecerá a edição regional do evento no Brasil e que essa será a oportunidade para vermos os resultados das transformações propostas pelo presidente.

Veja o discurso de Bolsonaro na íntegra:

 

Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

Poder

Congresso impõe agenda própria a Bolsonaro

Já são seis as iniciativas traçadas pelo Congresso para garantir maior influência e poder político após o abandono do presidencialismo de coalizão

Aviação

Segundo NYT, outro jato da Boeing pode ter problemas de segurança: o 787 Dreamliner

Segundo reportagem do New York Times, na fábrica do 787 na Carolina do Sul são comuns os casos de resíduos metálicos e ferramentas esquecidos dentro de aeronaves, além de peças defeituosas instaladas; até chiclete segurando o acabamento de uma porta já foi encontrado

O LEMA DE SÃO TOMÉ

Por que os gringos estão com o pé atrás em relação ao Brasil e à bolsa?

Apesar de o Ibovespa acumular alta em 2019, o fluxo de recursos estrangeiros para a bolsa no mercado à vista está negativo. Com a reforma da Previdência avançando aos trancos e barrancos, os gringos estão como São Tomé: só acreditam vendo

Transparência

Guedes defende mesma transparência do Copom para política de preços da Petrobras

Em entrevista, ministro voltou a defender que a estatal é livre para definir os preços

Petróleo

ANP nega mais prazo à Petrobras; campos terrestres irão para oferta permanente

Agência reguladora negou mais prazo para a estatal apresentar um plano de desativação de campos terrestres que não estão em produção há mais de seis meses

BOMBOU NA SEMANA

MAIS LIDAS: Siga o dinheiro

A vida dos milionários costuma fascinar as pessoas que ainda não chegaram e talvez nunca cheguem lá. Esse é o tipo de tema que costuma despertar as paixões humanas: admiração, inveja, raiva ou simplesmente a questão aspiracional. Quem não nasceu em uma família endinheirada certamente já pensou em como seria a sua vida se fosse […]

Atualização

Avianca cancela mais de 1.300 voos até dia 28

Guarulhos, Brasília e Galeão são os aeroportos mais prejudicados pelos cancelamentos. Já Congonhas e Santos Dumont parecem ter sido poupados

Piora nas contas

Déficit estrutural do setor público chega a 0,7% do PIB em 2018

Devido à deterioração das contas dos Estados e municípios, movimento de melhora das contas públicas pelo resultado oficial não aconteceu no estrutural, que apresentou piora no ano passado

Preço do diesel

Em áudio, Onyx diz que governo deu uma ‘trava na Petrobras’

Ministro da Casa Civil diz que os caminhoneiros podem ficar sossegados que o governo tem trabalhado para resolver o problema deles

Na mira de quem tem grana

Para que cidades os milionários estão se mudando?

Estudo mostra que Dubai, Los Angeles, Melbourne, Nova York, Sydney, Miami e São Francisco caíram nas graças dos endinheirados

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu