Menu
2019-09-09T17:27:54-03:00
Cadê a infraestrutura?

País está há 30 anos sem projeto claro de desenvolvimento, diz Abdib

Venilton Tadini afirma que a indústria respira e sofre com o que vem acontecendo com o investimento recente na área de infraestrutura no Brasil

9 de setembro de 2019
17:27
Produção industrial
Imagem: José Patricio/Estadão Conteúdo

O presidente da Associação Brasileira da Infraestrutura e da Indústria de Base (Abdib), Venilton Tadini, disse nesta segunda-feira, 9, que a indústria respira e sofre com o que vem acontecendo com o investimento recente na área de infraestrutura no Brasil. A seu juízo, são dois os pontos vistos como causas de natureza estrutural da tendência à estagnação secular no País.

"O primeiro é que nós estamos praticamente há 30 anos sem um projeto de desenvolvimento claro", disse o executivo, para quem houve três ciclos onde houve essa articulação que foi nos governos Vargas, Juscelino e depois, numa parte expressiva, no governo militar.

"A partir do momento de crise cambial e hiperinflação, as tentativas de estabilização nos deixaram míopes em relação às estratégias de desenvolvimento que o País deveria seguir", disse Tadini.

Ele participou pela manhã da abertura do 16º Fórum de Economia que a Fundação Getúlio Vargas (FGV) realiza em São Paulo.

Para ele, o Brasil que chegou a disputar no século passado níveis de produtividades com a Coreia com intervenção do Estado vê esta intervenção sendo demonizada por causa de alguns instrumentos usados equivocadamente num passado recente. Portanto, de acordo com ele, a questão do planejamento econômico de médio e longo prazo é extremamente fundamental.

"É difícil dizer de que infraestrutura você precisa quando você só cresce a reboque da demanda. E a infraestrutura é indutora do processo de desenvolvimento. É uma coisa absolutamente inconcebível você fazer investimento de infraestrutura para romper gargalo. Fazemos isso porque somos agredidos pelos fatos por não termos clareza da estratégia de desenvolvimento a seguir", criticou o presidente da Abdib.

No período recente, de acordo com ele, isso fica mais agudo com o fato de se esquecer políticas verticais e achar que só políticas horizontais vão resolver os problemas com segurança jurídica. "Não vai resolver. Nós já vimos num passado recente que a taxa de juro caiu e o investimento não subiu. Fica difícil aqueles que têm uma formação mais clássica entenderem esse fenômeno", disse.

O segundo ponto, de acordo com Tadini, é que o déficit primário é elevado e, no entanto, a inflação está abaixo do centro da meta.

"Então tem alguma coisa de errado. Nós temos trabalhado sistematicamente essa falta de planejamento sem um programa articulado entre infraestrutura e indústria. Infraestrutura é fator de competitividade e não um fim em si mesma. Eu ouço falar em infraestrutura como um fim em si mesma e isso não é verdade", comentou.

No entanto, segundo o presidente da Abdib, é preciso que se fale de que infraestrutura se precisa a partir do momento em que se define a estrutura de circulação de mercadorias que se quer.

"Se eu quero ser um País que trata de minério de ferro ou do agronegócio, eu vou por esse caminho porque vou encontrar rapidamente em cada ciclo internacional de queda de preço de commodities uma queda da nossa renda interna, uma dificuldade para retomada e manutenção do crescimento sustentável", disse.

Para Tadini, os produtos de maiores valores agregados não são pensados na estrutura de cadeias produtivas. Segundo ele, o Brasil não tem uma inserção pensada nos mercados internacionais e muito menos uma articulação mais adequada com os países vizinhos seja em infraestrutura, seja em termos de transportes e energia, seja do ponto de vista de mercadorias.

É preciso, segundo o executivo, retomar a capacidade de planejamento. Hoje, de acordo com ele, o que se vê é que nos projetos que estão sendo estruturados a capacidade de estruturação melhorou muito. Mas os investimentos não crescem mais porque simplesmente não tem projetos.

"Nós eliminamos um backlog que existia a partir do momento que se conseguiu dar vazão, depois da criação do PPI Programa de Parcerias de Investimentos com estruturas mais adequadas de investimentos", disse.

Política 'pró-cíclica'

O presidente da Abdib criticou ainda o que chamou de "capacidade do Brasil ter se especializado em fazer sempre política pró-cíclica".

"Nós fizemos isso num passado recente e demonizamos todas as políticas públicas que cairiam em descrédito agora que precisamos acionar mecanismo de Estado para sairmos da crise", disse.

Segundo ele, há quem ache que só mexer em estrutura de oferta, com aumento da produtividade, e melhora das instituições de segurança jurídica é "fantástico".

Ou seja, ao mesmo tempo em que se pede a saída do Estado, pede mais segurança jurídica. "Não existe capitalismo sem Estado e a gente houve esse tipo de coisa recorrentemente", disse.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

Alívio

Ibovespa abre em alta e dólar cai a R$ 4,17, acompanhando o otimismo no exterior

A força demonstrada pelo varejo e pela indústria da China em dezembro neutraliza as preocupações com o PIB mais fraco do país. Como resultado, o Ibovespa e as bolsas globais sobem

fase 1 do acordo

Trégua comercial da China com EUA deve garantir superávit em conta corrente

Nos primeiros três trimestres de 2019, a China acumulou superávit em conta corrente de US$ 137,4 bilhões, equivalente a 1,3% de seu Produto Interno Bruto (PIB)

Títulos públicos

Veja os preços e as taxas do Tesouro Direto nesta sexta-feira

Confira os preços e taxas de todos os títulos públicos disponíveis para compra e resgate

lupa sobre os números

Superávit da balança comercial brasileira recua em 2019

Superávit diminuiu de US$ 58 bilhões em 2018 para US$ 46,7 bilhões, segundo dados da FGV

tudo que vai mexer com seu dinheiro hoje

14 notícias para você começar o dia bem informado

Hoje eu destaco a reportagem da Julia Wiltgen, que conversou com os gestores do fundo multimercado de maior rentabilidade em 2019.  Lá fora, as bolsas americanas tiveram novo recorde. Entre as empresas, destaque para a dona do Google, que virou um negócio trilionário, e a Bombardier, que teve o pior pregão da sua história na […]

para ficar atento

MP vê ‘brecha’ de dados do Cadastro Positivo

MP do Distrito Federal instaurou inquérito sobre uma possível vulnerabilidade de dados causada pelo birô de crédito do Boa Vista

defesa da categoria

‘Frete é paliativo; pauta é redução do preço do diesel’, diz presidente de associação

Para Associação Brasileira dos Condutores de Veículos Automotores, caminhoneiros precisam estar sob o mesmo guarda-chuva, com alíquotas iguais

No radar dos criminosos

Em alta, carne e até boi vivo são alvo do crime organizado

Com o aumento das exportações para a China, a oferta de carne no Brasil diminuiu e os preços subiram. A alta acumulada em 2019 foi de 32,4%

histórico

Dona do Google chega a US$ 1 trilhão em valor de mercado

Empresa se tornou a quarta companhia do mundo a atingir a marca, ao lado de Apple, Amazon e Microsoft

O que mexe com os mercados?

Crescimento da China desacelera, mas preocupação é o dólar

PIB chinês apresenta menor ritmo de crescimento em 29 anos, mas npumeros do varejo e indústria surpreendem. No Brasil, o mercado procura pistas do que deve acontecer com a Selic

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements