Menu
2019-08-03T18:47:23+00:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa e UBS Escola de Negócios. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência CMA, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico.
Elevando o tom

Imprensa oficial da China diz que o país “nunca se curvará ao truque comercial” dos EUA

A Xinhua, agência de notícias oficial do governo da China, publicou um duro editorial para criticar a postura de Donald Trump e dos EUA na guerra comercial

3 de agosto de 2019
18:43 - atualizado às 18:47
Guerra comercial EUA China
A imprensa oficial da China não poupou palavras para comentar sobre as novas tarifas impostas pelo governo dos EUAImagem: Shutterstock

Se o plano de Donald Trump era intimidar o governo da China ao anunciar uma nova tarifa sobre as importações chinesas e reaquecer a guerra comercial, o tiro saiu pela culatra. A imprensa oficial do país asiático assumiu um tom bastante duro ao comentar as novas taxações impostas pelos EUA — e não se mostrou muito aberta a negociações.

Numa espécie de editorial, a agência de notícias Xinhua afirma que a China "nunca se curvará" ao "velho truque de bullying comercial" de Washington. A imprensa chinesa ainda disse que a escalada nas disputas comerciais tem sido unilateral e que representam uma "séria quebra de confiança".

A Xinhua diz que americanos e chineses haviam chegado a um consenso em junho, ficando acertado que as conversas comerciais seriam reiniciadas seguindo bases de igualdade e respeito mútuo. "Mas a virada dos EUA novamente mostra que o governo de Washington não é confiável para se fechar um acordo e que possui uma propensão perturbadora ao bullying".

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

Na última quinta-feira (1), Donald Trump anunciou que o governo dos EUA iriam adotar uma sobretaxa de 10% sobre outros US$ 300 bilhões em produtos importados chineses — as novas tarifas começarão a valer em 1º de setembro. Esse montante não inclui os US$ 250 bilhões em mercadorias do país asiático que já sofrem com uma taxação extra de 25% para entrar em território americano.

A medida trouxe uma onda de pessimismo aos mercados, que ainda digeriam as mudanças nas políticas monetárias por parte do Federal Reserve (Fed) e do Banco Central do Brasil (BCB). Os agentes temem que o aprofundamento nas tensões entre EUA e China impliquem numa desaceleração ainda maior da economia global.

Na sexta-feira (2), autoridades dos Estados Unidos chegaram a sinalizar que, caso a China se mostre aberta a negociar até 1º de setembro, a aplicação das tarifas poderia ser revista. No entanto, a julgar pelo tom do editorial da Xinhua, essa possibilidade não está na mesa.

"O governo dos EUA deve colocar na cabeça que sua postura e suas ameaças tarifárias — que já não funcionaram no passado — não vão funcionar dessa vez", diz a agência.  "A China não quer uma guerra comercial, mas não tem medo e irá entrar numa, caso necessário".

Trocando farpas

O texto da imprensa oficial chinesa também ataca a classe política americana, afirmando que os novos desdobramentos da guerra comercial mostram que alguns líderes em Washington tentam ganhar "apoio barato" num momento em que o próximo ciclo eleitoral americano se aproxima.

"Mas, ao contrário das últimas taxações, o governo americano agora irá atingir uma quantia maior de bens de consumo, e estará usando as famílias americanas como reféns nas negociações", diz a Xinhua.

Sem se referir diretamente ao texto publicado pela agência chinesa, Donald Trump foi ao Twitter neste sábado (3) para fazer mais comentários sobre a atual situação das relações comerciais entre as duas potências.

Segundo o presidente americano, as coisas estão indo muito bem com a China. "Eles estão nos pagando dezenas de bilhões de dólares, o que é possível graças às desvalorizações monetárias, e estão injetando quantidades massivas de dinheiro para manter o sistema deles", escreveu Trump.

"Até agora, nossos consumidores não estão pagando nada — e sem inflação. E sem a ajuda do Fed", concluiu o presidente dos EUA, dando mais uma cutucada no banco central americano.

O posicionamento da imprensa oficial chinesa ainda deixa no ar a possibilidade de adoção de contra-tarifas, em resposta à medida anunciada por Trump. "Em função das ofensivas tarifárias de Washington desde 2018, a China foi obrigada a tomar atitudes para responder. E, nesse caso, não será diferente".

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

crise do clima

G7 quer ajudar o mais rápido possível nos incêndios da Amazônia, diz Macron

Segundo o presidente da França, “tudo depende dos países da Amazônia”, que compreensivelmente defendem sua soberania

roupa remendada

Tasso terá de dar parecer para 130 emendas à reforma

Cabe ao senador, que deve entregar seu relatório na semana que vem, decidir se acata ou não as sugestões de alterações

economia que patina

País deve andar em passo lento, mesmo com reformas

Destruição provocada pela recessão, com empresas indo à falência e milhões de trabalhadores saindo do mercado, forma cenário adverso para o Brasil

seu dinheiro no domingo

Rota do Bilhão: 9 semelhanças dos 10 mais ricos do mundo

Apesar de histórias de vida e negócios diferentes, há pontos em comum entre os maiores bilionários do mundo – são pistas do que pode ter feito a diferença

clima tenso

Europeus se dividem sobre risco ao Mercosul

Decisão do presidente francês, Emmanuel Macron, de obstruir um acordo comercial entre a União Europeia e o grupo Mercosul divide opiniões entre líderes mundiais

no g7

Acordo comercial com os EUA não será fácil, diz primeiro-ministro britânico

Boris Johnson citou carnes bovina e de cordeiro, travesseiros e fitas métricas como alguns dos produtos britânicos que têm entrada dificultada nos mercados dos EUA

um unicórnio entre os jovens

Tiktok: o app que faz sucesso entre a geração Z e fez da sua dona a startup mais valiosa do mundo

ByteDance é considerada a startup com o maior valor de mercado do mundo – são US$ 75 bilhões; estratégia se divide em diversas frentes, incluindo um app que ganha cada vez mais força entre jovens nascidos em meados dos anos 90 para cá

guerra comercial não para

Trump ameaça usar autoridade de emergência contra a China

Anúncio chinês de elevar as tarifas sobre US$ 75 bilhões em importações norte-americanas deixou o presidente dos EUA enfurecido

analisando a conjuntura

Recuperação esperada da economia global não aconteceu, diz presidente do Banco da Inglaterra

Mark Carney falou logo depois que o presidente Trump anunciou que estava endurecendo as tarifas sobre as importações chinesas

vem mais mudanças por aí?

Equipe econômica estuda atrelar remuneração da poupança à inflação

Após criar crédito imobiliário corrigido pelo IPCA, governo quer dissociar a rentabilidade da caderneta da Selic, para que a poupança acompanhe os indicadores usados nos empréstimos para a compra da casa própria

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements