Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2019-04-04T14:12:21-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Fórum Econômico Mundial

Em discurso para os gringos, Bolsonaro fala de reformas e Sergio Moro

Presidente fez uma espécie de carta da apresentação delineando princípios liberais na economia e conservadores nos costumes

22 de janeiro de 2019
13:39 - atualizado às 14:12
Jair Bolsonaro Davos 22 01 19
Presidente Jair Bolsonaro discursa no Fórum Econômico Mundial. - Imagem: Alan Santos/PR

O esperado discurso do presidente Jair Bolsonaro no Fórum Econômico Mundial, em Davos (Suíça) não trouxe novidades para nós por aqui, mas pode ser visto como uma carta de apresentação do novo governo à comunidade financeira internacional.

Em sua breve fala, menos de 10 minutos, Bolsonaro reafirmou o compromisso com as reformas “que precisamos e que mundo espera”, que Sergio Moro, é o “homem certo” para realizar o combate à corrupção, e que o desenvolvimento econômico não será dissociado da preservação do meio ambiente.

Na área econômica, foram reafirmados os compromissos de reduzir a carga tributária, simplificar a vida de quem produz, estabilidade macroeconômica, respeito aos contratos, privatizações e equilíbrio das contas públicas.

O tema reforma da Previdência foi mencionado na sessão de perguntas, junto com a reforma tributária e a vontade de diminuir o tamanho do Estado e “tirar o peso do Estado de cima de quem produz”.

O presidente também estabeleceu uma meta para o ministro da Economia, Paulo Guedes, de que o Brasil vai figurar entre os 50 melhores países para se fazer negócios até o fim de seu mandando em 2022. Atualmente o país está em 109º lugar no ranking “Doing Businiess”.

Na área de comércio internacional, liderada pelo ministro Ernesto Araújo, a ideia é dinamizar as relações sem viés ideológico, integrar o Brasil ao mundo e seguir as melhores práticas internacionais, como as da OCDE.

Bolsonaro também afirmou que o país fará uma “defesa ativa” da reforma da Organização Mundial do Comércio (OMC), buscando eliminar práticas desleais e garantir segurança jurídica às trocas comerciais.

Ao longo do discurso, Bolsonaro vez menções de “estar de braços abertos”, de aprofundar laços de amizade e de relações comerciais, e da necessidade de “parceiros com tecnologia” para desenvolvimento da biodiversidade.

Bolsonaro defendeu que o Brasil é o país que “mais preserva o meio ambiente” e que nenhum lugar tem tantas florestas como o país. A fala pode ser vista como uma resposta às constantes críticas de agentes internacionais com relação à leniência do país com o tema ambiental. "Os setores que nos criticam têm, na verdade, muito o que aprender conosco", disse.

Segundo o presidente, apenas 9% do território é dedicado à agricultura, que cresce em função da “tecnologia e competência” do produtor rural, e que menos de 20% é dedicado à pecuária. São essas commodities que ajudam no saldo superavitário da balança comercial e “alimentam boa parte do mundo”.

O presidente também falou em um “Brasil grande”, de paz, liberdade e democracia e em resgatar valores e defender a família, os direitos humanos e a propriedade privada. Ecoando o ideal de “liberal na economia e conservados nos costumes”.

Bolsonaro afirmou que “conseguimos” a vitória na eleição mesmo gastando menos de US$ 1 milhã e “sendo injustamente atacado”. “Assumi o Brasil em crise ética, moral e econômica. Temos o compromisso de mudar nossa história”, afirmou.

Por duas vezes, Bolsonaro enfatizou que “pela primeira vez” um presidente montou uma equipe de ministros qualificados, de perfil técnico, e sem aceitar ingerência político-partidária, que só gerou, no passado, “ineficiência e corrupção”.

Perguntado sobre as relações com a América do Sul, Bolsonaro defendeu que cada país deve manter sua hegemonia e que “não queremos uma América do Sul bolivariana” e que a “esquerda não prevalecerá nessa região, algo bom para a América do Sul e para o mundo”.

Sem conseguir mais detalhes com relação às propostas para economia, corrupção e comércio internacional, o fundador do Fórum Econômico Mundial, Klaus Schwab, encerrou a sessão falando que em 2020 acontecerá a edição regional do evento no Brasil e que essa será a oportunidade para vermos os resultados das transformações propostas pelo presidente.

Veja o discurso de Bolsonaro na íntegra:

 

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

Coluna do jojo

Mercados hoje: Em terra de Copom, quem sobe os juros é rei

Para hoje, além da continuidade da temporada de resultados com pesos pesados – por aqui, esperamos nomes como Gerdau, Banco do Brasil e Petrobras –, mais pesquisas de opinião sobre o sentimento empresarial estão por vir

O melhor do seu dinheiro

O que mexe com seu dinheiro: bolão do Copom na bolsa, novo fundo da Inter, IPO da Raízen e mais

Bem, amigos do Seu Dinheiro. Hoje é dia de decisão! Com o desfalque do diretor Bruno Serra, que testou positivo para a covid-19, o Banco Central entra em campo nesta quarta-feira para definir a taxa básica de juros (Selic). Haja coração! As reuniões do Comitê de Política Monetária (Copom) são para a imprensa econômica o […]

Cliente difícil

Barrada na alfândega: Carne de unidade da BRF não é mais bem vinda na China

País asiático suspende compra de produtos suínos e de aves processados na unidade de Lucas do Rio Verde (MT), alegando problemas no transporte

Esquenta dos Mercados

Pré-mercado: cautela antes da decisão do Copom e risco fiscal devem dividir atenção com balanços do dia

Em meio ao exterior positivo, bolsa brasileira deve lidar com cenário interno de incertezas quanto ao teto de gastos

Preparar para decolagem

Renovação total: Gol faz acordo para adquirir aviões novos; veja os detahes

Presidente da companhia aérea afirma que movimento é uma antecipação à esperada retomada da demanda por viagens após a pandemia

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies