Menu
2019-08-09T14:53:33+00:00
Julia Wiltgen
Julia Wiltgen
Jornalista formada pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) com pós-graduação em Finanças Corporativas e Investment Banking pela Fundação Instituto de Administração (FIA). Trabalhou com produção de reportagem na TV Globo e foi editora de finanças pessoais de Exame.com, na Editora Abril.
Sugestão de carteira

Sou conservador e assim vou continuar! Onde devo investir com a Selic tão baixa?

Com os juros tão baixos, como permanecer conservador? Conversei com especialistas que sugeriram carteiras de investimentos para quem não quer correr (muito) risco de bolsa

7 de agosto de 2019
5:30 - atualizado às 14:53
Dinheiro protegido por uma redoma de vidro
Imagem: Shutterstock

Na semana passada, o Comitê de Política Monetária do Banco Central (Copom) baixou a taxa básica de juros de 6,50% a 6,00% ao ano, menor Selic da história.

Conforme eu mostrei nesta outra matéria, juros nesse patamar sacrificam as aplicações de renda fixa conservadora, cujas rentabilidades são atreladas à Selic ou ao CDI, taxa de juros que costuma seguir a taxa básica de perto.

É nesses investimentos pós-fixados que devemos aplicar nossa reserva de emergência. Mas os investidores conservadores costumam investir todo o seu patrimônio nesses ativos de baixo risco.

Nesta outra matéria, eu falei sobre o que o investidor ainda pode fazer para melhorar sua rentabilidade caso tenha deixado de ganhar com a queda da Selic ou não tenha se preparado para essa nova era de juro baixo.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

Mas algumas dicas dessa lista exigem que o investidor tome mais risco. Ativos como ações, fundos imobiliários, imóveis e títulos de renda fixa privada com maior risco de crédito surgem como as alternativas mais atrativas neste cenário.

Só que nem todo investidor pode ou quer se expor à volatilidade da bolsa, e nós aqui no Seu Dinheiro entendemos isso. Muitos são conservadores e continuarão a ser, ainda que os juros estejam no chão.

Alguns não toleram ver retorno negativo, mesmo que momentaneamente, por questões emocionais; outros têm renda inconstante e difícil de prever, como é o caso daqueles que são autônomos ou free lancers; outros, ainda, têm idade avançada e já estão usufruindo (ou prestes a usufruir) do patrimônio que acumularam durante a vida, devendo focar em preservá-lo.

Mas então o que resta a esses investidores? Eles deverão se contentar em simplesmente reduzir seus gastos mensais e os custos das suas aplicações?

Não necessariamente. Eu conversei com quatro especialistas de instituições financeiras diferentes que sugeriram carteiras de investimento conservadoras para esse cenário de Selic a 6% ao ano.

Modalmais

A Modalmais espera novo corte de 0,5 ponto percentual na Selic ainda neste ano. Ou seja, espera que o ano termine com a Selic em 5,5% ao ano, embora não descarte a possibilidade de queda para 5,25% ou mesmo 5% ainda em 2019 ou início de 2020.

Carteira do investidor conservador sugerida pelo head da plataforma de investimentos, Ronaldo Guimarães:

Carteira conservadora Modalmais Selic a 6%

A maior parte da carteira deve permanecer aplicada em renda fixa, sendo dividida entre aplicações conservadoras com rentabilidade atrelada ao CDI e fundos de debêntures incentivadas, títulos emitidos por empresas para financiar projetos de infraestrutura e isentos de imposto de renda para a pessoa física.

TAG Investimentos

Para a TAG, juros podem cair mais e ficar num patamar baixo por um período prolongado de tempo.

Carteira do investidor conservador sugerida pelo sócio gestor Marco Bismarchi:

Composição mínima da carteira conservadora da TAG Investimentos com Selic a 6%

Composição máxima da carteira conservadora da TAG Investimentos com Selic a 6%

A TAG Investimentos sugere faixas de percentuais para a composição da sua carteira conservadora. Por exemplo, o investidor pode destinar de 5% a 10% a fundos de ações, 10% a 15% a multimercados, 5% a 10% a títulos públicos atrelados à inflação, 5% a 10% a fundos de crédito privado, e o restante a renda fixa conservadora atrelada ao CDI e com liquidez diária.

Segundo Marco Bismarchi, o sócio gestor da TAG com quem eu conversei, a alocação em renda variável deve ser distribuída tanto por fundos de ações long only (tradicionais, que basicamente só atuam comprados em ações) quanto fundos de ações long biased (que fazem operações de proteção para ganhar tanto na alta quanto na baixa).

Já a parcela destinada aos multimercados deve ser distribuída entre fundos macro e fundos de outras classificações, com long & short, quantitativos e com investimento no exterior.

Entre os títulos atrelados à inflação (Tesouro IPCA+), destacam-se os papéis de longo prazo, que ainda estão pagando taxas prefixadas de 3,5% ou mais. Finalmente, os fundos de crédito privado podem investir em títulos high yield (títulos de dívida de maior risco), desde que estes contem com garantias robustas.

Azimut Brasil Wealth Management

Para a Azimut, as NTN-B até tem o que valorizar ainda. Mas, para o investidor conservador, a melhor alternativa para ganhar um “a mais” seriam as debêntures incentivadas e fundos de debêntures incentivadas.

Carteira do investidor conservador sugerida pelo responsável pela área de gestão de investimentos, Alexandre Hishi

Carteira conservadora da Azimut Brasil com Selic em 6%

Para a Azimut, a carteira conservadora não precisa conter fundos de ações, mas é interessante ter um certo percentual de fundos multimercados com baixa volatilidade e alguma exposição a ações. O restante deve ser alocado em renda fixa, o que deve incluir aplicações conservadoras atreladas ao CDI, Letras de Crédito Imobiliário (LCI), Letras de Crédito do Agronegócio (LCA), Tesouro IPCA+ (NTN-B) e fundos de debêntures incentivadas.

Itaú Unibanco

Para o Itaú, a Selic permanecerá baixa pelo menos até o fim de 2020 e, se subir, será só lá para o fim de 2021. “E, mesmo assim, não para níveis como tínhamos antes”, disse Martin Iglesias, especialista em investimentos do Itaú Unibanco.

O Itaú Unibanco define o investidor conservador como aquele que não aceita ter perdas de capital no horizonte de um mês.

“É aquele investidor que olha o extrato mensalmente e não gosta de ver menos do que tinha antes. Não tem a ver com o quanto ele sabe sobre investimentos. Sua prioridade é preservar patrimônio”, disse Iglesias.

Assim, a ideia da carteira conservadora do Itaú não é ter grande retorno, mas sim preservar o patrimônio, visando um retorno de 102% ou 103% do CDI no longo prazo - que também não é uma enorme rentabilidade. Com Selic a 6,00%, o CDI está em algo como 5,90%. Isso significa que 102% do CDI corresponde a 6,02%, e 103% do CDI equivale a 6,08%.

“Ao longo dos últimos anos, a parcela de investidores que se identifica com o perfil conservador diminuiu. A maior parte hoje se identifica como moderado”, completou.

Carteira do investidor conservador sugerida pelo especialista em investimentos do Itaú Unibanco, Martin Iglesias:

Carteira conservadora do Itaú com Selic em 6%

A carteira conservadora prevê a maior parte do patrimônio ainda alocada em aplicações conservadoras de remuneração atrelada à Selic ou ao CDI. O Itaú sugere ainda uma pequena alocação em fundos multimercados e títulos de renda fixa prefixada, como o Tesouro Prefixado (LTN e NTN-F).

Juro baixo deve durar um bom tempo

É importante que mesmo o investidor mais conservador fique atento à rentabilidade da sua carteira e faça as alterações necessárias nesse momento inédito da economia brasileira, uma vez que esse cenário de juros baixos deve permanecer ainda por um bom tempo.

“Nós nos acostumamos a não correr risco porque a renda fixa pagava muito acima da inflação. Mas isso acabou. Podemos até voltar a ter uma inflação mais alta, mas deve subir pouco. Para ter rendimento maior, será preciso correr mais risco”, diz Ronaldo Guimarães, do Modalmais.

Ele lembra que ou o investidor se acostuma com um rendimento pífio acima da inflação - atualmente na casa de 1% ao ano - ou migra parte do portfólio para outras aplicações mais rentáveis.

E isso não significa apenas migrar para ações, como vimos. Há uma série de investimentos intermediários, na própria renda fixa (aplicações com menos liquidez ou um pouco mais de risco de crédito), entre os fundos imobiliários e os fundos multimercados.

Martin Iglesias, do Itaú, destaca essa necessidade de diversificação. “Num universo de Selic alta, a necessidade de diversificação não é tão clara para o investidor. Com uma Selic baixa, a forma de navegar é a diversificação ampla”, diz.

Bancos costumam ser mais conservadores que as plataformas independentes e gestoras de fortunas na hora de classificar o perfil de investidor dos seus clientes, como você pôde ver pela carteira do Itaú, bem mais conservadora que as demais. Mas mesmo dentro da renda fixa, é possível diversificar um pouco.

Comentários
Leia também
OS MELHORES INVESTIMENTOS NA PRATELEIRA

Garimpei a Pi toda e encontrei ouro

Escolhi dois produtos de renda fixa para aplicar em curto prazo e dois para investimentos mais duradouros. Você vai ver na prática – e com a translucidez da matemática – como seu dinheiro pode render mais do que nas aplicações similares dos bancos tradicionais.

Entrevista

Criador da CVM diz que mercado brasileiro não precisa de mais regulação

Para Roberto Teixeira da Costa, momento é de libertar a capacidade criativa das pessoas; em entrevista ao Seu Dinheiro, ele fala sobre mercado de capitais, economia brasileira e a figura do analista de investimentos

Seu Dinheiro na sua noite

Lucro, pra que te quero?

Podem me chamar de antiquado ou de romântico, mas sou do tempo em que empresa boa é empresa que dá lucro. Mas reconheço que, diante das mudanças abruptas na forma como consumimos produtos e serviços, olhar para a chamada última linha do balanço das companhias ficou meio fora de moda. No lugar do lucro, o […]

Xiiii...

Oi avisa Anatel que pode ficar sem dinheiro para operar a partir de fevereiro

Diagnóstico da situação da empresa indicou que o dinheiro em caixa da operadora chegou ao “mínimo necessário”

Ouça o que bombou na semana

Podcast Touros e Ursos: O furacão das eleições na Argentina e o fantasma da recessão mundial

Seu Dinheiro traz um panorama sobre tudo o que movimentou os seus investimentos nesta semana

Gás na economia

FGTS deve ter impacto positivo sobre o PIB em 0,20 ponto percentual em 2019, diz consultoria

Considerando saques de R$ 36,5 bilhões no total até março de 2020, 4E Consultoria também projeta impacto de 0,08 ponto percentual no PIB do ano que vem

Tango (ainda mais) triste

Fitch rebaixa rating da Argentina de ‘B’ para ‘CCC’

Agência de classificação de risco afirma que rebaixamento reflete “elevada incerteza de políticas” após os resultados das eleições primárias

Balanço dos balanços

Petrobras lidera ranking de maiores lucros no 2º trimestre entre empresas de capital aberto; Oi é lanterninha

Resultado líquido positivo de R$ 18,8 bilhões registrado pela estatal foi quase três vezes maior do que o segundo colocado no ranking

estratégia que dá certo

‘Meu pai me ensinou a comprar com desconto’, diz Klein sobre Via Varejo

Comprar quando o setor ou o vendedor está em crise é estratégia de Michael Klein, a mesma usada para arrematar, em junho, 1,6% das ações da Via Varejo

Líder da negociação

Maia diz saber onde está ‘problema político’ de cada reforma tributária

Presidente da Câmara também disse não saber qual das reformas que estão na mesa é tecnicamente melhor

tá difícil

Economia opera abaixo da capacidade em todas as regiões do País, diz BC

Avaliação consta no Boletim Regional divulgado pelo Banco Central nesta sexta-feira, 16. Confira os detalhes por região

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements