Menu
2019-04-22T06:12:22-03:00
Olivia Bulla
Olivia Bulla
Olívia Bulla é jornalista, formada pela PUC Minas, e especialista em mercado financeiro e Economia, com mais de 10 anos de experiência e longa passagem pela Agência Estado/Broadcast. É mestre em Comunicação pela ECA-USP e tem conhecimento avançado em mandarim (chinês simplificado).
A Bula do Mercado

Feriado hoje, Previdência amanhã

Feriado em alguns países hoje mantém a liquidez reduzida no mercado financeiro, ampliando espera local pela retomada da sessão na CCJ amanhã

22 de abril de 2019
5:30 - atualizado às 6:12
FERIADOPREVIDENCIA
Safra de balanços e PIB dos EUA estão em destaque na semana

Ainda é feriado em alguns países (Easter Monday), o que mantém a liquidez reduzida no mercado financeiro global. Com isso, os negócios no exterior amanheceram de lado, sem um rumo definido. No Brasil, a volta do fim de semana prolongado deve manter os negócios locais em compasso de espera pela nova sessão na CCJ da Câmara, amanhã.

Parlamentares e o governo passaram a Páscoa discutindo sobre pontos na proposta da reforma da Previdência que podem ser alterados já na primeira comissão. Entre eles, a retirada do fim do pagamento de multa do FGTS para aposentados e a possibilidade de alterar a idade máxima de aposentadoria compulsória para ministros do STF.

Com isso, o parecer do relator da reforma da Previdência na CCJ deve ser apresentado amanhã com modificações. Será necessária, portanto, uma nova leitura do texto, o que tende a adiar o início da votação da proposta pelos deputados do colegiado para quarta-feira.

O Centrão

A retirada dessas medidas é uma demanda do Centrão, que não quer esperar pela comissão especial. São mudanças que não alteram a potência a ser obtida com a aprovação das novas regras para aposentadoria, preservando a meta do ministro Paulo Guedes de R$ 1,1 trilhão, mas que mostram a força do Legislativo frente ao Executivo.

A sinalização é negativa, pois abre espaço para uma desidratação maior ao longo da tramitação da proposta, reduzindo a economia fiscal para algo abaixo de R$ 800 bilhões. Regras sobre aposentadoria rural, benefícios sociais e salariais e a desconstitucionalização de futuros ajustes também devem ser eliminadas.

A idade mínima para aposentadoria e o tempo de transição também pode ser diluídos, frustrando a equipe econômica. Ainda assim, o mercado doméstico vê chances elevadas, de mais de 70%, de aprovação da reforma da Previdência neste ano. O que mudou foi o prazo, que se estendeu para o fim do ano.

Mesmo que com algum atraso e certa desidratação, a negociação do Centrão com o governo Bolsonaro em troca de apoio à reforma da Previdência ajudou a Bolsa brasileira a fechar em alta na última quinta-feira. O dólar, porém, seguiu acima de R$ 3,90. A Petrobras teve papel fundamental nos ganhos do Ibovespa ao final da semana passada, apesar do temor de uma nova greve dos caminhoneiros, a partir da próxima segunda-feira (dia 29).

Exterior misto

No exterior, os mercados internacionais não exibem uma direção única, o que deve afetar os negócios locais hoje. As principais bolsas asiáticas encerraram a sessão com um desempenho misto. Enquanto Xangai caiu 1,7%, Tóquio subiu 0,6%. Hong Kong e Sydney ficaram fechados devido a um feriado, o que reduziu o volume. As praças europeias também têm uma sessão esvaziada por causa da Segunda-feira de Páscoa celebrada na Inglaterra, Alemanha e França.

Em Nova York, os índices futuros das bolsas de Nova York estão no vermelho, dando continuidade às perdas registradas ao final da semana passada, quando o S&P 500 interrompeu três semanas seguidas de ganhos. O dólar está de lado, em meio à baixa liquidez nos negócios entre as moedas europeias.

Já o petróleo dispara, com o barril dos tipo WTI e Brent subindo ao maior nível em seis meses, em meio a relatos de que o governo Trump irá anunciar hoje que os países compradores de petróleo do Irã devem acabar com essas importações ou sofrer sanções dos Estados Unidos. O objetivo de Washington é zerar as exportações iranianas da commodity. Entre os metais básicos, o minério de ferro avança.

Os investidores estão de olho em uma semana repleta de resultados financeiros de empresas norte-americanas, principalmente do setor de tecnologia, ao mesmo tempo em que aguardam uma série de indicadores de atividade nos EUA. Juntos, esses números devem ajudar a decidir se a política monetária dos bancos centrais será capaz de sustentar o crescimento econômico o suficiente para ignorar que o lucro corporativo pode se contrair.

Inflação no Brasil e PIB nos EUA em destaque

A agenda econômica desta semana traz como destaque a prévia deste mês da inflação oficial ao consumidor brasileiro (IPCA-15), a ser conhecida apenas na quinta-feira. Também merecem atenção os índices de confiança de diferentes agentes econômicos (consumidor, comércio e construção civil), entre quinta e sexta-feira.

Já nesta segunda-feira, destaque para o relatório Focus do Banco Central, com as estimativas do mercado financeiro para as principais variáveis econômicas. A previsão para o crescimento do PIB neste ano pode ser revista novamente para baixo, o que também abre espaço para as estimativas de corte na taxa básica de juros.

O documento do BC será divulgado às 8h25. À tarde (15h), saem os dados parciais de abril da balança comercial. Ao longo da semana, também são esperados dados sobre a arrecadação federal de impostos, sobre as condições de crédito no país e a geração de postos formais de trabalho.

No exterior, o destaque fica com a primeira estimativa do PIB dos EUA no início deste ano, na sexta-feira. A previsão é de desaceleração da economia norte-americana, sob impacto das condições climáticas e da paralisação do governo (shutdown). No mesmo dia, saem o índice de preços de gastos com consumo (PCE) e a confiança do consumidor.

Hoje e amanhã, saem dados do setor imobiliário e sobre a atividade manufatureira nos EUA. No eixo Europa-Ásia, destaque para o índice IFO de sentimento econômico na zona do euro e para a decisão de política monetária do Banco Central do Japão (BoJ), ambos na quarta-feira. Na China, o calendário econômico está esvaziado.

Ao longo da semana, saem os resultados trimestrais da Amazon, Facebook, Twitter e Microsoft. Na Europa, os bancos publicam seus demonstrativos contábeis, com destaque para Deutsche Bank, UBS, Barclays, Credit Suisse e Swedbank.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

fechando a conta no azul

Perdeu, mas ganhou: Ibovespa tem correção e cai, mas termina semana em alta; juros disparam com inflação

Índice não conseguiu manter toada positiva vista em outros dias e recuou com quedas de bancos e Petrobras; dólar sobe com inflação maior à vista

começa hoje

Para evitar aglomeração, Via Varejo anuncia Black Friday antecipada

Durante o período, a ideia da campanha é que sejam anunciadas ofertas e vantagens para o cliente em todos os canais.

Infinito e além

SpaceX, de Elon Musk, quer colocar internet em Marte

Deste modo, seria possível criar uma rede de internet banda larga por meio de satélites

Tem grana vindo aí

CMN facilita captação externa com bancos multilaterais e agências

Essas contas serão usadas exclusivamente para depósito dos recursos do empréstimo ou financiamento concedido por esses agentes internacionais.

Forte queda

Governo teve necessidade de financiamento de R$ 366,9 bi em 2019, diz IBGE

O resultado é consequência de um crescimento de 8,6% da receita total, já as despesas totais das três esferas governamentais subiram 4,3%.

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies