Menu
2019-04-04T13:58:54-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Agora vai?

Bolsonaro diz que bate o martelo sobre reforma da Previdência nesta quinta-feira

Em entrevista, presidente disse se pudesse não faria reforma alguma, mas que é obrigado a fazê-la, se não o país quebrará

13 de fevereiro de 2019
22:47 - atualizado às 13:58
Jair Bolsonaro
Jair Bolsonaro - Imagem: Dida Sampaio/Estadão Conteúdo

O presidente Jair Bolsonaro vai “bater o martelo” sobre o desenho da reforma da Previdência nesta quinta-feira, após conversar com o restante de sua equipe. O presidente, que teve alta hoje após 18 dias internado, deu entrevista à “TV Record”.

O desenho final da reforma é o evento mais aguardado pelo mercado, que assim poderá fazer contas para descobrir se o modelo proposto tem capacidade de garantir sustentabilidade fiscal ao país, estabilizando e posteriormente reduzindo uma explosiva relação dívida/PIB.

Com o conhecimento do texto, também começam a ser feitos outros cálculos, muito menos objetivos, envolvendo a articulação política necessária para se garantir os votos na Câmara e no Senado.

Entre os investidores locais e externos a percepção é de um cenário binário. Ou a reforma passa e as coisas se arrumam, ou sem reformas rumamos para o abismo fiscal.

Na entrevista, Bolsonaro disse que não gostaria de fazer uma reforma da Previdência, mas ponderou que sem essa medida o Brasil quebraria nos próximos anos.

“Gostaria de não fazer reforma nenhuma da Previdência, mas sou obrigado a fazê-la, caso contrário o Brasil quebrará em 2022 ou 2023”, disse.

O presidente não confirmou que teria fechado posição com relação à idade mínima para aposentadoria. Ontem, circularam notícias de que ele teria decidido por 57 anos para mulheres e 62 anos para os homens.

“A grande dúvida na idade é se passariam para 62 anos ou 65 anos os homens e para a mulher para 57 ou 60 anos. Isso será decidido amanhã”, disse.

Sobre a transição, o presidente disse que ser for o 57/62, haverá transição, obviamente, “para ou outro lado também, mas seria até 2030, 2032 aproximadamente”.

Ainda de acordo com o presidente, o que for proposto para os militares será colocado para os policiais militares, bombeiros e policiais civis, mas essa proposta “chegará à Câmara em um segundo tempo”. Segundo o presidente “para nós”, não depende de emenda à Constituição, mas um simples projeto de lei.

Agenda oficial do ministro da Economia, Paulo Guedes, lista reunião com o presidente das 15 horas às 16h30. Hoje, o ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, não garantiu que a reforma da Previdência será apresentada já próxima semana.

O vice

Perguntado sobre a desenvoltura de Hamilton Mourão no breve período de interinidade, Bolsonaro disse que ele é um colega da Academia Militar das Agulhas Negras (Aman), mas que ele dá umas "escorregadas" no tocante à relação com a mídia. Mourão comentou todo e qualquer assunto que fosse perguntado no período que Bolsonaro esteve internado em São Paulo. "Temos um bom diálogo e pode ter certeza que Mourão estará cada vez mais preparado para me substituir."

O presidente também comentou as notícias de que o núcleo militar do governo preferia que Mourão assumisse a Presidência no seu lugar. Segundo Bolsonaro, isso não ocorreu. Ele também disse que esse tipo de notícia é como as que tentam colocar ele contra seus filhos.

Bolsonaro cumprimenta Mourão na sua chegada a Brasília. - Imagem: Marcos Corrêa/PR

Gustavo Bebianno

Perguntado sobre as denúncias de candidaturas laranjas de seu partido, o PSL, e sobre o possível envolvimento do ministro da Secretaria-Geral da Presidência, Gustavo Bebianno, Bolsonaro disse que determinou, por intermédio do ministro da Justiça, Sérgio Moro, que o caso seja investigado pela Polícia Federal. E quem estiver envolvido e for responsabilizado .

"Se tiver envolvido e, logicamente, for responsabilizado, o destino não pode ser outro a não ser voltar às suas origens”, disse.

O presidente reafirmou que não falou com Bebianno, como foi noticiado. Nesta quarta-feira, o filho Carlos Bolsonaro abriu um áudio do presidente com o ministro, para desmentir fala de Bebiano. A ação foi bastante criticada, pois trouxe para dentro do Palácio do Planalto uma crise que era, inicialmente, do PSL. A dúvida, agora, é se Bebianno manterá o cargo de ministro.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

Contas brasileiras em jogo

STF retoma julgamento sobre ICMS e PIS/Cofins; decisão pode ter impacto de R$ 258,3 bilhões para União

Os ministros já haviam declarado inconstitucional a cobrança de ICMS na base de cálculo do PIS/Cofins, mas o governo pede que a decisão não tenha efeito retroativo

São Jorge e o dragão inflacionário

A grande e ameaçadora besta da inflação começa a sair do seu sono profundo. Aos poucos, movimenta as asas e mexe sua cauda incendiária. Um vagaroso e temerário despertar. Nem de longe está cuspindo fogo — e quem viveu no Brasil nos anos 80 e 90 lembra bem do seu poder destrutivo. Mas mesmo o […]

FECHAMENTO

Dragão americano da inflação assombra ativos globais e resultado é bolsa, dólar e juros sob pressão; Ibovespa recua 2% e volta aos 119 mil pontos

A pressão inflacionária superou até mesmo o cenário político interno caótico nos holofotes do mercado e levou o principal índice brasileiro a amargar uma queda brusca

Primeiro encontro

Presidentes de Petrobras e BR se reúnem para tratar da saída da estatal da distribuidora

Os executivos, que assumiram os cargos há cerca de uma vez, discutirão a venda da participação de 37,5% que a Petrobras ainda detém na empresa

Trabalho em equipe?

Biden e oposição tentam acordo para aprovar pacote de infraestrutura

Um dos maiores pontos de divergência entre o presidente e líderes republicanos é o aumento de impostos para financiar a proposta

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies