O melhor time de jornalistas e analistas do Telegram! Inscreva-se agora e libere a sua vaga

2021-07-05T12:15:42-03:00
Renan Sousa
Renan Sousa
É repórter do Seu Dinheiro. Cursa jornalismo na Universidade de São Paulo (ECA-USP) e já passou pela Editora Globo e SpaceMoney. Twitter: @RenanSSousa1
Criptografia anticorrupção

Blockchain pode reduzir corrupção dos países, afirma Fórum Econômico Mundial

Esse tipo de armazenamento de informações é mais comum para as criptomoedas, mas elas podem ser utilizadas para outras finalidades

5 de julho de 2021
12:15
forum economico mundial, world economic forum, davos
Imagem: Shutterstock

O desvio de dinheiro público é um fenômeno que ocorre em praticamente todos os países. De acordo com o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (Pnud), cerca de US$ 1 trilhão é pago em subornos e cerca de US$ 2,6 trilhões são roubados devido à corrupção todos os anos.

Mas uma proposta do Fórum Econômico Mundial pode mudar esse cenário daqui para frente. De acordo com um relatório, divulgado no site da instituição, os governos podem diminuir os riscos de desvio de verbas se utilizarem blockchains para registrar suas ações.

O que são blockchains

As blockchains são sistemas seguros de armazenamento de informações. São elas que guardam e asseguram o valor das criptomoedas, como o bitcoin. Os blocos que compõem a rede que funcionam como “caixas de vidro”, permitindo que todos vejam o que tem dentro deles, mas impossível de serem alterados.

Ainda é possível seguir todas as transações feitas dentro da blockchain. Se você precisou alterar um dado ou inserir um novo, tudo fica registrado na cadeia de blocos. Foi assim que o FBI conseguiu resgatar os bitcoins roubados em um ataque ransomware.

Dessa forma, qualquer auditor, entidade filantrópica ou mesmo pessoa física poderia fiscalizar os gastos dos governos sem conseguir manipular as informações. O Fórum destaca ainda que seria possível agilizar e guardar diversos processos públicos, como transferências de bens e etc. 

O Fórum Econômico Mundial destaca que existem diversas formas de corrupção, e os desvios mais comuns ocorrem principalmente no encontro entre o agente público e instituições privadas. A blockchain permite registrar diversas ações, desde a licitação até o pagamento do projeto, tornando todo o processo mais transparente.

Acompanhamento de obras

Segundo um esquema feito pelo próprio Fórum, quatro etapas essenciais para a aprovação de qualquer projeto público devem ser otimizadas com o uso da blockchain. São elas: planejamento, licitação, avaliação abrangente e implementação e fiscalização. 

Nas primeiras etapas, já seriam registrados tanto os objetivos do projeto quanto as empresas interessadas, juntamente com os orçamentos de cada uma. A terceira fase seria um detalhamento da escolha e passo a passo até a implementação e fiscalização das obras. 

O comunicado do Fórum afirma que existem diversos pontos na negociação entre agentes públicos e empresas que permitem o desvio de dinheiro. Uma maior transparência do projeto deve colocar luz sobre eles e coibir ações do tipo. Além disso, os concorrentes também poderão fiscalizar uns aos outros, o que seria benéfico para os próximos acordos.

Outras aplicações

A publicação ressalta que a blockchain pode otimizar processos de regulamentação, como a compra de casas. No modelo tradicional, são necessárias cerca de 12 etapas até a conclusão de venda. Com criptografia, o processo teria 4 passos.

Um dos primeiros países que adotou o sistema foi a República da Geórgia, que realizou mais de 1,5 milhão de contratos por meio da blockchain em 2018.

Já disponível

É o caso da Colômbia, que está procurando desenvolver projetos em blockchain na cidade de Bogotá. Essa é uma das iniciativas mais proeminentes, junto com El Salvador e Paraguai, para levar essa tecnologia para o dia a dia das pessoas. 

Vale lembrar que a adoção mais abrangente de blockchains em governos depende do andamento tecnológico de cada país, além da capacidade de monitorar o sistema. O Fórum destaca que reconhece a dificuldade mundial de desenvolver projetos com essa tecnologia, mas que ela pode ser uma alternativa ao desvio de recursos.

Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

NOITE CRIPTO

Não durou muito: bitcoin (BTC) opera em queda e volta a ficar abaixo do nível de US$ 30 mil; veja a performance das outras criptomoedas

O peso da perda de confiança do mercado é um dos pontos que mais afastam o investidor do mercado de criptomoedas atualmente

DISTRIBUINDO MAIS DO QUE COMBUSTÍVEIS

Dividendos e JPC: Vibra Energia (VBBR3) anuncia o pagamento de R$ 131 milhões em proventos; confira prazos

Ao todo, a distribuidora de combustíveis já pagou R$ 663 milhões em dividendos e juros sobre capital próprio no exercício de 2021

CSN (CSNA3) e CSN Mineração (CSNA3) vão recomprar até 164 milhões de ações; veja o que muda para os acionistas

As duas companhias aproveitam o momento descontado na B3 para encerrar os programas atuais e iniciar novas operações com duração de um ano

SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

Inflação derruba bolsas, Hapvida vai às compras e a varejista que ameaça o Magalu; confira os destaques do dia

Depois de um dia de animação, preocupações com o movimento dos preços e a atividade econômica pelo mundo estragaram o humor dos investidores

FECHAMENTO DO DIA

Inflação americana come margem de grandes empresas e derruba bolsas globais; Ibovespa cai mais de 2% e dólar cola em R$ 5

Com inflação pressionando e China voltando a fechar cidades, o Ibovespa caiu menos que as bolsas em Wall Street, mas ainda assim amargou fortes perdas

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies