Menu
2019-02-21T16:45:29-03:00
Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
Diretor de redação do Seu Dinheiro. Formado em jornalismo, com MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela FIA, trabalhou nas principais publicações de economia do país, como Valor Econômico, Agência Estado e Gazeta Mercantil. É autor dos romances O Roteirista, Abandonado e Os Jogadores
Renda variável

Empresas devem esperar Previdência para retomar ofertas de ações (IPOs) na bolsa, diz Anbima

Para a associação que representa as instituições que atuam no mercado de capitais, há um potencial para algo entre 20 e 30 operações, em um cenário de aprovação da reforma

21 de fevereiro de 2019
16:45
Loja da Centauro
Rede de varejo esportivo Centauro foi a primeira empresa a entrar com pedido para IPO neste ano - Imagem: Shutterstock

Se você acha que o mercado de ofertas públicas iniciais de ações (IPOs, na sigla em inglês) anda meio devagar neste começo de ano, não se trata apenas de impressão. A maior parte das empresas deve aguardar uma maior definição sobre a aprovação da reforma da Previdência antes de retomar os planos de captar recursos com a venda de suas ações a investidores.

A avaliação foi feita por executivos da Anbima, associação que representa as instituições que atuam no mercado de capitais, durante um almoço promovido hoje com a imprensa.

Enquanto a reforma da Previdência não sai, algumas empresas podem aproveitar alguma janela de oportunidade e tentar algo antes. Mas o grande salto só deve acontecer quando a aprovação da nova Previdência estiver consolidada, segundo Sergio Goldstein, presidente do comitê de finanças corporativas da Anbima e executivo do Itaú BBA.

"Já começamos a ver as empresas se movimentando e o pipeline [negócios em andamento] dos bancos é robusto, comparado com os bons anos do mercado", disse.

Apesar do bom momento vivido pela bolsa neste início de ano, apenas a rede de varejo esportivo Centauro entrou com pedido de registro de IPO até o momento.

Goldstein afirmou que é difícil estimar um número de ofertas que podem acontecer neste ano, mas disse que há um potencial para algo entre 20 e 30 operações, em um cenário de aprovação da Previdência.

Para o presidente da associação, Carlos Ambrósio, um passo importante para melhorar a regulação das ofertas públicas, incluindo IPOs, foi dado nesta semana pela Comissão de Valores Mobiliários (CVM).

A xerife do mercado de capitais soltou uma deliberação que permite às empresas pedir a confidencialidade do pedido de registro das operações e também a possibilidade de realização de ofertas no período imediatamente anterior à divulgação de balanços pelas companhias.

Renda fixa

Enquanto as ofertas de ações ainda patinam, o mercado de renda fixa privada tomou a dianteira nos últimos anos, e não deve ser diferente em 2019, de acordo com a Anbima.

As emissões de títulos de dívida como debêntures ganharam corpo com a redução da taxa básica de juros (Selic), que força os investidores a buscarem aplicações mais rentáveis, e a redução do tamanho do BNDES.

"Se pensarmos que o volume total de emissões foi de R$ 200 bilhões no ano passado, sendo R$ 40 bilhões em debêntures de infraestrutura, em relação ao total de crédito, ainda temos muito a avançar", afirmou José Eduardo Laloni, vice-presidente da Anbima.

Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

Ajuda na crise

Guedes revela o valor do novo auxílio emergencial e diz que governo pode gastar mais se necessário

Os valores da nova rodada de auxílio emergencial irão de R$ 175 a R$ 375, sendo R$ 250 em média, de acordo com o ministro

apetite chinês

O ano do boi será o ano dos frigoríficos, e o Credit Suisse aponta melhor ação para aproveitar o momento

Peste suína africana nos rebanhos de suínos chineses e demanda por alimentos devem resultar em importação recorde de carne pela China

prepara o bolso

Mais um? Petrobras anuncia novo aumento nos preços do diesel e da gasolina

Diesel vai subir R$ 0,15 por litro e a gasolina será de R$ 0,23 por litro a partir de amanhã nas refinarias da empresa, diz Abicom

Interrompendo o casamento

Movida reforça pedido do Cade para barrar união entre Unidas e Localiza

De acordo com a companhia, isso geraria uma concorrência desleal no setor, com a nova empresa tendo 65% do mercado brasileiro de aluguel e 29% do mercado de frotas

vai mexer

Após polêmica com demissão de Castello Branco, governo indica nomes para o conselho da Petrobras

Cinco membros do colegiado pediram para não serem reconduzidos após interferência de Bolsonaro no comando da estatal

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies