Menu
2019-04-04T13:56:12-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
Sem fala para jornalista

Governo brasileiro cancela coletiva com Bolsonaro no Fórum Econômico Mundial

Rumores extraoficiais apontam que a coletiva foi suspensa porque o governo estaria insatisfeito com a cobertura da imprensa durante o Fórum

23 de janeiro de 2019
14:27 - atualizado às 13:56
Jair Bolsonaro e Paulo Guedes
Organizadores do Fórum disseram que não saberiam informar os motivos que levaram ao cancelamento da conferência - Imagem: Montagem Andrei Morais / Shutterstock / Fotos Públicas

Após 15 minutos de atraso, a organização do Fórum Econômico Mundial de Davos anunciou oficialmente que a coletiva de imprensa prevista para as 16 horas local (13 horas de Brasília) com o presidente da República, Jair Bolsonaro, e ministros que o acompanham na comitiva a Davos foi cancelada.

Primeiro, surgiu a informação de que o presidente não viria mais e que os ministros seriam encarregados de falar com os jornalistas. Depois, que a entrevista teria sido cancelada por completo.

Os ministros seriam Sergio Moro (Justiça), Paulo Guedes (Economia) e Ernesto Araújo (Relações Exteriores).

Ao anunciar o cancelamento, os organizadores do Fórum disseram que não saberiam informar os motivos que levaram à não-realização da conferência e pediu aos jornalistas que obtivessem informação diretamente com o governo brasileiro.

Alguns profissionais ainda seguem na sala de imprensa e muitos estrangeiros questionam os jornalistas brasileiros para tentar entender o que está acontecendo. As placas com os nomes das autoridades brasileiras foram retiradas do local e substituídas por outros que vão conceder a próxima entrevista no local.

Há rumores extraoficiais de que a coletiva foi suspensa porque o governo estaria insatisfeito com a cobertura da imprensa durante o Fórum. De acordo com fontes ouvidas pelo Broadcast/Estadão, a equipe de Bolsonaro estaria incomodada com o fato de a imprensa perguntar sobre o caso envolvendo o filho do presidente, o senador eleito Flávio Bolsonaro.

Mais cedo, o presidente quebrou o silêncio sobre as investigações que atingiram seu filho e afirmou que, se for comprovado o ato ilegal de Flávio, ele deverá ser punido.

Já na via oficial, o discurso é diferente. O ministro do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), Augusto Heleno, negou que o comportamento da imprensa tenha incomodado o presidente.

Questionado por um repórter sobre o fato de antes da entrevista o próprio general ter dito que o comportamento da imprensa incomodava, o ministro admitiu que sim. "De vez em quando incomoda. É óbvio que incomoda. Vocês não sabem por que o comportamento da imprensa às vezes incomoda? Incomoda todo mundo. Vocês são profissionais."

*Com Estadão Conteúdo.

Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

O MELHOR DO SEU DINHEIRO

A inflação americana na Broadway e outros destaques

O dilema dos Bancos Centrais renderia um musical na Broadway. Um enredo cheio de intrigas e drama; personagens em conflito, cientes de que suas decisões impactam o mundo todo. Subir ou não subir os juros, eis a questão. A inflação americana, afinal, começa a aumentar num ritmo preocupante — e muito por causa da postura […]

Fechamento

Mercado modera reação à inflação americana e bolsa consegue recuperação parcial; dólar sobe a R$ 5,31

Os investidores respiraram fundo, pegaram um copo d’água e digeriram melhor o choque da pressão inflacionária nos Estados Unidos

Caça às pendências

BNDES quer viabilizar privatização da Eletrobras e refazer leilão de bloco da CEDAE ainda este ano

Além disso, o banco de fomento trabalha em outros 120 projetos de desestatização que podem chegar a um investimento total de R$ 243 bilhões em obras

Oferta secundária à vista?

BNDES vai esperar o ‘melhor momento’ para vender ações da Copel

A BNDESPar, empresa de participações do banco, pretende se desfazer da fatia de 24% que possui das ações Copel

Mais uma para a lista

Mesmo com apoio de grandes investidores, Dotz interrompe processo de IPO

A empresa, que pretendia movimentar R$ 1,1 bilhão com a oferta, citou a atual condição do mercado de capitais brasileiro como o motivo por trás da desistência

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies