Menu
2020-05-05T17:04:49-03:00
Felipe Saturnino
Felipe Saturnino
Queda nas aplicações

Investidores locais têm perda de R$ 170 bilhões em março em meio à pandemia

A maior queda no volume financeiro dos investidores do varejo tradicional ocorreu nos fundos de investimento, passando de R$ 151,1 bilhões para R$ 143,4 bilhões

5 de maio de 2020
16:54 - atualizado às 17:04
Mercados juros bolsa coronavírus
Imagem: Shutterstock

O volume aplicado por investidores brasileiros em produtos financeiros teve queda de quase R$ 170 bilhões no mês de março, em meio aos efeitos do novo coronavírus, se comparado a fevereiro, informou a Anbima, em relatório.

A maior queda no volume financeiro dos investidores do varejo tradicional ocorreu nos fundos de investimento, passando de R$ 151,1 bilhões para R$ 143,4 bilhões. Também houve retração no volume para ações, que somavam R$ 11,8 bilhões em março e eram R$ 12,4 bilhões no mês anterior.

Percentualmente, no patrimônio líquido do varejo alta renda, a queda foi maior em ações. Aqui, o volume aplicado passou de R$ 68,8 bilhões, em fevereiro, para R$ 52,7 bilhões, em março.

"A redução em fundos foi a segunda maior – esses produtos foram de R$ 500,2 bilhões para R$ 454,9 bilhões, na mesma base de comparação", diz a Anbima.

O mesmo movimento foi observado também no patrimônio líquido dos investidores do private — os clientes com o mínimo de R$ 3 milhões aplicados em ativos financeiros.

Para essa categoria, o total aplicado em ações caiu de R$ 227,4 bilhões para R$ 164,5 bilhões.

"Na sequência, os fundos de investimento tiveram redução de R$ 670,6 bilhões para R$ 608,1 bilhões, e a previdência aberta foi de R$ 140,0 bilhões para R$ 134,5 bilhões, nos mesmos períodos", diz o relatório.

Distribuição na carteira

Dos produtos com maior patrimônio líquido, o CDB (Certificado de Depósito Bancário) teve o maior crescimento na carteira dos investidores do varejo em março. Ele correspondeu a 9,3% do estoque de aplicações no varejo tradicional, contra 8,9%, tanto em fevereiro deste ano como em dezembro de 2019.

Os certificados também foram 13,8% do estoque do segmento de alta renda, frente a 11,5% em fevereiro e 11,0% no consolidado de 2019.

Enquanto isso, fundos multimercados correspondem à maioria da carteira do private, com 33,6% do volume total.

No segmento, ações e ofundos de ações tiveram redução na participação do volume financeiro aplicado neste ano: foram 13,8% e 6,4% dos investimentos, respectivamente.

"As ações representavam 17,2% em fevereiro e 17,1% em dezembro de 2019, enquanto os fundos de ações eram responsáveis por 7,9% em fevereiro e 8,0% em 2019", diz o documento.

No total, investimentos dos brasileiros em produtos financeiros somaram R$ 3,09 trilhões ao final do primeiro trimestre deste ano. O segmento de varejo é responsável por R$ 1,89 trilhão, enquanto o private, por R$ 1,19 trilhão.

Os números eram maiores em fevereiro, quando o varejo detinha R$ 1,94 trilhão e o private, R$ 1,32 trilhão.

Comentários
Leia também
OS MELHORES INVESTIMENTOS NA PRATELEIRA

Garimpei a Pi toda e encontrei ouro

Escolhi dois produtos de renda fixa para aplicar em curto prazo e dois para investimentos mais duradouros. Você vai ver na prática – e com a translucidez da matemática – como seu dinheiro pode render mais do que nas aplicações similares dos bancos tradicionais.

NÚMEROS OFICIAIS

Brasil tem mais 263 mortes e 15.726 novos casos de covid-19

Desde o início da pandemia, o País acumula 5.409.854 casos confirmados de covid-19

em Minas Gerais

Notre Dame Intermédica compra Grupo Serpram por R$ 170 milhões

Aquisição marca avanço da empresa em Minas Gerais; mais cedo, companhia anunciou compra de outra empresa, no Sul do País

forte expansão

Unidas reporta lucro líquido de R$ 124 milhões, alta de 44,4% e melhor da história

Empresa registrou uma forte retomada no segmento de Terceirização de Frotas, que apresentou recordes de contratação

desinvestimentos

Compass apresenta proposta para adquirir participação da Petrobras na Gaspetro

Empresa, que chegou a desistir de abrir capital, não revelou valor pela fatia; processo é mais um desinvestimento da Petrobras, que desembarca de vez da companhia

Dinheiro na conta

Santander pagará R$ 1 bilhão em juros sobre capital próprio

O valor líquido por ação será de R$ 0,10859906709 por ON, com retenção de IR na fonte.

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies