Menu
2019-04-09T09:21:53-03:00
Olivia Bulla
Olivia Bulla
Olívia Bulla é jornalista, formada pela PUC Minas, e especialista em mercado financeiro e Economia, com mais de 10 anos de experiência e longa passagem pela Agência Estado/Broadcast. É mestre em Comunicação pela ECA-USP e tem conhecimento avançado em mandarim (chinês simplificado).
A Bula do Mercado

Começa a reforma no Congresso

Leitura do parecer sobre a reforma da Previdência aos deputados da CCJ mantém a cautela no mercado financeiro, enquanto a guerra comercial recrudesce no exterior

9 de abril de 2019
5:47 - atualizado às 9:21
pedreiro (1)
No exterior, mercados também estão à deriva, diante do temor com a guerra comercial -

O mercado financeiro segue atento às movimentações no Congresso envolvendo a reforma da Previdência, neste dia de leitura do parecer (14h30) sobre a admissibilidade da proposta na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara. Até lá, a sessão local deve ser novamente arrastada, com os negócios no exterior também à deriva.

Trata-se da primeira etapa da proposta do governo sobre as novas regras para aposentadoria no Congresso e o relator da proposta na CCJ da Câmara, Marcelo Freitas, deve pedir a aprovação na íntegra, sem sugerir alterações na aposentadoria rural nem no benefício a idosos e deficientes de baixa renda que não conseguiram se aposentar, o chamado BPC. A expectativa é que as mudanças ocorram apenas na próxima fase, já na comissão especial.

A oposição, porém, promete votar contra. Mesmo assim, o partido do presidente Jair Bolsonaro, o PSL, que conduz a relatoria na CCJ e comanda a presidência da comissão, tem certeza de que o parecer será aprovado. Após a apresentação do relatório, cabe pedido de vista do processo, mas a votação deve ocorrer na semana que vem, em 17 de abril.

O governo já conta com aproximadamente 40 votos a favor da reforma da Previdência na CCJ, de um total de 66. Na comissão, basta apenas maioria simples para ser aprovada e seguir, então, para a comissão especial, que analisa o mérito da proposta. É nela que devem acontecer modificações no texto, ao longo das dez primeiras sessões.

No mercado financeiro, a leitura do parecer hoje e a votação na CCJ na semana que vem já estão “na conta”. O que interessa é o que vem depois. O temor é de que haja atraso no cronograma e uma “desidratação” forte da proposta, reduzindo a economia a ser gerada nos cofres públicos para menos de R$ 1 trilhão.

Exterior à deriva

Enquanto aguardam a apresentação do parecer do relator aos integrantes da CCJ para analisar se a proposta enviada pelo Executivo fere algum princípio constitucional, o mercado também monitora o exterior, onde a guerra comercial parece ganhar novos rivais. O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, ameaçou impor novas tarifas contra a Europa, o que atinge as bolsas dos dois lados do Atlântico Norte.

A Casa Branca analisa a possibilidade de sobretaxar 11 milhões de euros em bens europeus importados, como forma de contestar os subsídios atribuídos pelo Velho Continente à Airbus. É bom lembrar que a fabricante francesa de aeronaves rivaliza com a norte-americana Boeing, que sofre duras perdas após dois acidentes fatais com o 737 MAX. Segundo o governo Trump, os subsídios à Airbus causam “efeitos adversos” nos EUA.

A lista de itens que podem ter tarifas adicionais de importação inclui helicópteros de passageiros, queijos e vinhos, entre outros. Em reação, as ações de empresas do setor de tecnologia e fabricantes de bens domésticos lideram as perdas entre as bolsas europeias. Os índices futuros em Nova York também apontam para uma abertura fraca, após uma sessão de leves oscilações na Ásia.

O confronto entre EUA e Europa levanta dúvidas em relação às negociações comerciais com a China, diante da imprevisibilidade de Trump e da resiliência do presidente chinês, Xi Jinping. Apesar dos estreitos laços econômicos e geopolíticos, EUA e União Europeia (UE) estão prestes a iniciar negociações comerciais, elevando o risco de uma guerra também na região.

Nos demais mercados, o euro e a libra estão de lado, antes das encontros-chave do Banco Central Europeu (BCE) e da primeira-ministra britânica, Theresa May, com a UE sobre o Brexit, amanhã. Já nas commodities, o petróleo avança mais, sendo que o barril do tipo WTI se aproxima da marca de US$ 65, em meio à escalada da tensão na Líbia. Os metais básicos também sobem, com o cobre no maior nível em nove meses.

FMI e varejo brasileiro em destaque

O encontro de primavera (no Hemisfério Norte) do Banco Mundial e do Fundo Monetário Internacional (FMI) começa hoje em Washington e o relatório sobre as perspectivas econômicas globais é o destaque da agenda econômica lá fora. No Brasil, o calendário está mais fraco, mas traz como destaque as vendas no varejo brasileiro em fevereiro.

A previsão é de ligeiro crescimento, nas duas bases de comparação, com o desempenho sendo beneficiado pelo maior número de dias úteis, já que o carnaval neste ano ocorreu em março. Enquanto o crescimento em fevereiro deve oscilar ao redor de 0,2%, o aumento no confronto com o mesmo mês do ano passado deve ser de 1,5%.

Os números efetivos serão divulgados às 9h. No mesmo horário, será conhecido o desempenho da indústria em diferentes localidades em fevereiro. Antes, às 8h, saem indicadores da FGV sobre o emprego no país no mês passado. Já o exterior traz apenas a divulgação do relatório Jolts sobre o total de vagas disponíveis nos EUA em fevereiro (11h).

Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

é hoje

Caixa começa a pagar saque aniversário do FGTS nesta quarta

Modalidade permite a retirada de parte do saldo de qualquer conta ativa ou inativa do fundo a cada ano, no mês de aniversário, em troca de não receber parte do que tem direito em caso de demissão sem justa causa

na suprema corte

Ministro do STF proíbe campanha do governo para fim do isolamento social

Luís Roberto Barroso avaliou que a situação é “gravíssima” e que “não há qualquer dúvida” de que a infecção por covid-19 representa uma ameaça à saúde e à vida da população

em brasília

Guedes condiciona auxílio de R$ 600 a aprovação da PEC emergencial e cria atrito com Maia

Presidente da Câmara falou em chamou de “transferência de responsabilidade” por parte do economista

momento de crise

Não adianta abrir comercio e as pessoas não irem às compras, diz Luiza Trajano

Para presidente do Conselho do Magazine Luiza, é preciso garantir que as medidas do governo cheguem a quem realmente precisa

Ursos à solta

Sim, você já sabe, a bolsa está em ‘bear market’. Mas o que a crise do coronavírus tem de diferente?

Eu preparei um histórico das crises que fizeram a bolsa sofrer e falei com especialistas para saber quanto tempo pode levar para as ações se recuperarem do tombo

IR 2020

Como declarar previdência privada no imposto de renda

Aprenda a declarar no imposto de renda as contribuições feitas a PGBL, VGBL e fundos de pensão, bem como os rendimentos recebidos dos planos de previdência privada

Números atualizados

País tem 201 mortes por coronavírus e 5.717 casos

Casos confirmados chegam a 5.717, segundo boletim

Novo pronunciamento

Bolsonaro modera o tom em novo pronunciamento, mas é alvo de panelaços

Presidente reconheceu a falta de um medicamento com eficácia confirmada para o combate à covid-19, citou a OMS e não pediu mais o fim do isolamento

Plano de negócios

Eletrobras prevê investimento de R$ 32,4 bilhões de 2020 a 2024

Segundo o documento, para 2020 está previsto um investimento de R$ 5,285 bilhões. Para o ano que vem, está prevista a cifra de R$ 6,7 bilhões

Sem tensão

Bolsonaro indica que Mandetta está mantido no cargo e não assina voucher nesta 3ª

O presidente Jair Bolsonaro amenizou o clima de tensão vivido nos últimos dias com o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements