Menu
2019-11-21T13:24:39-03:00
Estadão Conteúdo
olho nos indicadores

Inflação de outubro foi menor para mais pobres e maior para ricos, diz Ipea

Para os mais pobres, indicador do Ipea mostra inflação de 0,01%, para o segundo grupo a alta chegou a 0,17%

21 de novembro de 2019
13:24
Calculadora com sinal de porcentagem representando juros
Imagem: Shutterstock

O recuo nos preços dos alimentos consumidos no domicílio e na tarifa de energia elétrica aliviou a inflação percebida pelos brasileiros mais pobres em outubro, segundo o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea). O Indicador Ipea de Inflação por Faixa de Renda mostra que as famílias com renda mais baixa sentiram uma inflação de 0,01% em outubro. No mesmo período, o custo de vida aumentou 0,17% para as famílias de renda mais elevada.

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) ficou em 0,10% em outubro.

"Além da leve retração de 0,03% dos preços dos alimentos no domicílio, a queda de 3,2% das tarifas de energia elétrica foram os dois principais pontos de alívio sobre a inflação dos mais pobres, em outubro, atenuando inclusive as altas de 0,19% da alimentação fora do domicílio, de 0,63% dos itens de vestuário e de 0,9% dos produtos de higiene pessoal", justificou a técnica do Ipea Maria Andréia Parente Lameiras, na Carta de Conjuntura que trata do indicador.


No caso das famílias mais ricas, pesou no orçamento de outubro a elevação nos gastos com transportes.

"Assim como ocorrido nos segmentos de renda mais baixa, a queda no preço da energia também contribuiu favoravelmente para aliviar a inflação dos mais ricos; no entanto, os reajustes de 1,4% dos combustíveis e de 1,9% das passagens aéreas geraram uma forte pressão sobre o grupo transportes, que sozinho, contribuiu com 0,11 ponto porcentual para a taxa inflacionária total da classe de renda alta", completou a pesquisadora.

O indicador do Ipea separa por seis faixas de renda familiar as variações de preços medidas pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), apurado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Os grupos vão desde uma renda familiar de até R$ 1.638,70 por mês, no caso da faixa com renda muito baixa, até uma renda mensal familiar acima de R$ 16.391,58, no caso da renda mais alta.

A taxa de inflação das famílias de renda mais baixa acumulada em 12 meses até outubro de 2019 ficou em 2,67%, ainda mais elevada que a da faixa de consumidores mais ricos, de 2,58% no período. O IPCA acumulado em 12 meses até outubro de 2019 foi de 2,54%.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

O melhor do seu dinheiro

O preço do diesel e o cobertor curto

Na briga do presidente Jair Bolsonaro para tentar baixar o preço dos combustíveis e do gás de cozinha no país, não foi só a Petrobras que apanhou. Pode ser que sobre também para os bancos. E na bolsa, as ações das instituições financeiras já sofreram um bocado nesta segunda-feira por causa disso. Tudo ia bem […]

FECHAMENTO

Brasília força Ibovespa a pisar no freio e bolsa quase zera ganhos após avançar mais de 2%; dólar fica estável

No exterior, as bolsas tiveram dias de ganho expressivo, com os mercados repercutindo de forma positiva a aprovação do pacote de estímulos americano e uma nova opção de vacina

Proposta na mesa

Aumento de tributação aos bancos está sendo discutido para compensar a desoneração do diesel

A lógica proposta seria da CSLL subir para compor a compensação dos tributos com o intuito de zerar a tributação do diesel e do gás de cozinha, tendo um custo total de quase R$ 3,6 bilhões.

Concentrado

Foco de Biden é a aprovação do pacote de US$ 1,9 trilhão, diz Casa Branca

O texto foi avalizado pela Câmara dos Representantes no fim de semana e ainda precisa ser analisado pelo Senado.

Casamento do ano?

Fusão de Hapvida e Intermédica deve revolucionar setor de saúde, apontam analistas; ações sobem mais de 5%

Para analistas, união das companhias não deve encontrar grandes dificuldades para conseguir aprovação do Cade, com o ponto mais crítico sendo, possivelmente, Minas Gerais, onde ambas concentram 16% do mercado

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies