Menu
2019-12-30T12:09:58-03:00
Estadão Conteúdo
Resultado fiscal

Setor público tem déficit primário de R$ 15,312 bilhões em novembro

No ano até novembro, o gasto com juros somou US$ 342,361 bilhões, o que representa 5,18% do PIB. Em 12 meses até novembro, as despesas com juros atingiram R$ 369,270 bilhões (5,12% do PIB)

30 de dezembro de 2019
12:09
Grupo de pessoas amontoadas forma cifra de dinheiro
Imagem: Shutterstock

O setor público consolidado (Governo Central, Estados, municípios e estatais, com exceção de Petrobras e Eletrobras) apresentou déficit primário de R$ 15,312 bilhões em novembro, informou nesta segunda-feira, 30, o Banco Central (BC). Em outubro, havia sido registrado superávit de R$ 9,444 bilhões.

O resultado primário consolidado do mês passado ficou dentro do intervalo das estimativas de analistas do mercado financeiro ouvidos pelo Projeções Broadcast, que iam de déficit de R$ 21,5 bilhões a R$ 14,3 bilhões, e inferior à mediana negativa de R$ 17,3 bilhões.

Em novembro do ano passado, houve resultado negativo de R$ 15,602 bilhões.

O resultado fiscal de novembro foi composto por um déficit de R$ 18,177 bilhões do Governo Central (Tesouro, Banco Central e INSS). Já os governos regionais (Estados e municípios) influenciaram o resultado positivamente com R$ 2,903 bilhões no mês. Enquanto os Estados registraram um superávit de R$ 2,970 bilhões, os municípios tiveram resultado negativo de R$ 66 milhões. As empresas estatais registraram déficit primário de R$ 39 milhões.

A meta de déficit primário do setor público consolidado considerada pelo governo é de R$ 132,0 bilhões para 2019. No caso do governo central, a meta é um déficit de R$ 139,0 bilhões.

No ano

As contas do setor público acumularam um déficit primário de R$ 48,359 bilhões no ano até novembro, o equivalente a 0,73% do Produto Interno Bruto (PIB), informou o Banco Central.

O cálculo leva em conta o resultado do governo central, além de Estados, municípios e estatais (com exceção de Petrobras e Eletrobras).

O déficit fiscal no ano até novembro ocorreu principalmente em função do rombo de R$ 72,799 bilhões do Governo Central (1,10% do PIB).

Os governos regionais (Estados e municípios) apresentaram um superávit de R$ 22,332 bilhões (0,34% do PIB) no período. Enquanto os Estados registraram saldo positivo de R$ 20,361 bilhões, os municípios tiveram uma economia de R$ 1,972 bilhão.

As empresas estatais registraram um resultado negativo de R$ 2,107 bilhões no período.

12 meses

As contas do setor público acumulam um déficit primário de R$ 89,492 bilhões em 12 meses até novembro, o equivalente a 1,24% do PIB.

O déficit fiscal nos 12 meses encerrados em novembro pode ser atribuído ao rombo de R$ 105,553 bilhões do Governo Central (1,46% do PIB). Os governos regionais apresentaram um superávit de R$ 12,951 bilhões (0,18% do PIB) em 12 meses até novembro. Enquanto os Estados registraram um superávit de R$ 14,089 bilhões, os municípios tiveram um saldo negativo de R$ 1,138 bilhão. As empresas estatais registraram um resultado positivo de R$ 3,110 bilhões no período.

Gastos com juros

O setor público consolidado teve gasto de R$ 37,844 bilhões com juros em novembro, após esta despesa ter atingido R$ 20,330 bilhões em outubro, informou o Banco Central.

O governo central (Tesouro Nacional, Previdência Social e Banco Central) teve no mês passado despesas na conta de juros de R$ 32,656 bilhões. Os governos regionais registraram gasto de R$ 4,596 bilhões e as empresas estatais, de R$ 592 milhões.

No ano até novembro, o gasto com juros somou US$ 342,361 bilhões, o que representa 5,18% do PIB. Em 12 meses até novembro, as despesas com juros atingiram R$ 369,270 bilhões (5,12% do PIB).

Comentários
Leia também
OS MELHORES INVESTIMENTOS NA PRATELEIRA

Garimpei a Pi toda e encontrei ouro

Escolhi dois produtos de renda fixa para aplicar em curto prazo e dois para investimentos mais duradouros. Você vai ver na prática – e com a translucidez da matemática – como seu dinheiro pode render mais do que nas aplicações similares dos bancos tradicionais.

Triste marca

Brasil registra mais de 500 mil mortos por covid-19

Em 24 horas foram 2.301 óbitos e 82.288 novos casos. Em nota, Conass ressalta que o Brasil tem 2,7% da população mundial, e é responsável por 12,8% das mortes

Here comes the sun

Energia solar ruma para liderança no País até 2050

O sol será responsável por 32% da geração, ao mesmo tempo em que a participação das hidrelétricas deve cair para cerca de 30%

ESTRADA DO FUTURO

Os três setores mais lucrativos em tecnologia, e por que você deve investir neles

Integração entre softwares e Inteligência Artificial são dois dos segmentos que devem fazer parte de qualquer portfólio de investimentos vencedor

Ano de eleição

Promessas de Bolsonaro estouram “folga” do Orçamento em 2022

A ampliação do Bolsa Família e um eventual aumento de 5% nos salários do funcionalismo público já superam o espaço adicional de R$ 25 bilhões para o próximo ano

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies