Menu
2019-11-21T13:24:39-03:00
olho nos indicadores

Inflação de outubro foi menor para mais pobres e maior para ricos, diz Ipea

Para os mais pobres, indicador do Ipea mostra inflação de 0,01%, para o segundo grupo a alta chegou a 0,17%

21 de novembro de 2019
13:24
Calculadora com sinal de porcentagem representando juros
Imagem: Shutterstock

O recuo nos preços dos alimentos consumidos no domicílio e na tarifa de energia elétrica aliviou a inflação percebida pelos brasileiros mais pobres em outubro, segundo o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea). O Indicador Ipea de Inflação por Faixa de Renda mostra que as famílias com renda mais baixa sentiram uma inflação de 0,01% em outubro. No mesmo período, o custo de vida aumentou 0,17% para as famílias de renda mais elevada.

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) ficou em 0,10% em outubro.

"Além da leve retração de 0,03% dos preços dos alimentos no domicílio, a queda de 3,2% das tarifas de energia elétrica foram os dois principais pontos de alívio sobre a inflação dos mais pobres, em outubro, atenuando inclusive as altas de 0,19% da alimentação fora do domicílio, de 0,63% dos itens de vestuário e de 0,9% dos produtos de higiene pessoal", justificou a técnica do Ipea Maria Andréia Parente Lameiras, na Carta de Conjuntura que trata do indicador.


No caso das famílias mais ricas, pesou no orçamento de outubro a elevação nos gastos com transportes.

"Assim como ocorrido nos segmentos de renda mais baixa, a queda no preço da energia também contribuiu favoravelmente para aliviar a inflação dos mais ricos; no entanto, os reajustes de 1,4% dos combustíveis e de 1,9% das passagens aéreas geraram uma forte pressão sobre o grupo transportes, que sozinho, contribuiu com 0,11 ponto porcentual para a taxa inflacionária total da classe de renda alta", completou a pesquisadora.

O indicador do Ipea separa por seis faixas de renda familiar as variações de preços medidas pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), apurado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Os grupos vão desde uma renda familiar de até R$ 1.638,70 por mês, no caso da faixa com renda muito baixa, até uma renda mensal familiar acima de R$ 16.391,58, no caso da renda mais alta.

A taxa de inflação das famílias de renda mais baixa acumulada em 12 meses até outubro de 2019 ficou em 2,67%, ainda mais elevada que a da faixa de consumidores mais ricos, de 2,58% no período. O IPCA acumulado em 12 meses até outubro de 2019 foi de 2,54%.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

balanço do ano

Queda de juros e crise empurram brasileiro para aplicações no exterior

Dados do Banco Central mostram forte crescimento de aplicação de recursos em fundos e em ações em outros países desde o início do ano

Carona na "Villa XP"

Ações da JHSF sobem forte com acordo para desenvolver nova sede da XP Investimentos

Acordo entre as empresas prevê a venda de um terreno de 500 mil m2 da JHSF no Parque Catarina, no mesmo complexo onde a incorporadora desenvolve um aeroporto

Diretor do BC

Em cenário alternativo, inflação de 2021 se aproxima mais da meta, diz Kanczuk

Segundo Kanczuk, o cenário em que a demanda não cai tanto tem peso maior no balanço de riscos, gerando essa assimetria, citada no comunicado do Copom de junho

zerada desde abril

Governo estende até outubro isenção do IOF sobre operações de crédito

Alíquota do tributo tinha sido zerada em abril para amenizar os efeitos da pandemia do novo coronavírus

ainda abaixo de 50

PMI Composto sobe para 40,8 pontos em junho, diz IHS Markit

Apesar dos avanços, houve indicações contrastantes no setor privado como um todo, diz relatório

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements