Menu
2019-09-17T07:57:21-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
mal estar

‘Promessa’ de liberar recurso causa desgaste entre membros do governo

Área econômica do governo está incomodada com a postura de ministros e até do vice-presidente de antecipar valores e se comprometer com novos desbloqueios

17 de setembro de 2019
7:50 - atualizado às 7:57
onyx-lorenzoni
O ministro-chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, disse que haverá liberação de R$ 14 bilhões neste mês e que outros R$ 6 bilhões devem ser desbloqueados em outubro. - Imagem: Antonio Cruz/Agência Brasil

A poucos dias do anúncio oficial da liberação de recursos no Orçamento, a área econômica do governo está incomodada com a postura de ministros e até do vice-presidente, Hamilton MourãoEles têm antecipado valores e se vêm comprometendo com novos desbloqueios nos próximos meses.

A avaliação é de que o cenário ainda é de incertezas em relação às receitas que de fato ingressarão nos cofres da União para permitir as liberações. O que requer cautela para evitar uma frustração nos órgãos que já estão estrangulados.

O ministro-chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, disse ao jornal Estadão na sexta-feira que haverá liberação de R$ 14 bilhões neste mês e que outros R$ 6 bilhões devem ser desbloqueados em outubro.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

Na agenda

Na próxima sexta-feira, a equipe econômica divulgará o relatório bimestral do orçamento. Na publicação, o governo anuncia se haverá bloqueio de recursos para cumprir a meta fiscal (que neste ano permite rombo de R$ 139 bilhões) ou se é possível liberar dinheiro para mais gastos.

Em outubro, porém, não há nenhuma divulgação prevista - um desbloqueio será feito apenas se a equipe econômica fizer um relatório fora do calendário normal, que prevê outra avaliação só em novembro.

Com essa declaração, o ministro indica antecipadamente a possibilidade de se fazer uma liberação extemporânea de recursos em outubro. O vice-presidente Mourão também já disse publicamente que o governo deve liberar até o fim do ano R$ 20 bilhões dos R$ 34 bilhões que estão bloqueados atualmente.

Preocupações

A preocupação na área econômica é que isso seja visto como um compromisso do governo, quando o ingresso de algumas receitas ainda é incerto. Por exemplo, o pagamento de dividendos pelos bancos oficiais.

O presidente do Conselho de Administração do BNDES, Carlos Thadeu de Freitas, avisou na semana passada que o banco está lento para devolver a antecipação de dividendos cobrada pelo ministro da Economia, Paulo Guedes, para ajudar nas contas desse ano.

Segundo Freitas, a diretoria está demorando por conta da venda das ações da Petrobrás. Se a operação não for concluída até meados de outubro, ficará difícil repassar o total de dividendos que a equipe econômica espera do BNDES, pois parte do resultado ficará para 2020.

Mas o aumento recente dos preços do petróleo e a consequente valorização das ações da companhia pode facilitar a venda e até ampliar o retorno da operação. Tudo dependerá da agilidade da venda das ações.

Educação

Onyx e Mourão não são os únicos que saltaram na frente da equipe econômica.

Na semana passada, o ministro da Educação, Abraham Weintraub - que tem participado de reuniões decisivas da Junta de Execução Orçamentária, embora não seja integrante do colegiado - anunciou a liberação de 3.182 novas bolsas da Capes para estudantes de pós-graduação, a um custo de R$ 22,5 milhões neste ano.

A reportagem procurou o MEC para questionar de onde sairia o dinheiro para as novas bolsas. Por telefone, a assessoria da pasta informou que os recursos seriam remanejados pelo Ministério da Economia. "Eles que vão dizer de onde vai sair. O combinado com o MEC é que os recursos seriam liberados", disse.

O MEC não atendeu ao pedido de formalizar a resposta por e-mail.

Procurado, o Ministério da Economia disse que só se pronunciará no dia da divulgação do Relatório de Avaliação de Receitas e Despesas, na próxima sexta.

A Casa Civil não se pronunciou até o fechamento da edição sobre o incômodo da área econômica em relação às falas de Onyx sobre liberação.

A reportagem apurou que o TCU vai analisar "com lupa" os números que serão divulgados na semana que vem pela equipe econômica.

Além da forte dependência de receitas extraordinária (como os bônus dos leilões), o que é criticado pelo órgão, os técnicos vão analisar as previsões que balizarão o desbloqueio de recursos para verificar se elas estão condizentes com a situação do País.

Com informações do jornal O Estado de S. Paulo e Estadão Conteúdo 

Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

Com juro menor, transferência de dívida de imóvel dispara

Ao fazer a portabilidade do financiamento, o consumidor pode conseguir reduzir o valor das parcelas e melhorar as condições do empréstimo

Um futuro melhor

Pesquisa global mostra brasileiros otimistas

Em 15 dos 28 países houve maioria de pessimistas. Esse grupo inclui todos os mercados mais desenvolvidos

CONTAGEM REGRESSIVA

Foi dada a largada para sua aposentadoria aos 40 anos (ou o quanto antes)…

Hoje pode começar a contagem regressiva para a sua aposentadoria precoce. Estou falando em ir do zero à liberdade financeira o mais rápido possível. Sim, você pode se aposentar aos 40 ou o quanto antes. Como? Eu gravei um vídeo para explicar todos os detalhes do projeto. Estou falando em ter dinheiro suficiente para fazer […]

exile on wall street

Ganhos exponenciais num futuro não tão distante

Estamos vivenciando hoje o grande salto tecnológico, capaz de criar negócios inimagináveis, ou de transformar brutalmente as companhias da velha economia em verdadeiras fortalezas

dinheiro no caixa

Governo recupera R$ 5,2 bilhões em dívidas quitadas de empresas com o Simples

Simples Nacional é um regime tributário especial que reúne o pagamento de seis tributos federais, além do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS), cobrado por estados e pelo Distrito Federal, e do Imposto Sobre Serviços (ISS), arrecadado pelos municípios

Renda variável

UBS vê céu azul para bolsa brasileira, com alta de até 15% sobre emergentes

Desempenho da bolsa deve ser impulsionado pela recuperação da economia e dos lucros das empresas, além do ciclo de reformas e da migração de recursos para o mercado de ações, segundo os analistas do banco suíço

Títulos públicos

Veja os preços e as taxas do Tesouro Direto nesta segunda-feira

Confira os preços e taxas de todos os títulos públicos disponíveis para compra e resgate

expectava para o evento

Em Davos, vou relatar que tiramos o Brasil da margem do abismo fiscal, diz Guedes

Sobre a decisão de Bolsonaro de não comparecer a Davos, o ministro reconheceu que, sempre que o presidente entrega pessoalmente a sua mensagem, “a imagem do país é fortalecida”

Dados da Oxfam

Bilionários do mundo têm mais riqueza do que 4,6 bilhões de pessoas

Segundo cálculos da Oxfam, o valor monetário global do trabalho de cuidado não remunerado prestado por mulheres a partir dos 15 anos é de US$ 10,8 trilhões por ano, três vezes maior que o estimado para o setor de tecnologia do mundo

Mercados hoje

Ibovespa acompanha bolsas da Europa e opera em queda; dólar sobe a R$ 4,18

Os mercados financeiros globais têm um início de semana pouco movimentado, uma vez que as bolsas dos Estados Unidos estarão fechadas nesta segunda-feira (20), em comemoração ao Dia de Martin Luther King. Nesse cenário de pouca liquidez, o Ibovespa abriu em baixa, acompanhando as praças europeias. A filosofia da aposentadoria precoce: já pensou poder se […]

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements