Menu
2019-05-16T13:23:16-03:00
Estadão Conteúdo
mais previsões!

Previsão de déficit primário de 2019 sobe para R$ 104,3 bi, mostra Prisma Fiscal

Para 2020, os analistas projetam um déficit de R$ 73,850 bilhões, também com uma folga para a meta, que é de R$ 110 bilhões no negativo

16 de maio de 2019
13:17 - atualizado às 13:23
O ministro da Economia, Paulo Guedes, na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara, debate a reforma da Previdência (PEC 6/19)
Analistas de mercado foram ouvidos pelo Ministério da Economia - Imagem: José Cruz/Agência Brasil

Os analistas de mercado ouvidos pelo Ministério da Economia seguem prevendo que o governo entregará um déficit primário em 2019 menor que a meta fiscal negativa de R$ 139 bilhões deste ano. De acordo com o boletim Prisma Fiscal de maio, divulgado na manhã desta quinta-feira, 16, pela Pasta, a mediana das previsões passou de um rombo de R$ 100,455 bilhões para um rombo de R$ 104,334 bilhões.

Para 2020, os analistas projetam um déficit de R$ 73,850 bilhões, também com uma folga para a meta, que é de R$ 110 bilhões no negativo. No boletim anterior, as previsões indicavam um saldo negativo de R$ 68,974 bilhões para o próximo ano.

O Prisma deste mês alterou de R$ 1,570 trilhão para R$ 1,562 trilhão a previsão do mercado para a arrecadação das receitas federais em 2019. Para 2020, a projeção para a arrecadação caiu um pouco, de R$ 1,685 trilhão para 1,679 trilhão.

A estimativa para a receita líquida do Governo Central neste ano foi praticamente mantida, passando de R$ 1,317 trilhão para R$ 1,312 trilhão, enquanto para o próximo ano passou de R$ 1,410 trilhão para R$ 1,404 trilhão.

Pelo lado do gasto, a projeção de despesas totais do Governo Central neste ano caiu levemente, de R$ 1,419 trilhão para R$ 1,418 trilhão. Para 2020, a estimativa passou de R$ 1,482 trilhão para R$ 1,481 trilhão.

A mediana das projeções dos analistas do Prisma para a Dívida Bruta do Governo Geral ao fim de 2019 continua em 78,20% do PIB. Para 2020, a estimativa, que estava em 79,36% do PIB, subiu para 79,45% do PIB no relatório de hoje.

Curto Prazo

O Prisma também atualizou as projeções fiscais para este e os próximos dois meses. Para maio, a estimativa de déficit primário passou de R$ 14,404 bilhões para R$ 15,008 bilhões.

Para junho, a previsão também é de déficit, passando de R$ 13,608 bilhões para R$ 12,994 bilhões. Para julho, a projeção de saldo negativo passou de R$ 5,765 bilhões para R$ 6,231 bilhões.

Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

O melhor do seu dinheiro

O preço do diesel e o cobertor curto

Na briga do presidente Jair Bolsonaro para tentar baixar o preço dos combustíveis e do gás de cozinha no país, não foi só a Petrobras que apanhou. Pode ser que sobre também para os bancos. E na bolsa, as ações das instituições financeiras já sofreram um bocado nesta segunda-feira por causa disso. Tudo ia bem […]

FECHAMENTO

Brasília força Ibovespa a pisar no freio e bolsa quase zera ganhos após avançar mais de 2%; dólar fica estável

No exterior, as bolsas tiveram dias de ganho expressivo, com os mercados repercutindo de forma positiva a aprovação do pacote de estímulos americano e uma nova opção de vacina

Proposta na mesa

Aumento de tributação aos bancos está sendo discutido para compensar a desoneração do diesel

A lógica proposta seria da CSLL subir para compor a compensação dos tributos com o intuito de zerar a tributação do diesel e do gás de cozinha, tendo um custo total de quase R$ 3,6 bilhões.

Concentrado

Foco de Biden é a aprovação do pacote de US$ 1,9 trilhão, diz Casa Branca

O texto foi avalizado pela Câmara dos Representantes no fim de semana e ainda precisa ser analisado pelo Senado.

Casamento do ano?

Fusão de Hapvida e Intermédica deve revolucionar setor de saúde, apontam analistas; ações sobem mais de 5%

Para analistas, união das companhias não deve encontrar grandes dificuldades para conseguir aprovação do Cade, com o ponto mais crítico sendo, possivelmente, Minas Gerais, onde ambas concentram 16% do mercado

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies