Menu
2019-06-07T18:43:46-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Seu Dinheiro no Domingo

De carro com Jair

Como duas conversas com motoristas ajudam a explicar os movimentos de popularidade do governo Bolsonaro

28 de abril de 2019
11:21 - atualizado às 18:43
Bolsonaro
Jair Bolsonaro desfila em carro aberto pela Esplanada dos Ministérios. - Imagem: Rafael Carvalho/PR

Caro Leitor,

Como o período de chuvas aqui em Brasília se alongou, tenho usado menos a moto para ir às pautas que se dividem entre o Ministério da Economia, Banco Central, Congresso e Palácio do Planalto. Nas corridas via aplicativo, quase sempre rola alguma conversa, mas dois episódios da semana ajudam a entender o que acontece com a popularidade de Jair Bolsonaro neste começo de mandato.

- Boa tarde, seu Eduardo.
- Boa tarde, Jair, tudo bem?
- Tranquilo, onde vamos?
- Vamos encontrar seu xará, lá no Palácio do Planalto.

Jair, o motorista, tem pouco mais de 50 anos e é eleitor declarado do outro Jair, o presidente. De largada, começamos a conversa falando sobre os feitos deste começo de governo. Para Jair, seu xará tem feito muita coisa, apesar das críticas.

Para Jair, só de tirar, limpar, o povo de que tinha ficado da gestão petista já é um grande feito. E, se o Congresso deixar, Jair vai mudar esse país de patamar.

Concordo com Jair, argumentando que esse início de governo é realmente difícil, ainda mais que estamos entrando ou testando um novo modelo de negociação política, depois de 14 anos no qual o Executivo literalmente comprou o Legislativo. Além disso, há uma curva de aprendizado, um período de acomodação.

Jair concorda, além disso quer ver a economia andar e é adepto da agenda liberal do “doutor Paulo Guedes”. Para Jair, o povo tem que entender que o Estado não tem que estar se metendo em tudo. Que Guedes trouxe boas ideias de Chicago, onde o filho de Jair está estudando agora, mas que sempre foi deixado de lado.

Concordo novamente com Jair, acrescentando que a tese do Guedes é justamente essa, o Estado cresceu demais, corrompendo praticamente todas as relações comerciais, financeiras e até mesmo pessoais.

A conversa segue e quase chegando ao Palácio do Planalto, Jair me conta, rindo, que na sua casa todo mundo é petista, defendem o Lula. Rindo ainda mais, ele me diz que os filhos acham que Lula foi condenado sem provas. Falo, também rindo, que não é possível, mas...

Deixando o Planalto

Na volta do palácio, o motorista era o Mário. Como entrei no carro e segui olhando e-mails e vendo se a matéria com a legalização da agiotagem no Brasil tinha entrado no site, só fomos engatar conversa um pouco depois.

O mote para a política veio do rádio, que naquele fim de tarde trazia os números da última pequisa CNI/Ibope de aprovação do governo. Após a locutora apresentar os 35% de ótimo/bom, os 31% de regular e 27% de ruim/péssimo, pergunto a Mário em qual grupo ele se encaixava.

A resposta veio sem titubear: “ruim, e olha que eu votei no Bolsonaro”. Na sequência, Mário explica o motivo de sua insatisfação: “Fica com muita briguinha em rede social. Fora que esses filhos dele não ajudam, tão sempre arrumando confusão. Esperava mais desse governo”.

Assim como concordei com as ponderações de Jair, concordei com a fala do Mário. Disse que, de fato, essas rusgas envolvendo o presidente, seus filhos e os recentes ataques ao vice-presidente Mourão, não levavam a nada. Só faziam barulho e abriam espaço para o governo ser criticado. Mas, no fim da corrida, ambos concordamos que tem espaço para melhorar.

De volta ao Ibope

Não preciso dizer que Jair está e sempre esteve no grupo “ótimo/bom” de avaliação do presidente. Jair representa o que chamo de eleitorado mais fiel, ou eleitor de primeira hora. Faz parte daquele grupo de 20% que acompanha o presidente desde o começo da corrida eleitoral e que muito analista gabaritado achou que era "teto" de Bolsonaro.

Já Mário faz parte de outro grupo de eleitores, do grupo que ajudou a eleger o presidente, mas não é um eleitor fiel, como Jair. É justamente nesse grupo dos “Mários” que Bolsonaro parece perder aprovação, que em janeiro estava na faixa dos 49%.

Jair, o presidente, tem focado muito a sua comunicação e sua ações para o grupo de eleitores do motorista Jair. É correto manter essa base fiel cativada, com os discursos e postura da guerra cultural e de choro livre aos petistas.

Mas a comunicação e o arco de ação está perdendo o grupo de Mário, que ajudou a alçar Bolsonaro ao Planalto dentro da onda anti-PT que marcou as eleições. Ou mesmo gente que simplesmente achou que estava na hora de mudar um pouco as coisas, na linha da famosa frase que diz que políticos e fraldas tem de ser trocados periodicamente e pelo mesmo motivo.

Reforço o ponto de mudar a comunicação e a percepção, pois essas parecem as armas disponíveis no momento. No lado econômico, notícias positivas vão continuar rareando, com o mercado e os empresários aguardando um desfecho mais claro para a reforma da Previdência antes de fazer investimentos e contratar.

No lado da ação, o que o “doutor Paulo Guedes” poderia fazer é tentar acelerar as medidas que não dependem do Parlamento, mesmo que muitas sejam agendas microeconômicas de pouco apelo popular.

A boa notícia é que há movimentação nesse sentido e Guedes está indo além, atacando uma agenda bastante popular,  falando em reduzir o preço do gás pela metade.

Um bom domingo pra você!

Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

secretário do tesouro

Pela 1ª vez, governo está fazendo esforço para construir base política, diz Mansueto

O secretário do Tesouro Nacional, Mansueto Almeida, afirmou nesta sexta-feira, 3, que pela primeira vez o governo está fazendo um esforço para construir uma base política no Congresso, dando os primeiros passos nessa direção

Fernanda Nechio

Crédito aumenta, mas há arrefecimento nos últimos dados, diz diretora do BC

Arrefecimento do crédito em 2020 e concentração de recursos direcionados às grandes empresas foram dois dos motivos que levaram a autoridade monetária a adotar medidas voltadas para o mercado de crédito durante a pandemia do novo coronavírus

mineradora foca pequenas compras

Vale não deve fazer grandes aquisições, diz Luciano Siani

Se aquisições relevantes estão descartadas, pequenas compras podem acontecer, diz CFO da mineradora

mp 950

Isenção na conta de luz da população de baixa renda terminou no dia 30, diz MME

MME esclareceu que a Medida Provisória 950 – que ampliou o desconto nas tarifas a que a população de baixa renda tem direito para 100% até o limite de consumo de 220 kWh mensais – teve sua vigência prorrogada até 5 de agosto

número positivo

Produção da indústria eletroeletrônica cresce 15,6% em maio

A produção da indústria elétrica e eletrônica em maio cresceu mais que o dobro do volume produzido pela indústria como um todo

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements