Menu
2019-08-05T16:44:47-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Teremos um ganhador?

Chineses devolvem ‘truco’ de Trump e conta sobra no colo do Fed

Desvalorização do yuan como resposta às novas tarifas impostas por Trump eleva incerteza sobre economia mundial

5 de agosto de 2019
16:15 - atualizado às 16:44
Montagem do Donald Trump e Jerome Powell jogando Poker
Presidente dos EUA, Donald Trump, e presidente do Fed, Jerome Powell - Imagem: Montagem Andrei Morais / Federal Reserve / Shutterstock

Na sexta-feira, fiz uma alegoria dizendo que o presidente americano Donald Trump jogava poker com o presidente do Federal Reserve (Fed), banco central americano, Jerome Powell, e os chineses, tendo como mesa a economia mundial. Trump jogou as fichas na mesa ao impor novas tarifas aos chineses, que avisaram que teria “troco”.

A resposta veio com desvalorização da moeda chinesa, o yuan e um discurso mais duro. As jogadas também recaem sobre o Fed e as expectativas já são de novos e prolongados cortes de juros, algo que o próprio Fed tirou do radar na quarta-feira da semana passada. No mercados, o dia é um "mar de vermelho" nas bolsas e demais ativos de risco ao redor do mundo.

Nesse poker ou se preferir truco, fica a expectativa de qual será o próximo movimento de Trump, pois parece que está na sua vez de jogar. De forma resumida, se os EUA impõem tarifas, mas se a moeda chinesa desvaloriza, o efeito é anulado.

O que Trump pode fazer é subir ainda mais as tarifas e ver se os chineses desvalorizam ainda mais a sua moeda. Estamos no caminho natural de uma guerra comercial que acaba desembocando em guerra cambial. Trump fala isso nos seus tuites ao provocar o Fed a atuar.

Por hora, membros do BC americano observam a mesa com cautela, como todo banco central, e falam em acompanhar os desenvolvimentos.

Powell tinha transmitido a mensagem de que o Fed não embarcaria em um ciclo de corte, mas que a redução de 0,25 pontos, seria um ajuste de meio ciclo ou mesmo um corte preventivo. Uma resposta às incertezas trazidas pela própria guerra comercial do presidente americano.

Trump vem fazendo esse jogo de esticar a corda nas negociações com os chineses e outros países, mas depois distensiona as relações, fazendo um cálculo político, já que vai tentar se reeleger em 2020. Economia fraca ou em crise não o ajuda. A não ser que ele consiga culpar os chineses por tudo, em um clássico exemplo da lógica de Homer Simpson: “Se a culpa é minha, posso colocá-la em quem eu quiser.”

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

responsabilização

JBS aprova em assembleia ação contra irmãos Batista

Processo diz respeito a prejuízos causados por crimes revelados nos acordos de colaboração e leniência firmados pela JBS com a Procuradoria Geral da República

em live

Se necessário, voltaremos a fazer transferência do BC para o Tesouro, diz secretário

Em agosto, CMN já havia autorizado o Banco Central a repassar R$ 325 bilhões para o Tesouro Nacional

Balanço do mês

Bitcoin e dólar são os melhores investimentos de outubro; ativos de risco ficaram para trás de novo

Por pouco o Ibovespa não ficou entre os melhores investimentos do mês, mas segunda onda de coronavírus na Europa derrubou as bolsas; risco fiscal, eleições americanas e indefinição quanto a estímulos fiscais nos EUA também pesaram

seu dinheiro na sua noite

O saci à solta nos mercados

Não sei dizer exatamente quando nem quem tomou a iniciativa de importar dos países anglófonos a celebração do Halloween, o Dia das Bruxas. O fato é que desde que as crianças brasileiras começaram a sair fantasiadas pedindo doces no último dia de outubro houve uma série de tentativas de “tropicalizar” o evento. Embora não seja […]

Disparou

Dívida bruta do governo deverá encerrar o ano em 96% do PIB

Endividamento cresceu 20,2 pontos por causa de pandemia.

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies