Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2019-02-18T20:09:01-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
CRISE POLÍTICA

Tchau, Bebianno! Cai o primeiro ministro da equipe de Bolsonaro

Decisão foi de “foro íntimo” do presidente Bolsonaro. Persistem dúvidas sobre possível impacto do episódio para a votação da agenda de reformas. Oposição quer que ex-ministro preste esclarecimentos no Senado

18 de fevereiro de 2019
18:36 - atualizado às 20:09
Gustavo Bebianno
Gustavo Bebianno - Imagem: Wilton Junior/Estadão Conteúdo

O governo federal exonerou no fim da tarde desta segunda-feira (18) o ministro da Secretaria-Geral da Presidência, Gustavo Bebianno. A saída do ministro foi anunciada pelo porta-voz da Presidência da República, Otávio do Rêgo Barros.

A vaga será ocupada pelo general Floriano Peixoto. Segundo Barros, a mudança é definitiva e ele não deve ser substituído.

Em nota à imprensa, lida por Barros, o presidente Jair Bolsonaro agradeceu a Bebianno e desejou sorte ao agora ex-ministro. Perguntado sobre o motivo da exoneração, Barros disse ser "de foro íntimo" do presidente.

Sobre a demora em anunciar a decisão, o porta-voz, disse que o presidente "demandou o tempo necessário para a consecução de sua decisão final", por envolver vários atores e "é natural que pensando no país isso se faça de forma mais consensual e, ao mesmo tempo, mais maturada possível".

Peguntado sobre o ministro do Turismo, Marcelo Álvaro Antônio, que também tem o nome envolvido em suspeitas de candidaturas laranjas, Barros disse que as decisões sobre exoneração e nomeação são do presidente, e que não caberia a ele avançar em qualquer suposição sobre isso.

A história envolvendo Bebianno começou em 10 de fevereiro, com a publicação de denúncias sobre candidaturas laranjas do PSL, partido de Bolsonaro, ganhou novos contornos com  divulgação de áudios para confirmar que o ministro mentiu ao dizer que falou com o presidente, pelo filho Carlos Bolsonaro. E nos últimos dias foi recheado de diversas notas sobre Bebianno estar magoado, que não cairia sozinho, ofertas de cargos no governo e até mesmo embaixadas na Europa.

Família forte, militares como fiel da balança

Segundo o diretor de Relações Governamentais da Barral M Jorge Consultoria, Juliano Griebeler, a demissão do ministro confirma a influência do núcleo familiar no governo e como isso pode influenciar a escolha dos nomes mais próximos ao presidente.

Também é perceptível, segundo Griebeler, a atuação dos militares de aproveitar a situação para passar a imagem de “fiel da balança”, como pessoas de perfil mais técnico e isolados da influencia familiar.

Outro ponto citado pelo especialista, é que por mais que se tente passar a ideia de que Bebianno não seria relevante por não ser conhecido do público, o agora ex-ministro tinha posição importante nos bastidores, sendo um interlocutor importante com a Câmara dos Deputados e seu presidente, Rodrigo Maia (DEM-RJ).

Ainda segundo Griebeler, essa “queima de ministro” por desentendimentos com filho do presidente não foi bem recebida por outros membros do PSL.

“Não é bom para o governo esse tipo de mudança tão rápida. O ministro foi importante na campanha e foi trocado por desentendimento com o núcleo familiar. O que o governo não precisa, agora, é de instabilidade, insegurança e investigação de ministros”, diz Griebeler.

Para o especialista, a questão, agora, é entender o papel e a força de cada um dentro do governo e ver como isso vai funcionar com o Congresso operando de fato.

Para a agenda de reformas, Griebeler, acredita que o episódio deve forçar o governo a pensar em como fica sua articulação no Congresso. Maia entende a importância das reformas e buscou essa posição de defensor/mediador das reformas, mas ele já teria emitido sinais de que a estratégia do ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, não agrada.

O risco, segundo o especialista, decorre das notícias de que Bebianno teria informações para usar contra o governo. “Fica essa dúvida, mas é um cenário que não estamos contando como o mais provável ainda”, concluiu.

Oposição se movimenta

Tínhamos dito mais cedo que o episódio envolvendo Bebianno fortalece apenas a oposição, que usarias as ferramentas que tem para ir minando o governo. Há pouco, o senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP), líder da oposição no Senado, informou, por meio de sua assessoria, que acabou de protocolar na Comissão de Transparência, Fiscalização e Controle requerimento convidando o ex-ministro Gustavo Bebianno a prestar esclarecimentos. Como se trata de convite, o ex-ministro não é obrigado a comparecer.

"A melhor forma do Sr. Bebiano se redimir pelos seus malfeitos é comparecer ao Senado e abrir o jogo, sem permitir que sua exoneração sirva pra varrer a sujeira para debaixo do tapete", diz o senador.

Vídeo de agradecimento

Em vídeo divulgado pela assessoria do Planalto, Bolsonaro reconheceu a dedicação e esforço de Bebianno na época de campanha e como ministro. O presidente disse que desde a semana passada, diferentes pontos de vista sobre questões relevantes “trouxeram a necessidade de uma reavaliação”.

Para Bolsonaro, pode ter havido incompreensões e questões mal entendidas de parte a parte, "não sendo adequados pré julgamentos de qualquer natureza.”

Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

XP anuncia investimento na edtech Resilia

A Resilia é uma edtech que combina tecnologias que potencializam o aprendizado individualizado e em comunidade com um método de ensino que capacita potenciais talentos de uma forma mais rápida para o mercado digital

Análise

Investir em ações de banco ainda é uma boa? Veja 3 motivos que deixam a XP Investimentos cautelosa

Se no ano passado a postura era otimista, agora os analistas do setor financeiro da XP estão mais cautelosos, já que o cenário é de preços elevados dos ativos e uma concorrência e intervenções regulatórias preocupantes.

REFORMA TRIBUTÁRIA

PIB pode crescer 1,6% com redução de IR para empresas, indica estudo

O cálculo de 20% teve como base comportamento das empresas depois de um dos maiores aumentos na alíquota do imposto sobre dividendos no mundo – na França, em 2013, de 15,5% para 46%

ESG

‘Equidade racial se tornou prioridade dentro da Vivo’, diz presidente

Dentro da extensa agenda ESG, que concentra ações ambientais, sociais e de governança, a Vivo aposta na equidade racial

Clube do livro

Das tulipas ao bitcoin: conheça a história das crises financeiras de uma forma irreverente

O maior trunfo de “Crash”, de Alexandre Versignassi, é nos guiar pela história da economia mundial e brasileira traçando paralelos entre o passado e o presente

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies