⚠️ DIVIDENDOS EM RISCO? Lula e Bolsonaro querem taxar seus proventos e podem atacar sua renda extra em 2023. Saiba mais aqui

2019-10-24T09:55:44-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
fala deputado

Reforma do Estado e segurança jurídica são os dois eixos mais importantes, diz Rodrigo Maia

Segundo o deputado, com estes dois pontos “arrumados”, o governo terá condições de fazer seus próprios investimentos

24 de outubro de 2019
9:52 - atualizado às 9:55
Rodrigo Maia
Presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia. - Imagem: Cesar Itiberê/PR

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, disse nesta quinta-feira (24) que os governos brasileiros dos últimos anos, assim como ocorreu também em outros países da América Latina, priorizaram mais os gastos correntes do que os investimentos.

"Isso significa que estamos olhando mais para o passado do que para o futuro", avaliou durante palestra no Brazil Institute, do King's College, em Londres.

Por este motivo, de acordo com ele, a reforma do Estado e a melhora da segurança jurídica são os dois eixos mais importantes para o País. "Isso é o que estou fazendo desde o governo de Michel Temer", disse, citando o ex-presidente.

Segundo o deputado, com estes dois pontos "arrumados", o governo terá condições de fazer seus próprios investimentos. Um dia depois de a reforma da Previdência ser aprovada pelo Congresso, Maia comentou que o sistema atualmente transfere renda dos mais pobres para os mais ricos.

De olho no custo

As despesas com as aposentadorias são hoje as maiores do governo, mas sem outras alterações e reformas, o custo da máquina pública vai crescer R$ 54 bilhões todos os anos. Para ele, no entanto, não se deve mexer no salário mínimo, que é uma das políticas que dão garantia mínima aos trabalhadores.

O parlamentar considerou ainda que, assim como a Previdência, o sistema tributário também beneficia quem tem mais renda em detrimento de quem tem menos renda. Por isso e também para atrair mais investimentos externos, o presidente da Câmara defende uma reforma no setor.

Ele comentou que há uma demanda do Supremo Tribunal Federal (STF) de deixar apenas normas gerais em uma futura reforma para que não haja tantos conflitos e se diminua a insegurança jurídica.

Maia também criticou a busca de municípios e Estados de uma fatia dos impostos de exportações, o que já é, na prática, um recurso sem propósito e praticamente existente apenas no Brasil. "Num país onde não tem dinheiro, todos tentam caminho para arrecadar mais", justificou, porém.

Maia também acredita que poderia haver uma mudança na isenção de impostos existente hoje para produtos da cesta básica. Todos os anos, segundo ele, o governo deixa de arrecadar R$ 12 bilhões com esse benefício, que acaba sendo usado por pobres e ricos.

O melhor, segundo ele, é que esse montante de recurso fosse destinado aos que realmente precisam por meio de um programa específico. "O impacto poderia ser de duas a três vezes maior", previu, dizendo que se trata apenas de um exemplo entre vários que poderiam ser alterados no País.

Agenda

A previsão é que Maia se encontre nesta quinta-feira com o presidente do Comitê para Assuntos Digitais, Cultura, Mídia e Esportes da Câmara dos Comuns (equivalente à Câmara dos Deputados brasileira) do Parlamento britânico, Damian Collins, e com o presidente do Comitê de Comunicações da Câmara dos Lordes (equivalente ao Senado), Gilbert de Panteg.

O deputado brasileiro também fará uma videoconferência com Charles Kriel, pesquisador do Centro para Comunicações Estratégicas do Kings College e Conselheiro do Departamento de Assuntos Digitais, Cultura, Mídia e Esportes da Câmara dos Comuns.

*Com Estadão Conteúdo 

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

O MELHOR DO SEU DINHEIRO

Quem apoia Lula e Bolsonaro no segundo turno, Elon Musk de volta ao Twitter e as ações mais indicadas para outubro; confira os destaques do dia

4 de outubro de 2022 - 18:55

Se ontem (03) a forte alta do Ibovespa foi muito além dos ganhos vistos em Wall Street, hoje o dia foi marcado pelo movimento contrário.  Em Nova York, os investidores seguiram otimistas com a possibilidade de que os mais recentes dados da economia americana possam levar o Federal Reserve a diminuir o ritmo do seu […]

FECHAMENTO DO DIA

Peões se movimentam no xadrez político e Ibovespa tem alta limitada; dólar cai a R$ 5,16

4 de outubro de 2022 - 18:37

O principal índice da bolsa brasileira teve alta de 0,08%, enquanto o dólar à vista caiu 0,11%, a R$ 5,1680. Isso porque as atenções dos investidores estão de volta ao tabuleiro político do país.

Alívio no bolso

Pensão alimentícia agora é isenta de IR, e quem pagou o imposto nos últimos anos pode reaver a bolada; veja como

4 de outubro de 2022 - 18:21

Plenário do STF confirmou decisão de junho que isenta pensão alimentícia de imposto de renda; veja se você já pode parar de pagar o carnê-leão e como pleitear o ressarcimento dos valores pagos nos últimos cinco anos

Crédito privado

Após resgates superarem 75% do patrimônio, Captalys fecha fundo Orion para novas aplicações

4 de outubro de 2022 - 17:42

Em comunicado enviado aos cotistas, a Captalys informa que a presidente, Margot Greenman, vai se dedicar exclusivamente a retornar o capital integralmente aos cotistas

INCLUSÃO E DIVERSIDADE

Vivo abre mais de 400 vagas para pessoas com deficiência; saiba como participar do processo seletivo

4 de outubro de 2022 - 17:35

As oportunidades, com atuação presencial ou remota em 15 cidades do país, são para as áreas corporativas e comercial; as inscrições vão até 13 de outubro

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies