Menu
2020-10-07T15:18:01-03:00
Julia Wiltgen
Julia Wiltgen
Jornalista formada pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) com pós-graduação em Finanças Corporativas e Investment Banking pela Fundação Instituto de Administração (FIA). Trabalhou com produção de reportagem na TV Globo e foi editora de finanças pessoais de Exame.com, na Editora Abril.
Até que não está tão mau

Apesar da pandemia, volume de ofertas de ações e número de IPOs apresentam crescimento em 2020

Nos três primeiros trimestres, volume de ofertas de ações cresceu 20% ante o mesmo período do ano passado; queda na captação de empresas se deu pelo lado da renda fixa

7 de outubro de 2020
15:17 - atualizado às 15:18
Ilustração relaciona IPO a casamento
Imagem: Pomb

O ano de 2020 até que não está tão ruim para o mercado de capitais, se considerarmos todos os desafios que a pandemia de coronavírus tem imposto às economias e às vidas das pessoas.

Segundo dados divulgados na manhã de hoje pela Anbima, a entidade que representa as empresas do mercado de capitais, o volume captado em ofertas de ações nos três primeiros trimestres de 2020 supera em 20,5% o volume do mesmo período do ano passado.

Foram captados R$ 69,2 bilhões em ofertas de ações até setembro, sendo R$ 13,8 bilhões em IPOs (ofertas públicas iniciais) e R$ 55,4 bilhões em follow-ons (ofertas subsequentes, feitas por empresas que já tinham ações negociadas em bolsa).

No mesmo período do ano passado, foram R$ 57,5 bilhões em ofertas, sendo apenas R$ 4,5 bilhões em IPOs e R$ 52,9 bilhões em follow-ons. Já em 2018, o volume total captado nos três primeiros trimestres foi de apenas R$ 9,2 bilhões.

"Os mercados surpreenderam positivamente em meio à pandemia", disse Sergio Goldstein, vice-presidente do Fórum de Mercado de Capitais e presidente da Comissão de Renda Fixa da Anbima, durante apresentação dos números à imprensa.

Maior parte das ofertas foi primária

E a natureza das ofertas é um bom sinal. Mais da metade (R$ 38,7 bilhões) das ofertas foi primária, isto é, os recursos captados foram para o caixa das empresas.

As ofertas secundárias, em que os recursos vão para o bolso dos acionistas da companhia, totalizaram R$ 30,5 bilhões, sendo que nesse bolo entram aquelas ofertas feitas, por exemplo, pelo BNDES, na sua política de desinvestimentos. Ou seja, não se trata simplesmente de um acionista "pulando fora" do negócio e se desfazendo das suas ações porque acha que elas já subiram o que tinham para subir.

No ano passado, por exemplo, essa relação foi invertida. As ofertas secundárias corresponderam a R$ 39,4 bilhões, enquanto as primárias responderam apenas por R$ 18,1 bilhões.

Os números trimestrais, inclusive, mostram a forte recuperação do mercado de ações brasileiro após a crise vista em março. No terceiro trimestre, foram captados R$ 32,4 bilhões, sendo R$ 25 bilhões em ofertas primárias, sendo que no segundo trimestre as ofertas totalizaram apenas R$ 5,7 bilhões, todas primárias. Em volume, o terceiro trimestre de 2020 foi quase tão bom quanto o de 2019.

Se considerados os 11 IPOs já realizados no ano, mais as sete aberturas de capital em andamento e as 48 que estão em análise na Comissão de Valores Mobiliários (CVM), o ano de 2020 já tem o maior número de IPOs desde o ano recorde de 2007, quando foram realizados mais de 60 IPOs.

Se todas essas ofertas vão sair do papel são outros quinhentos. De fato, apesar do alto volume emitido neste ano e da recuperação vista no terceiro trimestre, houve uma piora recente do mercado, o que deixa o desempenho do quarto trimestre mais incerto.

Nem tudo são flores

Mas se 2020 não foi tão ruim quanto poderia ter sido com a pandemia, também não foi tão bom quanto poderia ter sido sem ela. É possível sim ver nos números da Anbima o impacto negativo que a crise provocou nos mercados financeiros.

O total de emissões de volumes mobiliários nos três primeiros trimestres caiu mais de 20% ante o mesmo período do ano passado, e a "culpada" foi a renda fixa. Foram emitidos R$ 236,9 bilhões até setembro de 2020, contra R$ 301,6 bilhões até setembro de 2019.

O volume emitido de títulos de renda fixa e instrumentos híbridos no mercado doméstico (que incluem, por exemplo, fundos imobiliários e FIDCs) passou de R$ 244,1 bilhões nos três primeiros trimestres de 2019 para R$ 167,7 bilhões nos três primeiros trimestres de 2020, uma queda de 31,3%.

A maior queda se deu no mercado de debêntures (títulos de dívida de empresas), uma vez que o volume de emissões dos demais instrumentos ficou em linha com o ano passado. Foram captados apenas R$ 73,5 bilhões com debêntures até setembro de 2020, contra R$ 135,8 bilhões no mesmo período do ano passado e R$ 118,2 bilhões no mesmo período de 2018.

O perfil dos subscritores de debêntures também refletiu o apetite menor nesse mercado. No caso das debêntures tradicionais (sem incentivos tributários), mais de 80% dos subscritores foram intermediários e participantes ligados à oferta, como bancos e corretoras que, eventualmente, devem vender esses papéis para clientes.

A participação dos fundos de investimento nas subscrições caiu de 59,2% no ano passado para apenas 13,4%. No mercado de debêntures incentivadas, que financiam projetos de infraestrutura, ocorreu fenômeno semelhante. A participação de intermediários e participantes ligados à oferta entre os subscritores foi de 56,3%, ante 21,4% nos três primeiros trimestres do ano passado. Já a participação dos fundos caiu de 35,7% no ano passado para 22,9% neste ano.

Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

pandemia

Governo vai comprar vacina desenvolvida na China, diz Mourão

Vice-presidente disse que polêmica em torno da vacina desenvolvida pela farmacêutica chinesa Sinovac em parceria com o Instituto Butantan é “briga política” com Doria

DESTAQUE DO DIA

Suzano se descola do Ibovespa e sobe mais de 1% após resultados do 3º trimestre

Analistas destacam que Ebitda superou estimativas e elogiam fluxo de caixa livre e desalavancagem

sob pressão

Inflação e redução do auxílio emergencial já derrubam vendas nos supermercados

Em outubro, a prévia da inflação, medida pelo Índice de Preços ao Consumidor-15 (IPCA-15) atingiu 0,94%. O resultado é mais que o dobro da inflação registrada em setembro e a maior alta para o mês em 25 anos

efeito pandemia

Setor público tem déficit primário de R$ 64,559 bi em setembro, diz BC

Em função da pandemia, cujos efeitos econômicos se intensificaram em março, o governo federal e os governos regionais passaram a enfrentar um cenário de forte retração das receitas e aumento dos gastos públicos.

AINDA RUIM

Taxa de desemprego atinge 14,4% no trimestre até agosto, a maior desde 2012

País registrou 13,794 milhões de desempregados no período, aumento de 8,5%

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies