Menu
2019-02-18T20:09:01-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
CRISE POLÍTICA

Tchau, Bebianno! Cai o primeiro ministro da equipe de Bolsonaro

Decisão foi de “foro íntimo” do presidente Bolsonaro. Persistem dúvidas sobre possível impacto do episódio para a votação da agenda de reformas. Oposição quer que ex-ministro preste esclarecimentos no Senado

18 de fevereiro de 2019
18:36 - atualizado às 20:09
Gustavo Bebianno
Gustavo Bebianno - Imagem: Wilton Junior/Estadão Conteúdo

O governo federal exonerou no fim da tarde desta segunda-feira (18) o ministro da Secretaria-Geral da Presidência, Gustavo Bebianno. A saída do ministro foi anunciada pelo porta-voz da Presidência da República, Otávio do Rêgo Barros.

A vaga será ocupada pelo general Floriano Peixoto. Segundo Barros, a mudança é definitiva e ele não deve ser substituído.

Em nota à imprensa, lida por Barros, o presidente Jair Bolsonaro agradeceu a Bebianno e desejou sorte ao agora ex-ministro. Perguntado sobre o motivo da exoneração, Barros disse ser "de foro íntimo" do presidente.

Sobre a demora em anunciar a decisão, o porta-voz, disse que o presidente "demandou o tempo necessário para a consecução de sua decisão final", por envolver vários atores e "é natural que pensando no país isso se faça de forma mais consensual e, ao mesmo tempo, mais maturada possível".

Peguntado sobre o ministro do Turismo, Marcelo Álvaro Antônio, que também tem o nome envolvido em suspeitas de candidaturas laranjas, Barros disse que as decisões sobre exoneração e nomeação são do presidente, e que não caberia a ele avançar em qualquer suposição sobre isso.

A história envolvendo Bebianno começou em 10 de fevereiro, com a publicação de denúncias sobre candidaturas laranjas do PSL, partido de Bolsonaro, ganhou novos contornos com  divulgação de áudios para confirmar que o ministro mentiu ao dizer que falou com o presidente, pelo filho Carlos Bolsonaro. E nos últimos dias foi recheado de diversas notas sobre Bebianno estar magoado, que não cairia sozinho, ofertas de cargos no governo e até mesmo embaixadas na Europa.

Família forte, militares como fiel da balança

Segundo o diretor de Relações Governamentais da Barral M Jorge Consultoria, Juliano Griebeler, a demissão do ministro confirma a influência do núcleo familiar no governo e como isso pode influenciar a escolha dos nomes mais próximos ao presidente.

Também é perceptível, segundo Griebeler, a atuação dos militares de aproveitar a situação para passar a imagem de “fiel da balança”, como pessoas de perfil mais técnico e isolados da influencia familiar.

Outro ponto citado pelo especialista, é que por mais que se tente passar a ideia de que Bebianno não seria relevante por não ser conhecido do público, o agora ex-ministro tinha posição importante nos bastidores, sendo um interlocutor importante com a Câmara dos Deputados e seu presidente, Rodrigo Maia (DEM-RJ).

Ainda segundo Griebeler, essa “queima de ministro” por desentendimentos com filho do presidente não foi bem recebida por outros membros do PSL.

“Não é bom para o governo esse tipo de mudança tão rápida. O ministro foi importante na campanha e foi trocado por desentendimento com o núcleo familiar. O que o governo não precisa, agora, é de instabilidade, insegurança e investigação de ministros”, diz Griebeler.

Para o especialista, a questão, agora, é entender o papel e a força de cada um dentro do governo e ver como isso vai funcionar com o Congresso operando de fato.

Para a agenda de reformas, Griebeler, acredita que o episódio deve forçar o governo a pensar em como fica sua articulação no Congresso. Maia entende a importância das reformas e buscou essa posição de defensor/mediador das reformas, mas ele já teria emitido sinais de que a estratégia do ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, não agrada.

O risco, segundo o especialista, decorre das notícias de que Bebianno teria informações para usar contra o governo. “Fica essa dúvida, mas é um cenário que não estamos contando como o mais provável ainda”, concluiu.

Oposição se movimenta

Tínhamos dito mais cedo que o episódio envolvendo Bebianno fortalece apenas a oposição, que usarias as ferramentas que tem para ir minando o governo. Há pouco, o senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP), líder da oposição no Senado, informou, por meio de sua assessoria, que acabou de protocolar na Comissão de Transparência, Fiscalização e Controle requerimento convidando o ex-ministro Gustavo Bebianno a prestar esclarecimentos. Como se trata de convite, o ex-ministro não é obrigado a comparecer.

"A melhor forma do Sr. Bebiano se redimir pelos seus malfeitos é comparecer ao Senado e abrir o jogo, sem permitir que sua exoneração sirva pra varrer a sujeira para debaixo do tapete", diz o senador.

Vídeo de agradecimento

Em vídeo divulgado pela assessoria do Planalto, Bolsonaro reconheceu a dedicação e esforço de Bebianno na época de campanha e como ministro. O presidente disse que desde a semana passada, diferentes pontos de vista sobre questões relevantes “trouxeram a necessidade de uma reavaliação”.

Para Bolsonaro, pode ter havido incompreensões e questões mal entendidas de parte a parte, "não sendo adequados pré julgamentos de qualquer natureza.”

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

pandemia

Covid-19: Brasil passa das 210 mil mortes causadas pela pandemia

Nas últimas 24 horas, as autoridades de saúde registraram 452 óbitos pela covid-19

seu dinheiro na sua noite

Antes tarde do que mais tarde

Com o uso emergencial de duas vacinas contra o coronavírus aprovado no Brasil, ainda que com muito atraso em relação a outros países (incluindo emergentes), o brasileiro pode enfim vislumbrar a possibilidade de um retorno à vida normal. Está certo que ainda vai demorar, e provavelmente veremos o resto do mundo voltar à normalidade, enquanto […]

Fechamento

Vacina empolga, mas incertezas ainda são muitas e limitam os ganhos do Ibovespa; dólar fica estável

Embora o início da vacinação tenha criado um princípio de euforia, as incertezas ainda são muitas e nublam o cenário

atenção, acionista

Itaúsa anuncia o pagamento de juros sobre capital próprio adicionais

Base do pagamento é a posição acionária final do dia 22 de janeiro; provento tem retenção de 15% de imposto de renda na fonte, resultando em juros líquidos de R$ 0,01768 por ação

insatisfações com a estatal

Petrobras sai em defesa de sua política de preços

Estatal listou uma série de respostas para justificar eventuais aumentos concedidos ou que possam vir a ser feitos este ano, diante de preços de petróleo em franca recuperação

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies