Menu
2019-10-17T19:31:50-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
Crise profunda no PSL

Bolsonaro tenta derrubar líder na Câmara, sofre derrota e destitui Joice Hasselmann da liderança no Congresso

Presidente atuou pessoalmente para tentar derrubar Delegado Waldir, mas movimento foi falho e apenas aprofundou a crise no partido

17 de outubro de 2019
17:01 - atualizado às 19:31
Presidente da República, Jair Bolsonaro.
Imagem: Alan Santos/PR

O grupo do PSL ligado ao presidente Jair Bolsonaro sofreu uma dura derrota na manhã desta quinta-feira, 17, com a consolidação do deputado Delegado Waldir (PSL-GO) como líder da bancada na Câmara. A estratégia feita pelo grupo ontem de protocolar duas listas com um pedido de destituição de Waldir e a nomeação de Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) para o cargo falhou.

Ao conferir as assinaturas no documento, a Secretaria-Geral da Mesa da Câmara invalidou um nome na primeira tentativa e três no outro. Com isso, o documento apresentado pelo grupo ligado ao presidente da legenda, Luciano Bivar (PE), teve um maior número de assinaturas e prevaleceu, com o pedido de manutenção de Waldir. A Secretaria-Geral da Mesa formalizou nesta tarde a decisão de manter Waldir na função.

O presidente Jair Bolsonaro atuou pessoalmente para tentar derrubar Waldir. Em áudio vazado, ele pediu a parlamentares da sigla que assinassem a lista para destituir o deputado e apoiassem o nome do seu filho, Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), para o posto. O pedido foi gravado por um deputado não identificado.

A troca do líder foi defendida por Bolsonaro após, um dia antes, Delegado Waldir orientar a bancada do PSL a votar contra uma Medida Provisória que tratava da reestruturação administrativa da Casa Civil e da Secretaria de Governo. A manobra segurou a votação por duas horas e, embora a MP tenha sido aprovada, o gesto representou uma vitória do grupo 'bivarista'.

Ontem, ao protocolar a primeira lista, o grupo de deputados ligados ao presidente Bolsonaro chegou a dar uma coletiva e Eduardo fez um pronunciamento.

"Estou vindo para tentar colocar um pouco de panos quentes", disse o filho do presidente na noite de quarta-feira. "Muitos deputados foram retirados de comissões. Ocorreu uma retaliação e pareceu que se estava fazendo política com o fígado. Agora, todos os temas como a embaixada ou a viagem para a Ásia são secundários".

Nomes repetidos

Quatro deputados do PSL assinaram ao mesmo tempo os pedidos para que Eduardo Bolsonaro fosse líder da bancada na Câmara e também puseram os próprios nomes na solicitação para que Delegado Waldir permanecesse no cargo.

Os nomes que aparecem em todos os três documentos da "guerra de listas" do PSL são os dos deputados Daniel Silveira (RJ), Luiz Lima (RJ), Coronel Chrisóstomo (RO) e Professor Joziel (RJ). Segundo Silveira, a assinatura em todas as listas foi uma estratégia. Ele, que faz parte do grupo de parlamentares que apoiam o presidente Jair Bolsonaro, disse que a ideia foi deixar o outro grupo "relaxado" de que já tinham maioria e parasse de coletar mais adesões. Silveira afirma ainda que novas listas devem ser protocoladas pelo grupo que quer Eduardo Bolsonaro como líder.

Presidente imparcial

Ameaçado de expulsão do PSL, o deputado federal Bibo Nunes (RS) saiu nesta quinta-feira (17) em defesa do presidente e afirmou que ele teria tido uma atitude imparcial diante da composição do partido. "O presidente não ligou para ninguém. Ele recebeu a ligação passada por outro."

O deputado, que reuniu-se na manhã desta quinta com o secretário de governo, Luiz Eduardo Ramos Pereira, afirmou ainda que o presidente não queria o nome de Eduardo para a liderança. "Ele foi taxativo", disse o deputado sobre o presidente. "Ele é meu filho e não vai ser bom", teria dito o presidente, de acordo com Nunes. Ainda de acordo com o deputado, o nome de Eduardo foi aceito como uma opção temporária, para que o partido ganhasse tempo até dezembro. Diante desse cenário, completou Nunes, o presidente teria aceitado a opção.

Nunes criticou o deputado que vazou a gravação do diálogo do presidente Bolsonaro. "A carreira dele está acabada". Para o deputado, as declarações contidas no áudio que mostram que o presidente opinava sobre substituição do deputado Waldir, são normais. "Conversando, o presidente é incisivo, é normal" disse, para mais tarde completar. "Ele é contundente, é o estilo dele."

De acordo com o deputado, a permanência de Eduardo Bolsonaro na liderança teria como objetivo principal "apaziguar" os ânimos do partido. A indicação do deputado para a embaixada, ficaria para depois.

Nunes está em rota de colisão com a presidência do PSL e é ameaçado de expulsão. "Essa briga começou há três meses. Perdi tudo", disse. "Só que promete me expulsar e não expulsa, porque não tem motivo. Mas se me expulsar é uma honra. Uma placa de ouro sair do PSL que é contra os princípios do Bolsonaro."

Hasselmann derrubada

Na esteira da crise política, Bolsonaro resolveu retirar a deputada federal Joice Hasselmann (PSL-SP) da liderança do governo no Congresso. O substituto no cargo será o senador Eduardo Gomes (MDB-TO), vice-líder do governo no Senado atualmente.

A situação de Joice ficou insustentável no governo após a deputada assinar uma lista de apoio à permanência de Delegado Waldir na liderança do PSL na Câmara. O porta-voz da Presidência, general Otávio do Rêgo Barros, fez o anúncio oficial da substituição.

"Sendo uma prerrogativa do presidente da República escolher seus líderes para representar o governo no poder legislativo, será encaminhada mensagem ao Congresso nacional informando a substituição da Deputada Joice Hasselmann (PSL-SP) pelo Senador Eduardo Gomes (MDB-TO) na função de líder do governo naquela casa legislativa", afirmou.

Joice foi escolhida líder do governo em fevereiro, pela indicação dos presidentes da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), e tinha bom trânsito com o ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, que no início do governo era responsável pela articulação política. Ela vinha perdendo espaço, no entanto, desde que a articulação foi repassada para a Secretaria de Governo, em agosto. O ministro Luiz Eduardo Ramos, titular da pasta, deu preferência ao líder do governo na Câmara, deputado Major Vitor Hugo (PSL-GO).

Em um tuíte, a deputada se despediu do cargo que ocupava. "Deixo a liderança no Congresso com dever cumprido", escreveu a deputada. Hasselmann diz não se importar com o que considerou "ingratidão", disse ter "couro duro" e que irá seguir "apoiando o Brasil".

"Vou implodir o presidente"

Pivô da nova crise, Delegado Waldir afirmou em reunião interna da ala ligada a Bivar que vai "implodir" o presidente Jair Bolsonaro. O áudio do encontro, gravado por um dos presentes, foi obtido pelo jornal O Estado de S. Paulo.

"Eu vou implodir o presidente. Aí eu mostro a gravação dele. Não tem conversa. Eu implodo ele. Eu sou o cara mais fiel. Acabou, cara. Eu sou o cara mais fiel a esse vagabundo. Eu andei no sol em 246 cidades para defender o nome desse vagabundo", afirma Waldir. Logo em seguida, alguém não identificado o alerta: "Cuidado com isso, Waldir."

Na reunião, ocorrida no fim da tarde no gabinete da liderança do PSL na Câmara, deputados relataram que estavam sendo pressionados por Bolsonaro a assinar uma lista para destituir Waldir e apoiar Eduardo Bolsonaro.

Dois parlamentares relataram ter recebido os pedidos em reunião com o próprio presidente no Palácio do Planalto. "Os meninos chegaram lá e o presidente disse: 'Assina se não é meu inimigo'", diz uma das presentes. "Eu não consegui não assinar", responde o deputado Luiz Lima (PSL-RJ). O deputado Loester Trutis (PSL-MS) também diz ter sido pressionado.

"Nós vamos expulsar, e aqueles que fizerem nós vamos expulsar um por um do partido, ok? A situação é essa. Nós vamos expulsar um por um do partido", diz Waldir na gravação. Procurado pela reportagem para comentar as declarações, o deputado não se manifestou até a publicação da notícia.

O deputado Daniel Silveira (PSL-RJ) admitiu ter gravado a reunião da bancada do PSL. De acordo com o parlamentar, o objetivo foi "blindar" Bolsonaro na guerra declarada contra Luciano Bivar.

"Era uma estratégia pensada. Eu, Carlos Jordy (PSL-RJ), Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), Carla Zambelli (PSL-SP), Bia Kicis (PSL-DF). Todo o grupo do Jair para gente poder blindar o presidente", afirmou Silveira.

De acordo com o parlamentar, a estratégia foi pensada em reunião de Bolsonaro com 20 deputados da qual participou ontem, por volta das 16h, no Palácio do Planalto. Lá, eles iniciaram o plano de se infiltrar no grupo de parlamentares ligados a Bivar.

Silveira e outros dois deputados foram para a reunião no gabinete da liderança do PSL. Para convencer que estava do lado de Waldir, ele assinou uma lista de apoio ao líder do PSL. Após gravar a conversa, Silveira voltou ao Planalto e mostrou a Bolsonaro a gravação. "Ele ficou p... da vida", afirmou à reportagem.

O deputado tem experiência em trabalhar disfarçado. Quando era membro da Polícia Militar do Rio, ele atuou na área do Serviço de Inteligência, a chamada P2. A unidade é especializada em atuar disfarçado, muitas das vezes infiltradas, em organizações criminosas para buscar provas de crimes.

Bolsonaro: "não nos deixam em paz"

O presidente Jair Bolsonaro disse nesta quinta-feira, em discurso em uma aula inaugural do curso de formação da Polícia Rodoviária Federal, em Florianópolis (SC), que sua vida no governo "não é fácil", mas que sabia que seria assim. "Não nos deixam em paz, alguns de forma mesquinha buscam atingir o governo. A grande parte quer o bem, mas essa minoria é incansável e isso é lamentável", disse Bolsonaro, acrescentando que prevalece a "vontade de ver o Brasil crescer, economicamente e moralmente".

Em dia de acirramento da crise no PSL, o presidente fez, ainda, um apelo ao Congresso. "Não existe satisfação maior, senhores parlamentares, do que ser reconhecido pelo seu trabalho."

Durante o discurso, Bolsonaro disse também que sua bandeira não é "negociar coisas menores" com o Legislativo. "Minha bandeira é de Brasil acima de tudo, respeito à família, é tratar com dignidade a coisa pública, é não negociar coisas menores dentro do parlamento", afirmou, emendando que tem o dever de "defender a família, a pátria e respeitar a criança dentro da sala de aula".

Fusão com o DEM

O áudio mostra ainda o presidente da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), Felipe Franceschini (PSL-PR), admitindo o movimento do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), para fundir o PSL e o DEM, como mostrou o Estado nesta quinta-feira. "Ontem, a gente foi na casa do Rodrigo. Estava o Mendonça (Filho, ex-ministro da Educação), estava o Rodrigo Maia ligando para o ACM (Neto, prefeito de Salvador e presidente do DEM), comigo e com o (Antônio) Rueda (vice-presidente do PSL). Eles estão loucos para fazer a fusão do Democratas com o PSL", afirmou Franceschini.

O presidente da CCJ diz que não quer que aconteça, mas, para isso, a bancada deveria mostrar maior unidade em defesa do PSL e do presidente do partido, Luciano Bivar. "Eu estou tentando segurar essa p.. porque eu não quero que aconteça. Se a bancada passar o recado que não está com o partido, eles vão fazer a fusão e vão liberar todo mundo aqui sem levar fundo, sem levar p... nenhuma. E o Democratas vai ficar com o dinheiro de todos vocês aqui", afirmou.

O PSL tem, hoje, 53 deputados e o DEM, 27. Juntos, teriam 80 deputados e se tornariam a bancada mais forte da Câmara. De acordo com Franceschini, o movimento de fusão está sendo alimentado por Maia. "Eles querem juntar os dois fundos (partidários). Fazer um partido com 100 deputados para a reeleição dele", afirmou Franceschini.

Em junho, o Estado revelou que um grupo de parlamentares avalia, nos bastidores, a possibilidade de apresentar uma Proposta de Emenda à Constituição (PEC) para permitir reeleições ao comando do Legislativo, sem qualquer limitação. Três ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) já foram consultados reservadamente e deram aval à iniciativa, sob o argumento de que se trata de uma questão interna do Parlamento. Atualmente, a Constituição proíbe que presidentes da Câmara e do Senado sejam reconduzidos ao cargo na mesma legislatura. Isso quer dizer que, em 2021, nem o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), nem o do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), poderão concorrer à reeleição, se essa regra - também contida no regimento das duas Casas - não for alterada.

*Com Estadão Conteúdo.

Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

No banco de reservas

Brasil deixa time das 10 maiores economias

O País deverá fechar o ano como a 12ª maior economia em termos de valor do PIB, ultrapassado por Canadá, Coreia do Sul e Rússia.

Mercado de capitais

CVM libera bancos para fazerem empréstimos “travestidos” de debêntures

Financiamento via debêntures conta com algumas vantagens em relação ao empréstimo tradicional, como a alíquota zero de IOF

Crise

Venda de veículos cai 16,7% e tem pior fevereiro em 3 anos, diz Fenabrave

Desde 2018, quando foram vendidos 156,9 mil veículos no segundo mês do ano, o setor não tinha um fevereiro tão fraco.

Mudanças

Governo estudará como zerar imposto sobre diesel de forma definitiva, diz Bolsonaro

O governo também vai cortar benefícios dados a pessoas com deficiência na aquisição de veículos e extinguir o Reiq, que concede incentivos para o setor.

calma, gente

XP considera exagerada reação do mercado à alta de impostos sobre bancos

Analistas ponderam impacto que alta do tributo terá no lucro e no valuation e mantêm recomendação de compra para Bradesco e BB

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies