Menu
2019-12-30T12:09:58-03:00
Estadão Conteúdo
Resultado fiscal

Setor público tem déficit primário de R$ 15,312 bilhões em novembro

No ano até novembro, o gasto com juros somou US$ 342,361 bilhões, o que representa 5,18% do PIB. Em 12 meses até novembro, as despesas com juros atingiram R$ 369,270 bilhões (5,12% do PIB)

30 de dezembro de 2019
12:09
Grupo de pessoas amontoadas forma cifra de dinheiro
Imagem: Shutterstock

O setor público consolidado (Governo Central, Estados, municípios e estatais, com exceção de Petrobras e Eletrobras) apresentou déficit primário de R$ 15,312 bilhões em novembro, informou nesta segunda-feira, 30, o Banco Central (BC). Em outubro, havia sido registrado superávit de R$ 9,444 bilhões.

O resultado primário consolidado do mês passado ficou dentro do intervalo das estimativas de analistas do mercado financeiro ouvidos pelo Projeções Broadcast, que iam de déficit de R$ 21,5 bilhões a R$ 14,3 bilhões, e inferior à mediana negativa de R$ 17,3 bilhões.

Em novembro do ano passado, houve resultado negativo de R$ 15,602 bilhões.

O resultado fiscal de novembro foi composto por um déficit de R$ 18,177 bilhões do Governo Central (Tesouro, Banco Central e INSS). Já os governos regionais (Estados e municípios) influenciaram o resultado positivamente com R$ 2,903 bilhões no mês. Enquanto os Estados registraram um superávit de R$ 2,970 bilhões, os municípios tiveram resultado negativo de R$ 66 milhões. As empresas estatais registraram déficit primário de R$ 39 milhões.

A meta de déficit primário do setor público consolidado considerada pelo governo é de R$ 132,0 bilhões para 2019. No caso do governo central, a meta é um déficit de R$ 139,0 bilhões.

No ano

As contas do setor público acumularam um déficit primário de R$ 48,359 bilhões no ano até novembro, o equivalente a 0,73% do Produto Interno Bruto (PIB), informou o Banco Central.

O cálculo leva em conta o resultado do governo central, além de Estados, municípios e estatais (com exceção de Petrobras e Eletrobras).

O déficit fiscal no ano até novembro ocorreu principalmente em função do rombo de R$ 72,799 bilhões do Governo Central (1,10% do PIB).

Os governos regionais (Estados e municípios) apresentaram um superávit de R$ 22,332 bilhões (0,34% do PIB) no período. Enquanto os Estados registraram saldo positivo de R$ 20,361 bilhões, os municípios tiveram uma economia de R$ 1,972 bilhão.

As empresas estatais registraram um resultado negativo de R$ 2,107 bilhões no período.

12 meses

As contas do setor público acumulam um déficit primário de R$ 89,492 bilhões em 12 meses até novembro, o equivalente a 1,24% do PIB.

O déficit fiscal nos 12 meses encerrados em novembro pode ser atribuído ao rombo de R$ 105,553 bilhões do Governo Central (1,46% do PIB). Os governos regionais apresentaram um superávit de R$ 12,951 bilhões (0,18% do PIB) em 12 meses até novembro. Enquanto os Estados registraram um superávit de R$ 14,089 bilhões, os municípios tiveram um saldo negativo de R$ 1,138 bilhão. As empresas estatais registraram um resultado positivo de R$ 3,110 bilhões no período.

Gastos com juros

O setor público consolidado teve gasto de R$ 37,844 bilhões com juros em novembro, após esta despesa ter atingido R$ 20,330 bilhões em outubro, informou o Banco Central.

O governo central (Tesouro Nacional, Previdência Social e Banco Central) teve no mês passado despesas na conta de juros de R$ 32,656 bilhões. Os governos regionais registraram gasto de R$ 4,596 bilhões e as empresas estatais, de R$ 592 milhões.

No ano até novembro, o gasto com juros somou US$ 342,361 bilhões, o que representa 5,18% do PIB. Em 12 meses até novembro, as despesas com juros atingiram R$ 369,270 bilhões (5,12% do PIB).

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

SANGUE FRIO E CAPACITADO

‘Pessoa física deu show este ano’, diz presidente da B3

Investidor pessoa física aproveitou baixa do mercado e se posicionou para alta, enquanto institucionais e estrangeiros saíam do mercado, diz Finkelsztain

raio-x do setor

Lançamentos de imóveis no país caem no 3º tri, diz CBIC; vendas sobem

O estoque de imóveis disponíveis para venda chegou a 173.601 unidades em setembro, corte de 13% em relação ao mesmo período do ano passado.

Na briga pelo cliente

Na onda da taxa zero, Vitreo lança home broker com tarifa zerada

Isenção de taxa de corretagem é somente para aqueles que que executarem a ação utilizando uma boleta simplificada no site ou no aplicativo.

regulação dos aai

Estudo da CVM recomenda fim da exclusividade entre agentes autônomos e corretoras

Análise da xerife do mercado de capitais aponta necessidade de reavaliar exclusividade desse profissional, prevista em instrução da autarquia. Hoje, maioria absoluta dos agentes se encontra sob o guarda-chuva da XP

Ainda é hora de comprar

BTG Pactual aponta venda de florestas como positiva para Suzano e vê ação barata

Os analistas do BTG calculam o preço-alvo das ações da Suzano em R$ 59 nos próximos 12 meses, o que representa um potencial de alta de pouco mais de 15%

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies