🔴 ALGORITMO MOSTRA COMO BUSCAR ATÉ R$ 3 MIL POR DIA – CONHEÇA

Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
Diretor de redação do Seu Dinheiro. Formado em jornalismo, com MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela FIA, trabalhou nas principais publicações de economia do país, como Valor Econômico, Agência Estado e Gazeta Mercantil. É autor dos romances O Roteirista, Abandonado e Os Jogadores
Resgates

Fundos perdem a preferência do investidor pessoa física na crise

Enquanto a bolsa e até a poupança batem recordes, os fundos registraram resgates líquidos de R$ 27,5 bilhões de pessoas físicas no acumulado de 2020 até agosto, de acordo com dados da Anbima

Uma carteira de investimentos para qualquer cenário - de euforia ou tristeza nos mercados
Imagem: Shutterstock

No ano em que a bolsa registra a marca recorde de 3 milhões de pessoas físicas e até mesmo a velha caderneta de poupança alcançou R$ 1 trilhão em patrimônio líquido, os fundos de investimento parecem ter perdido parte da atratividade para o investidor.

No acumulado de 2020 até agosto, os fundos registraram resgates líquidos de R$ 27,5 bilhões do público formado por pessoas físicas. Os dados são da Anbima, associação que representa as instituições que atuam no mercado de capitais.

Os investidores de varejo sacaram R$ 39,6 bilhões dos fundos em 2020 e os endinheirados, do segmento private, resgataram R$ 2,3 bilhões nos oito primeiros meses do ano. O resultado só não foi pior porque houve uma captação de R$ 14,4 bilhões nos fundos por "conta e ordem", que engloba recursos de pessoas físicas.

Para efeito de comparação, no mesmo período de 2019, os fundos captaram um total de R$ 79,2 bilhões de investidores individuais, ainda segundo os dados da Anbima e considerando as três classes — varejo, private e conta e ordem.

O que aconteceu?

Eu perguntei a Carlos André, vice-presidente da Anbima, qual a explicação para a perda da preferência dos investidores pessoas físicas pelos fundos na comparação com outras modalidades de aplicação, como a poupança e o investimento direto em bolsa.

Para ele, é difícil ter uma percepção acurada do que houve. Mas a razão mais provável foi a necessidade das pessoas de resgatarem os recursos que estavam nos fundos no auge da crise do coronavírus.

“Com a pandemia, muitas pessoas precisaram de recursos para o dia a dia e tiveram de fazer uso das economias”, disse o vice-presidente da Anbima, durante uma entrevista coletiva por videoconferência realizada na manhã de hoje.

Para ele, essa realocação de recursos, seja para poupança ou mesmo para a conta corrente, representa uma parcela maior dos recursos que saíram dos fundos do que aqueles que foram diretamente para a bolsa nesse período de crise. André aponta ainda que os números mais recentes já mostram uma melhora na captação dos fundos em alguns segmentos.

Captação total

No geral, a indústria de fundos de investimento registrou uma entrada líquida de R$ 196,4 bilhões no acumulado do ano até setembro, queda de 15,7% em relação ao mesmo período de 2019.

O destaque do ano são os fundos multimercados, que acumulam uma captação líquida de R$ 81,1 bilhões, seguidos pelos de ações, com R$ 66,5 bilhões.

O principal responsável pelo resultado positivo é o poder público, que investiu R$ 88,7 bilhões em fundos no acumulado do ano — nesse caso os dados vão até agosto.

O vice-presidente da Anbima credita esse movimento ao repasse de recursos a Estados e municípios que são depositados em fundos enquanto o dinheiro não é efetivamente usado.

Mais investimento no exterior

A Anbima trabalha para ampliar a atuação dos fundos. E uma das frentes é flexibilizar o investimento dos gestores em ativos no exterior nas regras determinadas pela Comissão de Valores Mobiliários (CVM).

Atualmente, os fundos destinados ao público de varejo podem investir até 20% do patrimônio fora do país e os voltados a investidores qualificados (com mais de R$ 1 milhão em aplicações) têm limite de 40%. A associação quer o aumento desses limites para 40% e 60%, respectivamente.

A Anbima também defende que os fundos possam aplicar até 100% no mercado internacional, desde que os ativos da carteira sejam elegíveis para a emissão de BDRs — recibos de ações negociados na bolsa brasileira.

A ideia é obter isonomia dos fundos com a regra editada recentemente pela CVM que permite a qualquer investidor aplicar em BDRs.

A associação quer ainda que os fundos locais que aplicam em gestores no exterior também estejam disponíveis ao varejo — hoje eles estão restritos aos qualificados.

Essa norma impede, por exemplo, que o pequeno investidor tenha acesso a fundos de gestoras renomadas lá fora e que já estão disponíveis em plataformas e bancos no país, como a Bridgewater, de Ray Dalio, e a Oaktree, de Howard Marks.

Compartilhe

MERCADO FINANCEIRO

Itaú oferece 1.000 bolsas de treinamento para certificações no mercado financeiro; saiba como concorrer

22 de agosto de 2022 - 17:00

A iniciativa é voltada para negros e pardos e pessoas com deficiência que desejam ter as certificações CPA-10 e CPA-20, da Anbima; os aprovados e contratados pelo banco receberão reembolso do valor da prova

Em meio ao terremoto

Apesar dos resgates, fundos multimercados conseguem fechar o 1º semestre no azul; emissões de renda variável desabam 75% no período

7 de julho de 2022 - 18:10

Período difícil para ativos de risco beneficiou a renda fixa e levou investidores a fugirem de fundos de ações e multimercados

Balanço do ano

Mesmo com bolsa em queda, fundos de ações fecham 2021 com captação positiva; veja os fundos que se saíram melhor em retorno e captação no ano

6 de janeiro de 2022 - 17:42

Fundos de renda fixa foram os campeões de captação e rentabilidade, com migração de recursos da renda variável e alta dos juros

Radiocash

Selic em alta mais bolsa em baixa é igual à fuga para a renda fixa? Para presidente da Anbima, diversificação veio para ficar

30 de novembro de 2021 - 12:38

As alocações em renda variável podem até diminuir, mas Carlos Ambrósio não acredita que voltaremos para a realidade de ‘poupança, renda fixa e nada mais’

A carteira dos ricos

Volume de investimentos dos milionários cresce 8,8% no semestre; saiba onde eles aplicam

11 de agosto de 2021 - 14:19

O volume de investimentos do segmento private, que reúne os clientes milionários, alcançou R$ 1,76 trilhão, de acordo com dados da Anbima

De volta aos trilhos

Fundos de investimento têm captação líquida recorde no 1º semestre, no valor de R$ 206 bilhões

7 de julho de 2021 - 18:17

Desempenho da indústria de fundos no primeiro semestre de 2021 mostra que crise do coronavírus ficou para trás no setor; fundos de renda fixa e multimercados lideram a captação

Indústria em expansão

Brasil vive ‘boom’ de gestoras de recursos

15 de maio de 2021 - 14:25

De janeiro a março, Anbima registrou 27 novas gestoras

Diversificação

Ainda tímido, investimento no exterior ganha espaço nas carteiras dos fundos no 1º tri

9 de abril de 2021 - 14:00

Alta do dólar levou investimentos no exterior a crescerem 45% nas carteiras dos fundos até fevereiro; multimercados investimento no exterior tiveram, no trimestre, melhor retorno dos últimos dois anos

as escolhas de 2020

Brasileiro arriscou e diversificou mais os investimentos em 2020

4 de fevereiro de 2021 - 12:54

Poupança seguiu soberana no ano passado, mas ganhou impulso por causa do auxílio emergencial, segundo dados da Anbima

Pessoas físicas

Aplicações de pequenos investidores têm alta recorde no acumulado do ano

12 de novembro de 2020 - 14:57

Volume investido pelo segmento de varejo tradicional viu crescimento de quase 16% em 2020 até o final de setembro; valor aplicado pelas pessoas físicas chegou a R$ 1,12 trilhão

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar