Menu
2019-11-07T10:15:56-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Análise

IPCA reforça corte da Selic em dezembro, mas ilustra “cautela” do BC

Inflação é a menor em 20 anos, mas olhando com cuidado já é possível ver elementos que justificam postura mais cautelosa do BC

7 de novembro de 2019
10:15
Setas-abaixo-acima
Imagem: Shutterstock

A inflação medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) foi a menor em 20 anos em outubro, variação de 0,10%. Em 12 meses, estamos correndo abaixo do centro da meta de 2,75%, com leitura de 2,54%. Ainda assim, se olharmos com cuidado já é possível enxergar alguns elementos que levaram o Banco Central (BC) a falar em “cautela” com novos cortes da Selic.

De forma resumida, temos que a inflação baixa do mês decorreu, basicamente, da queda no preço da energia (mudança de bandeira tarifária). Outros componentes, notadamente serviços, que captam o momento do ciclo econômico, tiveram breve avanço. A tímida reação da atividade já estaria começando a chegar à inflação?

Antes que o leitor me xingue, não há nada que assuste ou aborte a sinalização de novo corte de meio ponto da Selic, feita pelo próprio BC, na reunião de dezembro do Comitê de Política Monetária (Copom). Mas o resultado ajuda a embasar a mensagem de cautela passada na última decisão do BC.

Voltando à ata da última reunião do Copom temos que “o atual estágio do ciclo econômico recomenda cautela em eventuais novos ajustes no grau de estímulo”.

O próprio BC explica o motivo. Estamos em águas nunca navegadas em termos de juros nominais (5%) e reais (ao redor de 1%). Ou como diz o BC: “faltam comparativos na história brasileira para o atual grau de estímulo”.

“Tendo em vista que a política monetária opera com defasagens sobre a economia, especialmente sobre o nível de preços, os fatores avaliados tendem a aumentar a incerteza sobre os canais de transmissão da política monetária”, diz o BC.

Não por acaso, essa preocupação passou a fazer parte do balanço de riscos, que lista os vetores que podem levar a inflação a ficar abaixo ou acima do esperado.

Essa incerteza de que como a formação de preço e a atividade vão reagir ao juro historicamente baixo, se contrapõe à fraqueza da atividade e a possibilidade de inércia inflacionária. A interação dessas duas forças, somadas à continuidade da agenda de reformas e cenário externo, é que ditarão até que ponto o BC segue cortando o juro.

A mediana do mercado está em 4,5%, mas os grandes bancos e outras casas firmam posição em 4%, avaliando que há espaço para redução e meio ponto em dezembro e mais dois ajustes de 0,25 ponto em fevereiro e março de 2020.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

Reverteu prejuízo

Vale termina 2020 com lucro de US$ 4,9 bilhões e aprova dividendos

Mineradora conseguiu reverter prejuízo do ano anterior e aprovou distribuição de dividendos, mas lucro trimestral veio abaixo do esperado pelo mercado

Risco fiscal

Efeito de fatiamento da PEC emergencial seria extremamente perverso, diz secretário do Tesouro

“Se for fatiado será pior para todos. Queremos dar o auxílio aos vulneráveis, mas também precisamos de um ambiente fiscalmente organizado para que a economia melhore”, disse Bruno Funchal

Nível pré-pandemia

Governo Central tem superávit de R$ 43,219 bilhões em janeiro

Após 11 meses consecutivos de rombos causados pelos gastos de enfrentamento à pandemia, contas do Governo Central voltam a ter superávit

Pagamentos e maquininhas

Lucro do PagSeguro soma R$ 430 mi no trimestre, maior da história da companhia

Entretanto, companhia com ações negociadas na Nasdaq teve queda no lucro em 2020

o melhor do seu dinheiro

Lá vem o Leão de novo…

Estamos naquela época do ano de novo: temporada de prestação de contas ao Leão! A Receita Federal acaba de divulgar as regras de preenchimento da declaração de imposto de renda 2021, que neste ano deverá ser entregue entre 1º de março e 30 de abril. Parece que foi ontem que estávamos fazendo o exercício cívico […]

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies