Menu
2019-10-14T10:44:11-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
marcha lenta

Atividade cresce menos que o previsto em agosto

Índice de Atividade do Banco Central, IBC-Br, sobe 0,07% em agosto. Atividade claudicante e inflação rastejando abaixo das metas reforça cenário de corte da Selic

14 de outubro de 2019
9:35 - atualizado às 10:44
Setas-abaixo-acima
Imagem: Shutterstock

Depois de breve retração em julho, a economia tem breve reação em agosto na métrica do Banco Central (BC). Mas nada que empolgue ou tenha impacto sobre as expectativas do mercado de que há espaço para novos cortes na Selic.

O Índice de Atividade Econômica do Banco Central, o IBC-Br, apontou alta de 0,07% na comparação com julho, que teve o dado revisado de queda de 0,16% para 0,07%. As estimativas estavam ao redor de 0,2%. Em função das constantes revisões, a leitura em 12 meses é mais estável e mostra crescimento de 0,87%. No ano até agosto, o IBC-Br tem variação positiva de 0,66%. Sobre agosto do ano passado, há retração de 0,73%.

Atividade claudicante e inflação rastejando abaixo das metas leva o mercado a uma corrida para ver quem projeta a Selic mais baixa. A mediana do mercado, captada pelo Focus, está em 4,75%, mas já temos casas de análise trabalhando com juro em 4%. Mais relevante que isso, é a avaliação de que esse juro de 4,75% pode perdurar por todo o ano de 2020.

Juro baixo, com inflação nas metas é um cenário a se comemorar, mas que vai exigir cada vez mais dedicação dos investidores para rentabilizar seus recursos. Deixo umas dicas de leitura sobre investimentos com Selic nesses patamares. Há dicas para investidores conservadores e para os de perfil mais arrojado. Também deixo como sugestão o nosso e-book sobre investimentos em bolsa de valores.

Em termos reais, descontando a inflação, o juro está na casa de 1% e o mercado estima que o custo do dinheiro oscile ao redor disso até o fim de 2020. Ajuste dos juros, ou uma normalização da política monetária, apenas em 2021 com Selic de 6,5% e inflação na meta de 3,75%. Só para dar um parâmetro, quando o BC começou a reduzir a Selic de 14,25% em outubro de 2016, o juro real estava ao redor de 7%.

Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

O melhor do Seu Dinheiro

Do zero aos 50 milhões (e contando)

Eu não faço a menor ideia de quais aplicativos você tem instalados no seu celular. Mas me arriscaria a dizer que um deles é o do PicPay. Se por acaso eu acertei o palpite, não foi por nenhuma força sobrenatural, mas por uma mera questão estatística. Afinal, a carteira digital criada em 2012 por três […]

Avanço da pandemia

Brasil registra 13,5 milhões de casos de covid-19 e 354,6 mil óbitos

Número de recuperados é de quase 12 milhões – 88,5% do total

Esquenta dos Mercados

Orçamento e CPI da Covid seguem no radar do investidor, com inflação dos EUA à caminho

O noticiário de Brasília segue o mesmo, enquanto os indicadores econômicos devem chacoalhar o mercado

nova retomada

BR Malls e Aliansce Sonae reabrem alguns shopping centers

Empresas retomam operações de unidades em locais em que houve flexibilização das medida de combate à covid-19

SOB NOVA DIREÇÃO

Em assembleia tensa, acionistas da Petrobras destituem Castello Branco

Minoritários chegaram a indicar quatro candidatos, mas mudaram de ideia e retiraram duas candidaturas, diante da falta de votos

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies