Menu
2019-05-02T20:10:07-03:00
Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
Formado em jornalismo, com MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela FIA. Trabalhou por 18 anos nas principais redações do país, como Agência Estado/Broadcast, Gazeta Mercantil e Valor Econômico. É coautor do ensaio “Plínio Marcos, a crônica dos que não têm voz" (Boitempo) e escreveu os romances “O Roteirista” (Rocco), “Abandonado” (Geração) e "Os Jogadores" (Planeta).
Balanço

Itaú sendo Itaú: lucro atinge R$ 6,877 bilhões e rentabilidade sobe para 23,6% no trimestre

Maior banco privado brasileiro tem resultado 7,1% maior do que no mesmo período de 2018, mas cresce menos no crédito que concorrentes e revisa projeções para o ano

2 de maio de 2019
19:58 - atualizado às 20:10
Itaú
Agência do Itaú na Avenida Paulista - Imagem: Wikimedia Commons

O Itaú Unibanco foi o último dos grandes bancos privados a divulgar o balanço, mas confirmou por mais um trimestre a posição de banco mais rentável entre os gigantes que atuam no varejo. O maior banco privado brasileiro registrou lucro líquido de R$ 6,877 bilhões, o que representa um crescimento de 7,1% em relação ao mesmo período do ano passado.

Apesar da alta, o resultado ficou dentro do esperado pelos analistas, que projetavam um lucro de R$ 6,828 bilhões, de acordo com dados da Bloomberg.

Mais do que o lucro, porém, o que chamou a atenção foi a rentabilidade. O Itaú entregou um retorno de 23,6% sobre o patrimônio nos três primeiros meses deste ano, uma alta de 1,4 ponto percentual na comparação com o primeiro trimestre de 2018.

O resultado coloca o banco bem à frente dos principais concorrentes privados: o Santander registrou uma rentabilidade de 21,1% no trimestre e o Bradesco, de 20,5%.

Mas vale dizer que o resultado do Itaú se beneficiou de uma queda de 7,9% nas despesas com imposto de renda e contribuição social, que foram de R$ 3,188 bilhões entre janeiro e março deste ano. Ou seja, o mercado pode pegar no pé e questionar o banco sobre a qualidade dos resultados.

Crédito sobe menos

Apesar do lucro e da rentabilidade serem vistosos, o Itaú avançou menos no crédito que os principais concorrentes.

O saldo de financiamentos atingiu R$ 647,061 bilhões em março, uma alta de 1,6% no trimestre e de 7,7% em 12 meses. O crescimento também ficou abaixo da projeção feita pelo Itaú para este ano, que varia entre 8% e 11%.

O Itaú avançou bem nas linhas para pessoas físicas e pequenas e médias empresas, cujo saldo aumentou 13,9% na comparação com março do ano passado. Só que esse avanço foi parcialmente compensado pela queda de 3,1% na carteira de grandes empresas.

O banco manteve a expectativa para o crédito em 2019, mas reduziu a projeção para o crescimento da margem financeira com clientes, que inclui as receitas com a concessão de financiamentos, para um intervalo de 9% a 12%. A estimativa anterior variava de 9,5% a 12,5%.

No primeiro trimestre, a margem com clientes foi de R$ 16,424 bilhões, aumento de 7,6% em relação aos três primeiros meses do ano passado.

O índice de inadimplência acima 90 dias na carteira do banco ficou em 3%, alta de 0,1 ponto percentual no trimestre, mas uma queda na comparação com os 3,1% de março do ano passado.

O custo do crédito, linha na qual o banco contabiliza as despesas de provisão para calotes, teve uma pequena alta de 0,4% em relação ao primeiro trimestre do ano passado e atingiu R$ 3,804 bilhões. A expectativa do Itaú é fechar o ano com uma despesa com crédito entre R$ 14,5 bilhões e R$ 17,5 bilhões.

Menos receita com tarifa

Outro dado que chamou a atenção, também pelo lado negativo, foi a receita com prestação de serviços e seguros, que cresceu apenas 1% na comparação com o primeiro trimestre de 2018, para R$ 10,228 bilhões.

Com isso, o Itaú também diminuiu a projeção para as receitas com tarifas no ano, de um aumento de 3% a 6% para uma expansão de 2% a 5%.

Para compensar esse efeito, o banco também cortou a expectativa para o aumento das despesas, de um intervalo de 5% a 8% para uma faixa entre 3% e 6%.

Nos primeiros três meses do ano, as despesas aumentaram 4,1% e somaram R$ 12,150 bilhões.

Comentários
Leia também
OS MELHORES INVESTIMENTOS NA PRATELEIRA

Garimpei a Pi toda e encontrei ouro

Escolhi dois produtos de renda fixa para aplicar em curto prazo e dois para investimentos mais duradouros. Você vai ver na prática – e com a translucidez da matemática – como seu dinheiro pode render mais do que nas aplicações similares dos bancos tradicionais.

CCR: Alerj recomenda retomar concessão de rodovia, mas governo é contra

Assembleia quer retomada da rodovia para reduzir tarifas, consideradas altas devido a irregularidades no contrato de concessão

TRETA

Maia e Alcolumbre criticam Salles após atrito com Ramos

Presidente da Câmara diz que ministro do Meio Ambiente resolveu destruir o próprio governo

SE PROTEJA

Títulos de renda fixa atrelados ao IPCA viram opção

Alta da inflação em outubro faz investidores e gestores avaliarem novas formas de proteção de patrimônio

SELEÇÃO DE NOTÍCIAS

BDR, bitcoin, shopping: o melhor do Seu Dinheiro na semana

O fim de semana chegou com uma notícia bastante esperada pelos investidores: a volta do Ibovespa ao patamar de 100 mil pontos. O principal índice da B3 foi impulsionado esta semana por dois acontecimentos. O primeiro deles foi o alívio das preocupações em torno do risco fiscal brasileiro, com políticos e governo demonstrando compromisso com a manutenção do teto de gastos. Outro tema foi a esperança de aprovação de um pacote de estímulos […]

TRIBUTAÇÃO

É ilegal tributar doação fora do país, diz Toffoli

Ministro votou pela inconstitucionalidade da cobrança de ITCMD quando patrimônio herdado ou doado está no exterior

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies