Menu
2019-11-07T10:15:56-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Análise

IPCA reforça corte da Selic em dezembro, mas ilustra “cautela” do BC

Inflação é a menor em 20 anos, mas olhando com cuidado já é possível ver elementos que justificam postura mais cautelosa do BC

7 de novembro de 2019
10:15
Setas-abaixo-acima
Imagem: Shutterstock

A inflação medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) foi a menor em 20 anos em outubro, variação de 0,10%. Em 12 meses, estamos correndo abaixo do centro da meta de 2,75%, com leitura de 2,54%. Ainda assim, se olharmos com cuidado já é possível enxergar alguns elementos que levaram o Banco Central (BC) a falar em “cautela” com novos cortes da Selic.

De forma resumida, temos que a inflação baixa do mês decorreu, basicamente, da queda no preço da energia (mudança de bandeira tarifária). Outros componentes, notadamente serviços, que captam o momento do ciclo econômico, tiveram breve avanço. A tímida reação da atividade já estaria começando a chegar à inflação?

Antes que o leitor me xingue, não há nada que assuste ou aborte a sinalização de novo corte de meio ponto da Selic, feita pelo próprio BC, na reunião de dezembro do Comitê de Política Monetária (Copom). Mas o resultado ajuda a embasar a mensagem de cautela passada na última decisão do BC.

Voltando à ata da última reunião do Copom temos que “o atual estágio do ciclo econômico recomenda cautela em eventuais novos ajustes no grau de estímulo”.

O próprio BC explica o motivo. Estamos em águas nunca navegadas em termos de juros nominais (5%) e reais (ao redor de 1%). Ou como diz o BC: “faltam comparativos na história brasileira para o atual grau de estímulo”.

“Tendo em vista que a política monetária opera com defasagens sobre a economia, especialmente sobre o nível de preços, os fatores avaliados tendem a aumentar a incerteza sobre os canais de transmissão da política monetária”, diz o BC.

Não por acaso, essa preocupação passou a fazer parte do balanço de riscos, que lista os vetores que podem levar a inflação a ficar abaixo ou acima do esperado.

Essa incerteza de que como a formação de preço e a atividade vão reagir ao juro historicamente baixo, se contrapõe à fraqueza da atividade e a possibilidade de inércia inflacionária. A interação dessas duas forças, somadas à continuidade da agenda de reformas e cenário externo, é que ditarão até que ponto o BC segue cortando o juro.

A mediana do mercado está em 4,5%, mas os grandes bancos e outras casas firmam posição em 4%, avaliando que há espaço para redução e meio ponto em dezembro e mais dois ajustes de 0,25 ponto em fevereiro e março de 2020.

Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

Ainda falta chão...

Reforma administrativa dá mais um passo na Câmara dos Deputados

O relator leu hoje seu parecer pela constitucionalidade da proposta na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ); votação deve ocorrer a partir do dia 20

Novo momento

Fertilizantes Heringer registra prejuízo líquido de R$ 7,46 milhões no 1º tri

Empresa teve melhor Ebitda da história para um primeiro trimestre, mas resultado foi impactado por despesas financeiras

na b3

GetNinjas estreia em queda na bolsa, após IPO com ação abaixo do previsto

Empresa levantou R$ 550 milhões na oferta inicial de ações, com desconto de quase 20% do valor do papel em relação ao preço mínimo da faixa

Diversificando

BTG Pactual lança fundo de investimento 100% em bitcoin

O lançamento vem em linha com a diversificação de ativos oferecidos pelo banco

Exile on Wall Street

Um investidor conservador sabe que uma boa ação tem seus defeitos

“Sou reacionário. Minha reação é contra tudo que não presta.” Se o sábado é uma ilusão, a segunda-feira deve ser a mais dura e fria realidade. Começamos a semana com Nelson Rodrigues. O conservador é um cético na capacidade de grandes revoluções oferecerem um futuro não testado que seja superior ao que sobreviveu ao teste […]

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies