Menu
2020-10-05T18:21:33-03:00
Felipe Saturnino
Felipe Saturnino
Graduado em Jornalismo pela USP, passou pelas redações de Bloomberg e Estadão.
início de semana positivo

Enfim, calmaria: bolsa sobe mais de 2% com melhora de Trump e alívio no risco fiscal

Evolução do quadro de saúde de Trump e notícia de que o Renda Cidadã respeitará o teto de gastos animaram Ibovespa. Dólar cai abaixo de R$ 5,60 e juros recuam

5 de outubro de 2020
18:21
Selo Mercados FECHAMENTO Ibovespa dólar
Imagem: Montagem Andrei Morais / Shutterstock

O Ibovespa começou a semana com o pé direito em um dia de calmaria nos mercados financeiros globais. O cenário local, que nos últimos tempos vem despertando cautela nos investidores, desta vez aproveitou para dar uma mãozinha na produção dessa receita doce.

Enquanto se tornava claro que o quadro de saúde do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, evoluía positivamente em direção a uma alta hospitalar, e um acordo de estímulos era negociado por autoridades do país, o ambiente político em Brasília aliviava percepção sobre o risco de pedalada e derrubada do teto de gastos.

Em uma indicação de compromisso fiscal do governo, o senador Marcio Bittar, relator do Renda Cidadã, disse que o programa social do governo respeitará o teto. Além disso, afirmou que "toda demanda tem que passar por carimbo da equipe" do ministro da Economia.

"A perspectiva dessa notícia é positiva do ponto de vista fiscal, é possivelmente menos um problema sobre as contas públicas, os mercados reagiram bem", disse Paloma Brum, analista de investimentos da Toro Investimentos.

Segundo ela, o primeiro movimento da bolsa refletia o exterior positivo, mas o principal índice acionário da B3 só acelerou a alta após o pronunciamento de Bittar.

No fim do dia, o Ibovespa fechou em avanço de 2,21%, aos 96.089,19 pontos.

As dúvidas sobre o financiamento do programa Renda Cidadã geraram cautela nos investidores na semana passada, após a polêmica com a possibilidade do uso de precatórios e parte do Fundeb para bancar a medida.

Hoje, o jornal Folha de S. Paulo noticiou que o governo estuda acabar com o desconto de 20% do Imposto de Renda para aqueles que entregam a declaração simplificada do IR.

Top 5

As ações das siderúrgicas estiveram entre os grandes destaques do dia no Ibovespa, acompanhando a alta do índice de metais em Nova York. Confira as principais altas:

CÓDIGOEMPRESAVALORVARIAÇÃO
IRBR3IRB ONR$ 8,656,92%
GOAU4Metalúrgica Gerdau PNR$ 9,876,70%
USIM5Usiminas PNR$ 10,605,79%
GGBR4Gerdau PNR$ 21,795,78%
ELET3Eletrobras ONR$ 31,365,70%

Enquanto isso, as ações da Cogna estiveram entre as maiores perdas do índice, após o JP Morgan rebaixar a sua recomendação de neutra para venda. O banco avalia que o cenário é pior para o segmento de ensino presencial da companhia. Confira as principais quedas do Ibovespa hoje:

CÓDIGOEMPRESAVALORVARIAÇÃO
CVCB3CVC ONR$ 14,45-2,89%
COGN3Cogna ONR$ 5,32-1,48%
EMBR3 Embraer ON R$ 6,41 -1,23%
CIEL3Cielo ONR$ 3,90-0,76%
LAME4Lojas Americanas PNR$ 28,47-0,42%

Trump de saída do hospital

As bolsas americanas terminaram o dia com ganhos firmes, com a melhora no quadro de saúde de Trump.

O S&P 500 avançou 1,8%, enquanto o Dow Jones registrou ganhos de 1,68% e a Nasdaq, 2,32%.

Trump segue internado, mas deixará o hospital Walter Reed às 19h30 no horário de Brasília, conforme informou em sua conta oficial no Twitter.

O republicano foi internado na sexta em um momento decisivo da campanha presidencial. Joe Biden, candidato do partido democrata, tem atualmente a dianteira nas pesquisas de intenção de voto.

"Me sentindo muito bem! Não tenha medo da Covid. Não deixe isso dominar a sua vida!", escreveu Trump em sua conta oficial na rede social. "Eu me sinto melhor do que há 20 anos!", completou o presidente.

Além disso, está no radar do mercado o acordo para definir o tamanho do estímulo fiscal à economia dos EUA.

A presidente da Câmara dos Deputados do país Nancy Pelosi falou hoje com o secretário do Tesouro Steven Mnuchin a respeito da medida. Amanhã deverá ocorrer nova conversa entre os dois para definir um acordo sobre a legislação, que foi dificultado pela contaminação de Trump pelo coronavírus.

Dólar chega a cair 2%

Em meio a um cenário de busca por risco nos mercados globais, o dólar operou em forte queda e fechou em baixa de 1,82%, a R$ 5,56.

Na mínima, a divisa chegou a recuar em relação ao real 2,10%, embalada por boas notícias vindas tanto do exterior quanto no doméstico.

A perspectiva de alta de Trump e de que haverá mais estímulos fiscais induziu à tomada de risco, enfraquecendo a moeda norte-americana, normalmente para a qual os investidores correm quando as coisas apertam.

O dólar também caiu em relação ao peso mexicano e ao rublo russo, moedas pares do real.

"Existe um noticiário favorável para essa queda", diz Camila Abdelmalack, economista da Veedha Investimentos. "Aqui, não há um fato novo muito ruim, ainda articula-se reaproximação entre [Rodrigo] Maia e Guedes, e, então, há um espaço para a recuperação."

Juros recuam

As taxas dos contratos de depósitos interbancários negociados em bolsa fecharam em queda, refletindo a melhora do risco fiscal com a perspectiva de que o teto de gastos vai permanecer intocado.

Os juros dos contratos com vencimento em 2022 e 2023, por exemplo, caíram 0,2 ponto, em um alívio comparado ao estresse do fim da semana passada.

"O mercado está em movimento de recuo em relação a sexta-feira", disse Paulo Nepomuceno, da mesa de derivativos da corretora Terra Investimentos. "Hoje vimos desde o início do dia indicações por quase todo meio político de que o teto de gastos será respeitado."

Segundo Nepomuceno, os agentes financeiros exageraram na cautela na sexta, quando os mercados locais foram arrastados pela quarentena de Trump e pelo desacordo entre Guedes e Marinho.

Na ocasião, diz ele, a curva de juros inclinou-se ainda mais, uma vez que a percepção de risco fiscal gerou a expectativa de que seriam necessárias altas de juros no futuro.

"Agora, com a perspectiva de que o teto não vai ser furado, o mercado se acalmou e bem", afirma Nepomuceno.

Veja o fechamento as taxas de juros de alguns dos contratos:

  • Janeiro/2021: de 2,06% para 2,00%;
  • Janeiro/2022: de 3,43% para 3,23%;
  • Janeiro/2023: de 4,9% para 4,67%;
  • Janeiro/2025: de 6,74% para 6,51%.
Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

seu dinheiro na sua noite

No mundo corporativo, quem não diversifica, se trumbica

De uns tempos para cá, uma antiga fala de Warren Buffett tem pipocado nas minhas redes. Nela, o megainvestidor diz que “diversificação não faz sentido para quem sabe o que está fazendo” — e ele, naturalmente, se coloca como um sábio. Longe de mim querer contrariar o oráculo do mercado financeiro, mas é preciso tomar […]

nos ares

Boeing realiza 1º voo do maior avião da família 737 MAX e inicia fase de testes

Empresa vem trabalhando para superar acidentes aéreos envolvendo a família de aviões 737 MAX. No Brasil, a Gol tem um pedido firme do 737-10

pix questionado

Procon-SP notifica bancos por brechas exploradas por ladrões de celulares

São requisitados esclarecimentos sobre dispositivos de segurança, bloqueio, exclusão de dados de forma remota e rastreamento de operações financeiras disponibilizados aos clientes vítimas de furto ou roubo

FECHAMENTO DA SEMANA

Juros futuros são grandes protagonistas da semana e ainda prometem mais emoção; dólar recua 1% e bolsa fica no vermelho

Com Copom duro e a sinalização de uma possível elevação nas taxas de juros nos EUA, os principais contratos de DI dispararam. Na semana, o dólar recuou com o forte fluxo estrangeiro e a bolsa seguiu o ritmo das commodities (mais uma vez)

Calendário completo

Banco Central: veja as datas das reuniões do Copom em 2022

O Copom é o órgão do BC responsável por definir, a cada 45 dias, a taxa básica de juros da economia brasileira

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies