Menu
2019-12-03T19:01:53-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.

Mercado financia 34% do investimento no país. Maior fatia desde 2010

Operações como emissões de ações e debêntures somam R$ 282 bilhões entre janeiro e setembro e expectativa é de crescimento

3 de dezembro de 2019
19:01
mercadosecoam

Se reinventar com dinheiro privado é um dos lemas da equipe econômica do governo, que vem advogando um novo mix de política econômica, com política fiscal restrita, isso é menos participação do governo, e manutenção de juros baixos, algo que viabilizada a atividade privada e um crescimento do mercado financeiro e de capitais.

Levantamento feito pela Anbima, com base dos dados do Produto Interno Bruto (PIB) do terceiro trimestre, conta um pouco dessa história. Os recursos levantados pelas empresas no mercado de capitais, com emissões de ações e debêntures por exemplo, somaram R$ 282 bilhões entre janeiro e setembro, contra um investimento total de R$ 833,8 bilhões. Isso representa uma participação de 33,8%, maior leitura desde 2010 (quando o PIB subiu 7,5%), e uma firme recuperação depois dos 10,5% vistos em 2016.

A Anbima chama atenção para o crescimento desde 2017, ano que marcou a mudança na taxa de juros do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) nas operações subsidiadas.

“Ainda há um longo caminho a ser percorrido. A construção civil, por exemplo, está retomando suas atividades de forma mais sustentada, o que vai refletir em breve nos ativos com lastro neste segmento. O ideal é que a taxa de investimento cresça em maior ritmo nos próximos anos. Com esse novo mix de política econômica, certamente o mercado de capitais acompanhará a trajetória”, disse José Eduardo Laloni, vice-presidente da Anbima, em nota.

Ainda de acordo com a instituição, as debêntures são destaque em 2019. As emissões desse papel representam 15% dos investimentos do país, mantendo patamar atingido no ano anterior. As ações ainda têm participação menor, com 7% entre abertura de capital (IPOs) e operações de empresas já listadas (follow-ons).

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

Tem cupom pra isso?

Ações da Méliuz sobem após lançamento de plataforma de empréstimos online

A companhia, que desde 2019 oferece um cartão de crédito sem anuidade e com cashback, vem ampliando a gama de serviços financeiros

MERCADOS HOJE

Ibovespa ignora tensão em Brasília e busca romper marca histórica; dólar recua

Exterior positivo traz fôlego aos negócios locais, mas problemas em Brasília persistem

Exile on Wall Street

Bolsa não precisa de motivos para subir e os ganhos acontecerão – mesmo no pior cenário

Do fim de fevereiro até este meio de abril, o Ibovespa retomou os 120 mil pontos rapidamente, e sem qualquer utopia. Isso nos traz uma importante lição enquanto investidores agnósticos: a Bolsa não precisa de motivos para subir. Repita o mantra: não precisa de motivos para subir, não precisa de motivos… assim como você não […]

Taxa zero pra todo o lado

Easynvest zera taxa de corretagem para maioria das operações com ações, BDRs e opções

A corretora digital já não cobrava por investimentos em renda fixa e agora quer expandir essa ideia para ações, BDRs e opções do aplicativo

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies