Menu
2019-08-02T16:33:39+00:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Teremos um ganhador?

Trump joga poker e a mesa é a economia mundial

Presidente americano, Donald Trump, força a mão para cima do presidente do Fed, Jerome Powell, ao elevar tarifas sobre produtos chineses

2 de agosto de 2019
11:35 - atualizado às 16:33
Montagem do Donald Trump e Jerome Powell jogando Poker
Presidente dos EUA, Donald Trump, e presidente do Fed, Jerome Powell - Imagem: Montagem Andrei Morais / Federal Reserve / Shutterstock

Durante um tempo jogar poker virou hobby de gentes do mercado e de fora dele. Todos tínhamos uma mesa de amigos para jogar e surgiram cafuas especializadas. Eu já não jogo mais, mas a mesa de poker pareceu-me uma boa forma de encarar as jogadas desta semana envolvendo o presidente americano Donald Trump, o presidente do Federal Reserve (Fed), banco central americano, Jerome Powell, e a China. O pote ou a mesa é a economia mundial.

Se o amigo não gosta de poker, pode pensar no truco ou mesmo no jogo da galinha (play chicken), aquele no qual o perdedor é quem “pisca” primeiro. Também podemos lembrar do refinado xadrez, e cheguei a ver um comentário nas redes de que Trump joga um xadrez em quatro dimensões... Há método na loucura.

Enfim, o ponto é que o Trump vinha falando, criticando o Fed, pedindo estímulo, dando caneladas em Powell, enquanto aguardava a jogada do Fed na quarta-feira. Powell jogou as fichas na mesa e disse algo como: “esse 0,25 ponto de corte é o que tenho para mostrar. Preciso guardar fichas para quando as coisas ficarem realmente feias. Além disso, as caneladas não me intimidam, tenho um mandato e minhas ações independem da política.”

Do outro lado na mesa (ou do Twitter), Trump fez dois movimentos. Primeiro disse um: “ora, ora. Mais uma vez me decepcionado, ok”, e se recolheu. Os demais participantes da mesa pensaram “natural, o Trump ia reclamar mesmo” e voltaram a alimentar o “bull market”, achando uma versão da história que justificasse sua postura.

Mas Trump só esperou todos se distraírem para gritar um “all in” (poker) ou mandar um “seis, meio pau” (truco) na orelha de Powell, ao empurrar mais 10% de tarifas sobre os chineses, que até então vinham observando a picardia dos ocidentais (chineses têm um jogo próprio, bastante interessante, de memória e raciocínio, chama mahjong).

O grito de Trump fez os demais jogadores correm para tirar as fichas da mesa (bolsas caindo mais de 1% em Nova York, petróleo tombando 7%. Sobe dólar e ouro na busca por proteção). “Poxa Trump! Pra que isso, cara?” e ele responde: “I don’t care” (Trump disse que não se preocupa com a queda do Dow Jones).

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

Agora, todos estão de olhos bem abertos esperando o próximo jogador. Os chineses já “levantaram os olhos” do outro lado mesa: “vamos adotar contramedidas, não aceitamos pressão”.

Na manhã de hoje, Trump aliviou um pouco a mão, mas não podemos comprar o movimento por valor de face. O presidente disse que algo como: “Ok, ok parem de chorar. Posso repensar as novas tarifas se os chineses se mexerem”. Alívio imediato no cassino global.

Trump tenta colocar o Fed em corner ao chamar os chineses para a mesa. É como se ele falasse para o Powell: “ou você faz o que eu quero ou vou te obrigar a fazer isso, mesmo que tenha de afundar a economia em mais incerteza”.

Resta saber se o Fed vai cair nesse blefe de Trump. Sabemos que é um blefe, pois ele enfrenta uma eleição agora em 2020 e seu movimentos de tensionamento e distencionamento são feitos visando esse objetivo. Há método no que parece ser loucura.

A questão é que o Fed tem outra visão temporal das coisas. A instituição tem reafirmado sua independência e compromisso com o pleno emprego e inflação na meta.

O corte dessa semana, como bem disse meu amigo gringo, pode ser resumido da seguinte forma: “Não me encham o saco! Estou cortando o juro apenas para suavizar as besteiras feitas pelo presidente de vocês.”

Mas e os chineses? Bem, os chineses têm visão temporal das coisas ainda mais distinta. Trump pensa em 2020, o chinês planeja coisas para dez ou 15 anos (lembre-se, não tem eleição no Império do Meio). Para definir os chineses, uma boa frase é: as consequências vêm sempre depois...

A dúvida que fica é se teremos vencedores. Meu amigo gringo acha que não.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

Entrevista

Criador da CVM diz que mercado brasileiro não precisa de mais regulação

Para Roberto Teixeira da Costa, momento é de libertar a capacidade criativa das pessoas; em entrevista ao Seu Dinheiro, ele fala sobre mercado de capitais, economia brasileira e a figura do analista de investimentos

Seu Dinheiro na sua noite

Lucro, pra que te quero?

Podem me chamar de antiquado ou de romântico, mas sou do tempo em que empresa boa é empresa que dá lucro. Mas reconheço que, diante das mudanças abruptas na forma como consumimos produtos e serviços, olhar para a chamada última linha do balanço das companhias ficou meio fora de moda. No lugar do lucro, o […]

Xiiii...

Oi avisa Anatel que pode ficar sem dinheiro para operar a partir de fevereiro

Diagnóstico da situação da empresa indicou que o dinheiro em caixa da operadora chegou ao “mínimo necessário”

Ouça o que bombou na semana

Podcast Touros e Ursos: O furacão das eleições na Argentina e o fantasma da recessão mundial

Seu Dinheiro traz um panorama sobre tudo o que movimentou os seus investimentos nesta semana

Gás na economia

FGTS deve ter impacto positivo sobre o PIB em 0,20 ponto percentual em 2019, diz consultoria

Considerando saques de R$ 36,5 bilhões no total até março de 2020, 4E Consultoria também projeta impacto de 0,08 ponto percentual no PIB do ano que vem

Tango (ainda mais) triste

Fitch rebaixa rating da Argentina de ‘B’ para ‘CCC’

Agência de classificação de risco afirma que rebaixamento reflete “elevada incerteza de políticas” após os resultados das eleições primárias

Balanço dos balanços

Petrobras lidera ranking de maiores lucros no 2º trimestre entre empresas de capital aberto; Oi é lanterninha

Resultado líquido positivo de R$ 18,8 bilhões registrado pela estatal foi quase três vezes maior do que o segundo colocado no ranking

estratégia que dá certo

‘Meu pai me ensinou a comprar com desconto’, diz Klein sobre Via Varejo

Comprar quando o setor ou o vendedor está em crise é estratégia de Michael Klein, a mesma usada para arrematar, em junho, 1,6% das ações da Via Varejo

Líder da negociação

Maia diz saber onde está ‘problema político’ de cada reforma tributária

Presidente da Câmara também disse não saber qual das reformas que estão na mesa é tecnicamente melhor

tá difícil

Economia opera abaixo da capacidade em todas as regiões do País, diz BC

Avaliação consta no Boletim Regional divulgado pelo Banco Central nesta sexta-feira, 16. Confira os detalhes por região

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements