Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2019-05-02T20:10:07-03:00
Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
Diretor de redação do Seu Dinheiro. Formado em jornalismo, com MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela FIA, trabalhou nas principais publicações de economia do país, como Valor Econômico, Agência Estado e Gazeta Mercantil. É autor dos romances O Roteirista, Abandonado e Os Jogadores
Balanço

Itaú sendo Itaú: lucro atinge R$ 6,877 bilhões e rentabilidade sobe para 23,6% no trimestre

Maior banco privado brasileiro tem resultado 7,1% maior do que no mesmo período de 2018, mas cresce menos no crédito que concorrentes e revisa projeções para o ano

2 de maio de 2019
19:58 - atualizado às 20:10
Itaú
Agência do Itaú na Avenida Paulista - Imagem: Wikimedia Commons

O Itaú Unibanco foi o último dos grandes bancos privados a divulgar o balanço, mas confirmou por mais um trimestre a posição de banco mais rentável entre os gigantes que atuam no varejo. O maior banco privado brasileiro registrou lucro líquido de R$ 6,877 bilhões, o que representa um crescimento de 7,1% em relação ao mesmo período do ano passado.

Apesar da alta, o resultado ficou dentro do esperado pelos analistas, que projetavam um lucro de R$ 6,828 bilhões, de acordo com dados da Bloomberg.

Mais do que o lucro, porém, o que chamou a atenção foi a rentabilidade. O Itaú entregou um retorno de 23,6% sobre o patrimônio nos três primeiros meses deste ano, uma alta de 1,4 ponto percentual na comparação com o primeiro trimestre de 2018.

O resultado coloca o banco bem à frente dos principais concorrentes privados: o Santander registrou uma rentabilidade de 21,1% no trimestre e o Bradesco, de 20,5%.

Mas vale dizer que o resultado do Itaú se beneficiou de uma queda de 7,9% nas despesas com imposto de renda e contribuição social, que foram de R$ 3,188 bilhões entre janeiro e março deste ano. Ou seja, o mercado pode pegar no pé e questionar o banco sobre a qualidade dos resultados.

Crédito sobe menos

Apesar do lucro e da rentabilidade serem vistosos, o Itaú avançou menos no crédito que os principais concorrentes.

O saldo de financiamentos atingiu R$ 647,061 bilhões em março, uma alta de 1,6% no trimestre e de 7,7% em 12 meses. O crescimento também ficou abaixo da projeção feita pelo Itaú para este ano, que varia entre 8% e 11%.

O Itaú avançou bem nas linhas para pessoas físicas e pequenas e médias empresas, cujo saldo aumentou 13,9% na comparação com março do ano passado. Só que esse avanço foi parcialmente compensado pela queda de 3,1% na carteira de grandes empresas.

O banco manteve a expectativa para o crédito em 2019, mas reduziu a projeção para o crescimento da margem financeira com clientes, que inclui as receitas com a concessão de financiamentos, para um intervalo de 9% a 12%. A estimativa anterior variava de 9,5% a 12,5%.

No primeiro trimestre, a margem com clientes foi de R$ 16,424 bilhões, aumento de 7,6% em relação aos três primeiros meses do ano passado.

O índice de inadimplência acima 90 dias na carteira do banco ficou em 3%, alta de 0,1 ponto percentual no trimestre, mas uma queda na comparação com os 3,1% de março do ano passado.

O custo do crédito, linha na qual o banco contabiliza as despesas de provisão para calotes, teve uma pequena alta de 0,4% em relação ao primeiro trimestre do ano passado e atingiu R$ 3,804 bilhões. A expectativa do Itaú é fechar o ano com uma despesa com crédito entre R$ 14,5 bilhões e R$ 17,5 bilhões.

Menos receita com tarifa

Outro dado que chamou a atenção, também pelo lado negativo, foi a receita com prestação de serviços e seguros, que cresceu apenas 1% na comparação com o primeiro trimestre de 2018, para R$ 10,228 bilhões.

Com isso, o Itaú também diminuiu a projeção para as receitas com tarifas no ano, de um aumento de 3% a 6% para uma expansão de 2% a 5%.

Para compensar esse efeito, o banco também cortou a expectativa para o aumento das despesas, de um intervalo de 5% a 8% para uma faixa entre 3% e 6%.

Nos primeiros três meses do ano, as despesas aumentaram 4,1% e somaram R$ 12,150 bilhões.

Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

Balanço do mês

Bitcoin, ouro e dólar se recuperam em julho, enquanto bolsa é um dos piores investimentos do mês

Fundos imobiliários também se saíram bem, depois que tributação dos seus rendimentos foi retirada da reforma do imposto de renda

próximos anos

Eletrobras aprova em conselho plano de negócios com desinvestimentos de R$ 41 milhões

Entre as medidas previstas está a avaliação de oportunidades para efetuar a gestão dos passivos provenientes de dívidas do Sistema Eletrobras

temporada de resultados

Lucro da Alpargatas, dona da marca Havaianas, cresce 228,7%, R$ 111 milhões

Receita líquida da companhia saltou 71,4% sobre igual intervalo de 2020, para R$ 1,095 bilhão, ao mesmo tempo em que os volumes registraram crescimento de 57%

seu dinheiro na sua noite

As corridas da bolsa e do dólar — e a frustração dos investidores na linha de chegada de julho

Nove em cada dez operadores do mercado financeiro juram, de pés juntos, que o último pregão do mês costuma ser positivo. Ora essas, é a data limite para o fechamento das lâminas de desempenho mensal dos fundos e das carteiras de investimento — e é claro que todo mundo quer estampar o melhor resultado possível. […]

decisão temporária

CVM suspende oferta de recebíveis que financiaria cooperativas do MST

Decisão da autarquia vale por 30 dias; CVM diz que a oferta não apresenta informações consideradas essenciais para os investidores

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies